Protógenes garante: Nosso foco é o crime do "colarinho branco"

Punido, sob pressão de viva voz de um ex-colega: o herói da vez da República, diz: "fiz o meu trabalho!"

Protógenes: PF não investigou Dilma nem filho de Lula

Rodolfo Stuckert

Operação Satiagraha, inicialmente coordenada por ele, não investigou a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, nem o filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o empresário Fábio Luiz da Silva. Informações de que eles teriam sido investigados haviam sido divulgadas pela imprensa.
Depois de um início tenso em que o presidente da CPI, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), e o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) trocaram acusações, a CPI conseguiu ouvir um acidentado segundo depoimento de Protógenes.
O delegado negou ter dito que o deputado Raul Jungmann (PPS-PE) seja um "bandido à solta, financiado por Daniel Dantas". A frase teria sido dita em matéria de imprensa citada por Jungmann durante o depoimento.
Protógenes também negou que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, tenha sido monitorado em algum momento da Satiagraha: "Se tivesse conhecimento disso, eu precisaria ter dado conhecimento à autoridade do STF".
Protegido por um habeas corpus e acompanhado por dois advogados, o delegado se absteve de responder a quase todas as perguntas relativas à operação, alegando dever de sigilo. No entanto, ele apresentou novas acusações contra o banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunity - entre elas, a de que ele manipula autoridades e pode ter usado o Congresso para beneficiar projetos de seu interesse.
Espionagem empresarial
De acordo com o relator da CPI, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), as informações de maior relevância prestadas pelo delegado dizem respeito à existência de 250 caixas de documentos sobre uma suposta espionagem empresarial e de autoridades realizada pela empresa de investigações Kroll Associated, a mando de Dantas. O delegado afirmou que os documentos estão disponíveis na Justiça americana.
Ele explicou que, no curso de ação promovida nos Estados Unidos pela Brasil Telecom contra o banqueiro, foi solicitado que a Kroll apresentasse todos os documentos relativos às suas operações de espionagem no Brasil. Entre eles, informou o delegado, estaria um contrato de acerto acionário entre as partes.
De acordo com Protógenes, esse documento traria a divisão de áreas de interesse das partes. Cada uma exploraria determinada atividade. Elaborado em 1992, segundo o delegado, pelo então advogado Mangabeira Unger, atual ministro de Assuntos Estratégicos, o acordo dividiria interesses como a exploração da transposição do Rio São Francisco; a privatização da Vale do Rio Doce; a venda de cerca de 49% das ações da Petrobras; e a exploração do subsolo nacional. "Isso está disponível na Justiça americana, pois não está sob segredo", disse Protógenes, acrescentando que teve acesso ao processo por meio de uma cópia fornecida pela Brasil Telecom.
O delegado considerou importante verificar as consequências desse acordo em projetos que tramitam no Congresso: "Dessa forma, será possível perceber a rede de influências do Dantas e a tentativa dele de cooptar autoridades, inclusive no Parlamento."
Negócio
Questionado sobre qual seria o interesse do governo na Operação Satiagraha, Protógenes afirmou que seria a de viabilização de um ambiente "para um super negócio". Ele afirmou que esse empreendimento, que seria a criação de uma super empresa da área de telefonia e telecomunicações, teve a participação de importantes atores. E disse ainda que se trata de um esquema que compromete autoridades, instituições e, "talvez, até o Congresso".
Segundo o delegado, é preciso analisar os fatos numa linha do tempo para entender o que considera como o uso da rede criada por Dantas para viabilizar a atual BrOi, fusão da Brasil Telecom com a Oi. De acordo com Protógenes, pouco antes do Carnaval de 2008 foi editada uma MP liberando R$ 12 bilhões para essa fusão, numa operação aparentemente normal.
Porém, ele adverte que a Lei de Outorgas vedava o controle acionário de empresas estrangeiras. Quando a MP foi editada, no último momento a Anatel permitiu essa hipótese. Protógenes afirmou que Dantas tem interesse em negociar essa empresa no mercado internacional e que essa operação fazia parte do contrato elaborado em 1992.
Em resposta a uma pergunta do deputado Domingos Dutra (PT-MA), o delegado comentou que operações como a Satiagraha têm contribuído para a Justiça no País. "Há pessoas que só estão presas hoje por causa de operações assim, como o ex-deputado Hildebrando Pascoal e o empresário Law Kin Chong. Além disso, também conseguimos bloquear ativos importantes, como os do próprio Daniel Dantas", avaliou.
(*) Matéria atualizada às 21h37.
Leia mais:
Presidente da CPI reafirma que Protógenes será indiciado


Delegado diz que ações da Satiagraha foram todas legais


Relator avalia se novos depoimentos ainda serão necessários

Reportagem - Vânia Alves
Edição - Newton Araújo

AG/Câmara.

5 comentários:

roberto eugenio disse...

Caro Val
se juntarmos Satiagrarra+Galtama, nem mesmo o Caminho das Indias (da Globo), terá tantos segredos, suspenses e sujeiras embutidas numa só trama...

Val-André Mutran disse...

Roberto Eugenio,
Você está coberto de razão.
O Itagiba não passará!
Abs e Feliz Páscoa.

André Passos disse...

Caro Val,

Se este Daniel Dantas tivesse nos EUA já estava atrás das grades. Aqui, pelo contrário, tentam incriminar as autoridades (delegado e juiz) que fundamentaram esta prisão. O que mais entristesse é parte da classe política trabalhar contra os interesses da nação, conduzindo a opinião pública de forma a acreditarem que o Daniel Dantas é um Santo e o Protógenes o Capiroto.

Anônimo disse...

O delegado não preoculpa, pois no brasil tem alguns ditados que devem ser banidos tais como (efeito dominó, e corda quebra sempre do lado mais fraco e outros) é exatamente o que acontece com o delegado, no entanto fica mais ridiculo ainda que numa seção da (CPI) UM DEPUTADO coloque de forma tão dura que o dinheiro que foi usado na campanha do PRESIDENTE DA CPI é dinheiro de pessoas ligadas ao Sr. DANIEL DANTAS que foi condenado e preso ou melhore falando dinheiro SUJO eu não queria ser sabatinmado por pessoas desta natureza e que na hora da acusação não esboçou reação digna de que a população ficasse convencida, resta falar para o nobre deputado que uma boa parte da população assiste tudo isto que acontece e é gravissimo a declaração do deputado

Jane Mary disse...

Caro Val

Lamentável, aliás, extremamente lamentável a inversão de valores no Brasil.
Parar uma Nação inteira por medo de vir a tona as sujeiras de autoridades que tinham de ser idôneas e probas.
Pérfido, culpar terceiros, na tentativa de desviar os olhares, em detrimento dos deslumbramentos financeiros daqueles canastrões.
O Brasil é uma piada!
Vergonha Nacional!!!!