Manifesto negro pela reparação

O povo negro exige: REPARAÇÃO JÁ!

"A chegada do invasor português ao território hoje brasileiro, significou um verdadeiro assalto à natureza e à humanidade que aqui já se encontrava. Cruéis, violentos, traiçoeiros, estupradores e assassinos, deixavam atrás de si uma devastação sem precedentes na história dos povos.

Essa prática genocida deixou um legado histórico de violência e extermínio com saldo de 4,7 milhões de indígenas mortos e 110 milhões de africanos seqüestrados e assassinados para garantir a “conquista” das Américas.

A III Conferência Mundial Contra o Racismo, realizada em Durban, África do Sul, enquadrou o tráfico transatlântico como crime contra a humanidade. No Brasil, último país a erradicar a escravidão, a ideologia racista decorrente daquele crime produz até hoje níveis de desigualdades tamanhos que somente um projeto de reestruturação completa da sociedade brasileira poderá diminuir a distância entre negros e brancos dando condições de igualdade e oportunidade para ambos.

A realidade do povo negro é cruel: não temos acesso ao ensino superior, mais de 10 milhões de mulheres negras já foram esterilizadas, somos a maioria dos desempregados. Como se não bastasse, a violência policial mata jovens negros em todo o país e o sistema judiciário, associado ao econômico, vem confinando negros aos cárceres, ou melhor, aos campos de concentração brasileiros.

Isso prova que o Estado brasileiro tem uma dívida social e histórica para com as populações negras e indígenas e é nesse contexto que se insere o debate sobre a urgência de políticas públicas de ação afirmativa. Reparar significa assumir formas mais radicais no combate ao racismo brasileiro. É exigir mais verbas orçamentárias para área social, programa de ação na área da saúde contemplando a diversidade étnica, escola pública de qualidade com metodologia vinculada à pluralidade racial, demarcação de terras indígenas, titulação de terras remanescentes de quilombos, suspensão do pagamento da dívida externa, valorização e qualificação rumo à igualdade de oportunidade no mercado de trabalho.

No primeiro 20 de novembro do milênio, o ideal socialista defendido por Zumbi dos Palmares, permanece vivo na memória de quem arregaça as mangas para lutar pela igualdade. Ciente desta responsabilidade, o Movimento negro Unificado – MNU, conclama toda a sociedade brasileira, em particular o povo negro, para cobrar essa dívida social. Isso só será possível com intensas lutas, em todos os campos, contra o Estado brasileiro e suas elites dominantes. É preciso exigir: REPARAÇÃO JÁ!"


Referência:
Manifesto distribuído no cortejo Curuzu/Pelourinho no dia 20 de Novembro de 2001, Dia Nacional da Consciência Negra

Nota do blog: A branquelada se pela de medo do movimento negro organizado. Vocês já pararam para pensar por que?

Nenhum comentário: