Fogo amigo contra a produção brasileira

Não bastasse as ações deliberadas de Ong´s ambientalistas à serviço do capital estrangeiro. O fracasso da rodada de Doha consolidando a penosa política de subsídios internos do maiores países do mundo. O próprio governo, lança no Pará, com pompa, circunstância e absoluto transe de satisfação da governadora Ana Júlia Carepa um novo decreto que amplia os poderes de comando e controle do Ibama para o combate aos crimes ambientais.

Na coluna Radar de Veja deste final de semana, resume a questão:

Em polvorosa

Os ruralistas estão assustados com Carlos Minc. O que eles temem é o decreto assinado por Lula há duas semanas regulamentando a Lei de Crimes Ambientais.

A lei já existia, mas só agora foram definidas as punições. De acordo com o texto legal, 20% de todas as propriedades rurais precisam ser de vegetação nativa, mesmo as que hoje são integralmente dedicadas à produção.

A Confederação Nacional da Agricultura promete entrar com ação de inconstitucionalidade no STF. Pelas contas da CNA, se a lei fosse aplicada no Paraná, por exemplo, 8 bilhões de toneladas de grãos a menos seriam colhidas.

Algo como 5,2 bilhões de reais que deixariam de ser produzidos. É um bom debate, mas não é bem assim: a lei estabelece um prazo de até trinta anos para o fazendeiro recompor a reserva.

Nenhum comentário: