Oficial confirma que a ordem era matar militantes do PC do B

BRASÍLIA(DF)- "A ordem era matar e perguntar depois", disse o ex-chefe do grupo de combatentes do Exército na Guerrilha do Araguaia, José Vargas Jimenez, em depoimento, hoje (3), na Comissão sobre Anistia na Câmara dos Deputados. Na época da guerrilha, Chico Dólar, apelido pelo qual era conhecido, era 3° sargento do Exército.

Ele confessou hoje ter torturado várias pessoas e deu detalhes do tratamento dispensado àqueles que não resistiam e morriam.

Mais aqui.

2 comentários:

Anônimo disse...

Val.

Numa guerrilha todos estão ali para matar ou morrer. O que é inaceitável é a EXECUÇÃO.
Capturar guerilheiros vivos e deopis dar um fim neles? Torturar? picar?
É o cúmulo da maldade.
O depoimento do Gimenez só demonstra que o goerno não faz nada para punir os bárbaros. E mais, não eram só militares que cometiam atrocidades no período da ditadura?
O fleury e sua corja era da P. Civil. Há que se repensar muitas das nossas certezas, principalmente quando se tem os atores e nunca o fim da novela.

Taís Morais

Val-André Mutran disse...

Mas que surpresa você aqui de novo.
Você tem razão Tais.
Seu livro ajudou a revelar alguns desses capítulos, cabe ao governo abrir o cofre para conhecermos o resto da história.
Até desrespeitar ordem judicial já fizeram.
Aliás, o que ainda não fizeram com essa história, Taís?
Aguardo a data do lançamento de seu novo livro.
Beijos.