Sarney: Um homem que não atura contrariedades

É preciso repensar as políticas de hoje para se construir um amanhã inovador”, diz o sociólogo Odilon de Souza.

O tipo de literatura e pensamento filosófico que passa ao largo do imortal José Sarney.

Foi revelado esta semana, para escândalo dos defensores da democracia que o presidente do Senado Federal e ex-Presidente da República José Sarney (PMDB-AP), segundo o jornal Pequeno, do Maranhão, teria protagonizado o seguinte feito sobre uma cobrança ao ex-ministro Francisco Rezek que lhe respondeu nos seguintes termos:

"Recebi no início de fevereiro uma carta de José Sarney, inconformado por haver eu aceito a defesa do mandato popular do Governador Jackson Lago contra o que me pareceu uma tentativa de golpe de estado pela via judiciária.José Sarney, tanto quanto eu saiba, é um estadista e um membro da Academia Brasileira de Letras. As nove páginas que recebi não pareciam ter sido escritas por um estadista ou por um membro da Academia. Considerei por isso o papel como apócrifo, e não me manifestei sobre ele.

Agora a matéria do Estadão expõe algo que supera de longe a insolência da carta: por um lado insinua que minhas relações com Bilac Pinto, notórias desde sempre, tinham algo a ver com um parentesco entre aquele notável homem de Estado e minha ex-mulher, Myreia de Castro Cardoso, o que é perfeita fantasia.

Por outro lado o oligarca em questão é apontado como um "padrinho" a quem eu teria sido ingrato ao aceitar a causa do Governador Jackson Lago. Neste ponto o delírio - não sei exatamente de quem - supera todos os limites. Para nosso geral reconforto, a história do Supremo Tribunal Federal registra com grande acuidade as premissas de cada nomeação ocorrida, pelo menos nos últimos 50 anos. Todos sabem a quem devo minha indicação precoce a uma cadeira no Supremo Tribunal Federal, e não há nesse contexto nada de semelhante a José Sarney."

Comentário do blog: O Senado acabou.

3 comentários:

Marco Carrero disse...

Tendo acompanhado a trajetória desse senhor, não me surpreendo com mais essa atitude de quem acha que o poder deve pertencer sempre a algum membro de sua família ou a algum "apadrinhado", basta ver quantas benfeitorias públicas no estado de "sua execelência José Sarney" possuem nomes de familiares. Como é triste ser brasileiro vendo a qualidade dos políticos que comandam esse país.

Anônimo disse...

Alguem já tentou investigar como é que um investidor conseguiu sacar 1 milhão de reais de um Banco que sofreu a intervenção do BC? Até quando vamos proteger aqueles que não merecem?

Isso acima saiu em uma nota da revista Veja , o Banco em questão era o Santos...

Será que essa pessoa não utilizou uma daquelas prerrogativas que ele acha que tem direito?
Da informação privilegiada! Vamos cobrar que isso seja apurado, como essa pessoa tantas outras tiveram vantagens e as ainda tem por estarem onde estão.
Não deixem o povo esquecer...

Anônimo disse...

Excelentíssima Governadora do Estado do Maranhão (não a chamo de senhora por que este título é dado a pessoas idôneas como minha mãe que Deus a tenha):
- Cade os CR$ 1.700.00,00?