Nós, os otários...

... Seremos obrigar a pagar a conta por culpa desse tipo de gente. Leia abaixo.

CLÓVIS ROSSI

MADRI - Sabe a AIG, a maior seguradora norte-americana, aquela que o governo teve de socorrer com uma pilha de US$ 85 bilhões (R$ 187 bilhões) para evitar a quebra? Pois é, apenas seis dias depois desse socorro, a empresa gastou US$ 443 mil (suficientes para pagar 2.130 salários mínimos) em uma festa para seus executivos em um dos mais luxuosos "resorts" da sofisticada Califórnia.

"Estavam fazendo as unhas das mãos e dos pés, tratamentos faciais e massagens, enquanto o contribuinte paga a fatura", esbravejou Elijah Cummings, que não é nenhuma demagoga esquerdista, mas uma deputada democrata. Só no campo de golfe do "resort", deixaram US$ 7 mil. Sete dos dez principais executivos da AIG participaram da esbórnia. "É uma prática comum nesta indústria, para compensá-los [aos executivos] por seu trabalho", disse o porta-voz da companhia. Que trabalho, cara-pálida? O de afundar uma empresa?

O instantâneo, que acabou no Congresso dos EUA, é talvez um flagrante mais explicativo da crise do que todo o resto. Não se trata só de ganância, fator a que muitos atribuem a baderna nos mercados. Que há ganância, é óbvio. Mas ganância faz parte da alma do capitalismo e, em alguns casos, é até combustível para o progresso (e não tenho aqui espaço para discutir o conceito de progresso).

O que essa "prática comum" revela é uma cultura torta, feita de hedonismo ao ponto extremo e de uma sensação já não de impunidade, mas de inimputabilidade.

Não há respeito não só pelo dinheiro público mas pela própria empresa que lhes paga salários (os famosos pára-quedas dourados, expressão que ganhou estado público com a crise), bônus, luxos. Claro que ganhar dinheiro não é feio, desde que honestamente. Mas essa cultura tornou feio não ter um pára-quedas de ouro.

Fonte: Folha de S. Paulo.

Comentário do Blog: Noutros tempos uma situação como a atualmente enfrentada dava cadeia nos Estados Unidos. O que será que aconteceu?

Nenhum comentário: