Desgorvernado e abandonado

JUNTE-SE A NÓS, COMO ?

Mais um leitor manifesta-se em carta contra a campanha patrocinada pela Associação Comercial do Pará contra a realização do plebiscito que autoriza a criação do Estado do Carajás.



Por Emivaldo Cardoso Reis


Prezados Senhores,

A campanha “JUNTE-SE A NÓS, NA DEFESA DO PARÁ!” Encampada pela Associação Comercial do Pará, quer induzir de forma negativa às pessoas menos esclarecidas a cerca da divisão territorial deste imenso estado. Penso na minha ignorância e pouco conhecimento que a existência desta campanha visa único e exclusivamente o pensamento de um grupo de empresários preocupados na arrecadação da sua associação. Pois creio que se conhecessem de perto os problemas e o abandono dos povos que habitam essas regiões tão distantes do centro de decisão do atual “ESTADO DO PARÁ”, jamais teriam a coragem de lançar tal campanha.

É muito fácil bradar com todas as forças de seus pulmões, que este movimento separatista que já vem gritando há muito tempo por socorro em defesa dessa população abandonada, esteja alicerçado em: “satisfação de egos e realização de projetos pessoais”, pois não vivendo e sem conhecer a realidade de municípios que vivem o completo abandono por parte do “GOVERNO DO ESTADO”, sem sentir e perceber a presença do poder público em todas as áreas como: SEGURANÇA, SAÚDE, EDUCAÇÃO, SANEAMENTO, INFRA-ESTRUTURA e todos os serviços públicos imagináveis para que o cidadão tenha na sua essência o exercício pleno da cidadania.

São, necessários senhores, que antes de fazerem diversas acusações, tais como acusar dois senadores da república: “de não saberem nada da nossa vida e não terem o menor compromisso com a nossa história... chegam a ser arrogantes com o povo paraense”. Não entendo a afirmação... Será que defender uma população que vive em completo estado de abandono, é ser desrespeitoso com esse povo? Será que não conhecer a história do Pará, é desrespeitar sua população? Será que ser solidário e ter uma visão mais humanista e menos embasada em interesses pessoais e classistas, é desrespeitar alguém? Será que mesmo não sendo representantes do “ESTADO DO PARÁ”, Esses senadores não poderiam estar preocupados com o bem estar de uma população que vive em completo estado de abandono? Heim? Não estou aqui pra defender a intenção dos parlamentares. Mas para dizer senhores da Associação Comercial do Pará: vossas senhorias precisam conhecer de perto a realidade deste povo “PARAENSE”, que residem na distante Vila de Cruzeiro do Sul, que não vem a ser um município no quase vizinho estado do Acre, ou na Vila de Brejo do Meio ou até mesmo quem sabe nos municípios de Vitória do Xingu ou Anapú, situados nas brenhas da Transamazônica. Talvez vossas senhorias nunca tenham nem ouvido falar dessas localidades, mas se conhecessem a realidade em que vivem essas populações, vossas senhorias, jamais! Jamais! Teriam a coragem de tentar impedir, que tivéssemos a oportunidade de decidir se queremos ou não continuar sendo “DESGOVERNADOS E ABANDONADOS” por políticos que muito pouco se preocupam com a população menos favorecidas dessas regiões tão distantes do centro de decisão do “ESTADO DO PARÁ”. Reflitam e procurem conhecer de fato a nossa realidade, para assim, de fato, poderem nos ajudar a desenvolver como região ou como unidade da federação. Melhorando a qualidade de um povo que vive e sofre no seu dia a dia as mazelas do abandono das autoridades constituídas para protegê-las e ampará-las. Não nos tirem o direito de decidir o que queremos de fato para o nosso povo!

2 comentários:

Roberto C. Limeira de Castro disse...

Conta-se que, após a acachapante derrota das forças armadas norte-americanas no Vietnam, os jornalistas entrevistaram um velho comandante vietcong, modo como eram denominados os membros da guerrilha norte-vietnamita.

Ao ser inquirido de como aquele exército maltrapilho havia derrotado o todo poderoso e tecnológico aparato militar Ianque, o sábio lhes respondera:

Do mesmo modo que expulsamos os intrusos soldados franceses da Indochina (antigo nome do Vietnam) – os comandantes estrangeiros esqueceram de informar aos seus comandados e porta-vozes de que nós vietnamitas tínhamos razão.

E teria arrematado:

Os desmotivados soldados franceses e americanos não sabiam porque estavam lutando e nós sabíamos.

Guardadas as devidas proporções, essa meia dúzia de intolerantes da ACB e os seus porta-vozes, que lutam pela manutenção da iniqüidade, do atraso secular e do parasitismo da atual organização político-administrativa do Pará e do Brasil não sabem porque estão lutando, ao contrário dos mais três milhões de carajaenses, tapajoaras e marajoaras, que lutam pelo direito sagrado de autogestão das suas riquezas e do futuro de suas famílias.

Val-André Mutran disse...

Ótima citação caro Roberto. Como sempre, brilhante.
Abs