Do Alerta em Rede

Aquecimento global em rediscussão no Brasil


11/jul/07 (AER) – Por oportuno, reproduzimos abaixo nota publicada na última edição da Resenha Estratégica:

Assim como vem ocorrendo em outros países, aos poucos, o alegado "consenso científico" sobre o aquecimento global antropogênico vem sendo objeto de um questionamento cada vez mais visível no Brasil, inclusive entre órgãos públicos e universidades, nos quais o enfoque "aquecimentista" costuma ser dominante. Membros do conselho editorial desta Resenha participaram de três eventos recentes, que sinalizam essa tendência.

Em 27 de junho, promovido pela Agência Nacional de Águas (ANA), realizou-se em Brasília o seminário "Recursos Hídricos no Contexto das Mudanças Climáticas". O evento, que contou em sua abertura com a presença da ministra do Meio Ambiente Marina Silva, foi desenvolvido em três mesas-redondas: questão científica, políticas públicas e o papel da comunicação social. O aspecto mais marcante do seminário foi o contraditório. Diferentemente do que vem ocorrendo de forma avassaladora na mídia em geral e em eventos similares, a versão "oficial" do aquecimento global como sendo resultante da ação humana foi contestada com competência e argumentos que causaram impacto em uma platéia visivelmente atenta e, até certo ponto, surpreendida.

Por isso mesmo, o ponto alto do seminário foi o painel científico, com as presenças de dois dos principais paladinos do aquecimento antropogênico no País, Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e Pedro Dias da Silva (Universidade de São Paulo), ambos integrantes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), e Luiz Carlos Molion, um dos decanos da Climatologia no Brasil, aposentado do INPE e atualmente professor da Universidade Federal de Alagoas.

Previsivelmente, os dois primeiros apresentaram as conclusões do quarto relatório do IPCC, não deixando margem a dúvidas sobre a causa antropogênica do aquecimento global, bem como as suas catastróficas conseqüências para a Humanidade, caso não sejam adotados draconianos cortes no consumo de combustíveis fósseis nas próximas décadas.
Por sua vez, Molion, que é um dos mais antigos e severos críticos do catastrofismo climático, no Brasil e no exterior, contestou não apenas as conclusões do relatório, mas a metodologia empregada na sua elaboração, fundamentada em modelos matemáticos que estão muito longe de representar as complexas e interconectadas variáveis reais que condicionam as mudanças climáticas. Igualmente, ele ressaltou que o IPCC é uma entidade formada por cientistas, mas é também "intergovernamental", o que implica em fortes ingerências políticas na sua dinâmica de trabalho e conclusões. A última transparência de sua apresentação trazia o sugestivo título: "Conspiração?"

Nosso colega Nilder Costa, editor do Alerta Científico e Ambiental, participou da mesa-redonda sobre comunicação social, na companhia do ex-deputado "verde" Fabio Feldmann, atual secretário-executivo do Fórum Paulista de Mudanças Climáticas, o gerente do WWF Brasil, Samuel Barreto, e a gerente de Conteúdo do Canal Futura, Deborah Garcia. Na oportunidade, ele ressaltou que o tema do seminário unia os dois temas mais emblemáticos das distorções que envolvem a percepção e as discussões dos problemas ambientais - recursos hídricos e aquecimento global. "Um envolve os principais problemas ambientais reais e de saúde pública da maioria dos países em desenvolvimento, como o Brasil, mas não recebe nem a décima parte da atenção e da publicidade do outro, que foi elevado à condição de uma emergência global que, supostamente, justificaria toda sorte de restrições ao desenvolvimento, especialmente quanto aos usos da energia", enfatizou (o texto-guia da apresentação encontra-se no sítio do Movimento de Solidariedade Ibero-americana).

No mesmo dia, Geraldo Luís Lino proferiu uma palestra sobre "Mitos e realidade do aquecimento global", na semana acadêmica do Centro de Tecnologia da Universidade Federal de Santa Maria (RS). O evento contou com a participação de quase 300 pessoas, entre estudantes e professores (inclusive um de Climatologia), que proporcionaram duas horas e meia de discussões, entre palestra e debates, com muitas perguntas inteligentes e oportunas, que denotavam atenção e interesse real pelo assunto.

Em 6 de julho, Lino e Lorenzo Carrasco participaram de um seminário interno da Companhia Paranaense de Energia (COPEL) sobre Mudanças Climáticas, no qual discorreram sobre as motivações políticas da campanha "aquecimentista" e as evidências científicas sobre as causas naturais do fenômeno. Na ocasião, a tarefa de ambos foi facilitada pela brilhante exposição anterior do Dr. Francisco Mendonça, professor de Climatologia da Universidade Federal do Paraná, autor de um celebrado livro-texto sobre os climas brasileiros e igualmente crítico do alarmismo ambiental em geral.

Na medida em que a enormidade dos custos socioeconômicos da adoção da agenda "aquecimentista" começa a ser percebida em toda parte, essas e outras discussões do gênero, em vários fóruns do País, proporcionam uma bem-vinda lufada de ar fresco e racionalidade para o encaminhamento de questões cruciais para a retomada de um processo de desenvolvimento compartilhado e realmente sustentável, tanto no Brasil como no resto do mundo.

Nenhum comentário: