Wandenkolk acusa governo de inoperância

Senhor Presidente, Sras. e Srs. Deputados, infelizmente, meu querido Estado do Pará não tem sido muito pródigo nas manchetes da mídia nacional nos últimos tempos. Aliás, poder-se-ia dizer que se abateu sobre o nosso Estado uma verdadeira maré vermelha.

O Município de Altamira, por exemplo, tido como o maior Município do Brasil em extensão geográfica, um Município emblemático não só para o Pará, mas para todo o País, tem sofrido consequências absurdas: desemprego gerado pelo fechamento do setor madeireiro; engessamento generalizado nas questões do agronegócio, ocasionando ainda mais desemprego; a famigerada Operação Arco de Fogo, que acabou de uma vez por todas com a possibilidade de desenvolvimento da região.

Não bastasse tudo isso, o TCU demonstra, de maneira inequívoca, que houve superfaturamento e desvio de recursos na obra de asfaltamento da rodovia Transamazônica e suspende a obra, causando mais desesperança à nossa gente, que contava com o tão prometido asfalto, com recursos previstos até no PAC e agora suspensos. E ainda há uma ameaça do DNIT de fazer nova licitação.

Sr. Presidente, em meio a esse drama, ontem vimos na mídia nacional a situação calamitosa por que passam o Município de Altamira e os outros Municípios circunvizinhos da Transamazônica, num momento em que inundações nunca antes vistas na história daquela região atingem casas e desabrigam famílias, deixando mortos e desaparecidos.

A Prefeita já solicitou à Governadora do Estado a decretação imediata de estado de calamidade pública, mas ainda estamos aguardando a boa vontade da Sra. Governadora.
Sr. Presidente, estamos propondo na tarde de hoje, pedindo vênia a V.Exa., a criação de uma comissão suprapartidária do Congresso Nacional para ir até Altamira acompanhar in loco as dificuldades, pari passu, e propor alternativas para aquela população.

Precisamos que o Presidente Lula, da mesma maneira como agiu quando as vítimas eram os brancos de olhos azuis de Santa Catarina, apóie imediatamente os caboclos da região amazônica. Esperamos que o Fundo de Catástrofes seja priorizado urgentemente para a nossa região e que seja estabelecido um cronograma de repasse de recursos para atender aquela calamidade pública.

Não podemos tratar diferentemente as regiões menos priorizadas deste País. É hora de mostrar que as regiões mais sofridas também contam com a atenção do Governo Federal.
Já estivemos no Ministério das Cidades. Estamos pedindo o mesmo apoio, o mesmo empenho, a mesma determinação demonstrada para o Estado de Santa Catarina e para os Estados que sofreram as consequências da seca do Nordeste, apoio, aliás, muito justo. Que o mesmo tratamento seja dispensado ao Estado do Pará, ao Município de Altamira, à região da Transamazônica, que passa por um dos momentos mais cruciais da sua história. A Prefeita de Altamira, Odileida, o Vice-Prefeito, Silvério, a Câmara de Vereadores, a sociedade altamirense está em pânico, apreensiva, desprotegida e, pior, sem nenhuma esperança de que terá atendidos os seus reclamos.

Mas confiamos neste Congresso, confiamos no Parlamento brasileiro. Tenho certeza de que, juntos, haveremos de encontrar alternativas para minimizar o sofrimento daquela gente.

Confio nas Sras. e nos Srs. Deputados.
Muito obrigado.

Um comentário:

Luydyh disse...

O governo do pará não tem preparo para trabalhar...
Faltam pessoas capacitadas, faltam pessoas de caráter, de responsabilidade.
E mais uma vez quem vai sofrer com o não asfaltamento da transamazônica. advinhem quem é: É quem paga os impostos, que são os mais fracos, somos nós o povo brasileiro e principalmente o paraense.....
como diria o boris casoi "ISSO É UMA VERGONHA".