Crime da jovem inglesa ― solidariedade brasileira de mão única

Solidariedade de brasileiros

O jovem eletricista brasileiro Jean Charles de Menezes, fuzilado pela polícia britânica ao confundi-lo com um suspeito de atentados em Londres, foi definido por Alex Pereira, 28 anos, primo da vítima, como um jovem 'falante, amável e amigável', não tinha nada a esconder nem temia a polícia. A morte inaceitável e o erro grosseiro da polícia inglesa sensibilizou poucos londrinos e pessoas de outras nacionalidades que por lá moram ilegalmente ou não.

Eis que o espaço das agências internacionais de notícias reservado a comentários de leitores se tornou um verdadeiro fórum de debates, com participação maciça dos brasileiros, sobre o caso da britânica assassinada em Goiânia. No site do jornal The Times, uma moradora da capital goiana presta solidariedade à família de Cara Marie Burke. Um desavisado americano de Nova York suplica à Justiça brasileira que condene o assassino da garota à pena de morte — punição inexistente na legislação brasileira. De Londres, uma internauta lembra que o Brasil já chorou por uma tragédia parecida, a de Jean Charles Menezes, morto pela polícia britânica. Na versão impressa do Times de ontem, o irmão de Cara, Michael Burke, 30 anos, nega que a garota fosse namorada do suspeito do crime. “Eles não eram um casal”, disse.

Michael explicou à reportagem do jornal que a irmã voltaria para casa duas semanas atrás, mas que um acidente envolvendo uma motocicleta, no caminho do aeroporto, fez Cara adiar a viagem. Os brasileiros se mostraram compadecidos, ao comentar as matérias nos sites estrangeiros, com a família Burke. Identificando-se como Willame, de Goiânia, uma internauta diz que as pessoas de sua cidade sentem muito e querem justiça.

Em seu recado, Geoffrey Mintz, de Nova York, nos Estados Unidos, diz aguardar punição exemplar. “Vamos esperar que a justiça criminal brasileira dê a ele a pena de morte”, afirma. Mais adiante, Rafael Souza, teclando de Vitória (ES), faz alguns esclarecimentos ao americano. “Geofrey, a pena de morte não é uma opção no Brasil. De acordo com as nossas leis, este assassino ficará no máximo 30 anos preso e poderá sair após cinco, se apresentar bom comportamento”, explicou Rafael no recado — na verdade, a lei atual prevê que a progressão para o regime semi-aberto só pode ocorrer depois de transcorrerem dois quintos da pena (no caso, 12 anos). Beth, internauta falando da Itália, lembra ainda do caso de dois inocentes estudantes franceses mortos em Londres há algumas semanas. Laura, de Londres, menciona o caso do brasileiro Jean Charles Menezes, assassinado também na capital inglesa.

Repercussão
Os principais jornais britânicos estamparam o caso de Cara Marie Burke na capa. O The Daily Telegraph informou que a tatuagem que levou ao reconhecimento da garota portava a inscrição Mum (mamãe, em inglês). O diário The Independent destacou que Cara já havia visitado o Brasil duas vezes — ela gostava do país e de futebol, tendo inclusive participado da equipe feminina do Chelsea, um dos principais times de futebol londrinos. O The Guardian reproduziu a frase de Jorge Moreira, delegado que conduz as investigações, sobre o suspeito do assassinato: “Ele é um verdadeiro sociopata. A maneira como matou Cara e desmembrou seu corpo revela uma terrível crueldade”.

O bom coração dos brasileiros ensina outros povos supostamente "mais adiantados" que o que vale é a vida e não a aparência ou nacionalidade do portador, especialmente pessoa de boa índole como era Jean Charles de Menezes.

Nenhum comentário: