Amo, portanto: mato

Pertubadora a discurssão em pauta no blog do Hiroshi Bogea.

Contexto: Eu preciso dizer que te amo

No amanhecer escuto no rádio o desbocado locutor de notícias policiais gritar literalmente o assassinato de uma jovem de 19 anos. Um tiro certeiro à altura do coração desferido pelo namorado da vítima.

O fato aconteceu em Novo Repartimento.Mais uma jovem vida extinta -, sensacionaliza o destemperado moço ao microfone.

Depois solta a entrevista feita na delegacia com o criminoso:- Eu a matei por ciúmes, ela me fazia ciúmes e aquilo me maltratava. Não sei o que deu em mim que decidi dar um tiro. Foi raiva. Foi por amor. .“Foi por amor”.

Mata-se por uma manga.

Mata-se por uma divida de R$ 20,00.

Mata-se por amor.

Quando se ama algum, é prazeroso falar de seu amor para a pessoa amada. Mas quando não se gosta, dificilmente sai a expressão eu não te quero mais.

Falar desse modo causa rejeição, ofende?Dizer ou não que se ama ou não se quer alguém, esse deveria ser o caminho natural de uma relação.

O amor não pode ser uma condenação perpétua. Fica-se com alguém enquanto não se descobre o fim de sua ludicidade. Porque o encanto quando acaba, acaba a pulsação.


Leia e participe desse debate aqui.

------------------

Recuso-me a fazer parte desta humanidade. Oro... e tiro a bunda da cadeira para mudar esse estado - lamentável - de coisas.

Você está fazendo o quê para mudar isso?

2 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Por isso fico surpreso quando as ações sociais do Brasil estão na mão dos direitos humanos e do MST.

Val-André Mutran disse...

Deve ser.