Ana Júlia vai enfrentar madeireiros

Publicado hoje no jornal Correio Braziliense, o protesto em Tailândia (PA) é encarado pelo jornal como um desafio da governadora.

Reagindo à pressão dos madeireiros da região de Tailândia, no sul do Pará, a governadora do estado, Ana Júlia Carepa, endureceu o discurso e afirmou que não recuará na decisão de retirar das empresas a madeira extraída ilegalmente e apreendida na quarta-feira da semana passada. “Não cederemos às pressões dos madeireiros. O compromisso do nosso governo é com todo o estado do Pará e não com aqueles que usam nosso solo apenas para extrair riqueza e depois abandoná-lo”, atacou Ana Júlia.

No último dia 13, uma megaoperação conjunta do governo do Pará e do Instituto Nacional dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) resultou na apreensão de 10 mil metros cúbicos de madeira ilegal. Os madeireiros bloquearam a rodovia PA-150 com o objetivo de impedir a saída da madeira. Localizado a 240km da capital, Belém, o município de Tailândia é apontado como uma das 10 cidades mais violentas do Brasil e reúne grande número de serrarias e fornos para a produção de carvão.

Para tentar conter os ânimos e liberar a rodovia PA-150 em Tailândia, o comando da Polícia Militar destacou para o município uma guarnição aquartelada no município de Goianésia e, até o fechamento desta edição, ainda aguardava instruções da governadora para, se necessário, enviar um batalhão de choque da capital.

2 comentários:

Anônimo disse...

Não sou a favor deste tipo de protesto, mas temos q reconheçer que a classe madeireira esta sendo muito prejudicada pela pressão do governo e ONG's lotadas de ambientalistas comedore de alfaçe!!!!

Eu venho a perguntar !!! quando q o governo federal chegou em alguma cidade cuja a fonte de renda seja madeira e disse que estava ali para ajudar ????????? NUNCA !!!!!!!

O governo é sempre ausente nestes municipios e quando se faz presente é somente atraves de força tarefa que vem cobrar e ferrar, e nunca ajudar.,

Isso me lembra o caso do entorno da BR 163, que em idos de 2004 foi decretado umas tal de reservas e com isso audiencias publicas e a promessa e gerar em menos de 4 anos mais empregos de forma sustentavel (sustentavel para os funcionarios do governo, com altas diárias)., mas a realidade é outra, se passaram 4 anos e até agora nada, o governo nem si quer apareceu mais, somente impoem embargos e fiscalizações mirabolantes com o intuito de judiar ainda mais um povo ja sofrido e esquecido por este governo IMCOMPETENTE e cheio de corruptos.......

Val-André Mutran disse...

Olá anônimo. É perffeitamente compreensível o se desencanto.
Mas há uma questão central nessa polêmica.
Como ficam os madeireiros ou produtores rurais que querem e precisam atuar na legalidade?
Por que o senhor Valmir Ortega não libera os planos de manejo?
Não me parece crível e simplista que haja uma sentimento de perseguição por parte do governo estadual e federal nessa questão, o que há é falta de competência mesmo, não consigo achar outra justificativa para tal situação.
O que quer trabalhar direito não consegue. Não tem estímulo. A burocracia para a liberação dos planos de manejo simplesmente não saem do papel.
É mais vantajoso ser um fora-da-lei.
É isso que o governo tem que ser responsabilizado.
Está jogando um setor na clandestinidade, pois não cumpre com suas obrigações, portanto, não tem moral com ninguém para exigir o cumprimento da Lei.
Quanto à corrupação. Precisa falar alguma coisa?