Deputado Giovanni Queiroz pede a demissão do ministro Carlos Minc

Plenario  Sessão 29/05/2009  Sex  (Ordinária - CD ) Dep.
Foto: Elton Bomfim
Clique no player abaixo e ouça o pronunciamento.



O deputado federal Giovanni Queiroz (PDT-PA) defendeu hoje da Tribuna da Câmara dos Deputados a demissão do ministro do Meio Ambiente Carlos Minc. Leia abaixo a íntegra do discurso do deputado.

CÂMARA DOS DEPUTADOS

29/05/2009

O SR. GIOVANNI QUEIROZ (PDT-PA)- Sr. Presidente, Deputado Uldurico Pinto, muito obrigado.
Sras. e Srs. Deputados, venho a esta tribuna um tanto preocupado. Há aproximadamente 6 meses, numa audiência pública mista da Comissão da Amazônia e da Comissão de Agricultura, lá estava o Ministro Minc. Durante a sua dissertação, Deputado Pedro Wilson, ele se referiu a ruralistas, a produtor rural, comparando-os a ladrão de carro, isso de forma bem peremptória, bem afirmativa, sem margem a nenhuma dúvida.

Na minha interlocução, eu o questionei e pedi que ele respeitasse aquele cidadão de 70 anos que ali estava, que era trabalhador rural, a quem ele estava chamando de ladrão de carro. De mãos calejadas, cara queimada do sol, adentrou a Amazônia na conquista de seu espaço para produzir e educar seus 7 filhos e estava sendo comparado a ladrão de carro.

Quando retomou a palavra, o Ministro pediu desculpas, porque realmente havia sido infeliz. Mas ele tem sido infeliz durante todo o período de sua gestão como Ministro. Não o acompanhei como Deputado Estadual no Rio de Janeiro, mas ele deve ter cometido inúmeras heresias, crises histéricas como esta última que ocorreu anteontem.

Ele está coagido porque quer atravancar o desenvolvimento deste País. Ele não quer que o PAC funcione, não quer que hidrelétricas sejam construídas, não quer que rodovias sejam asfaltadas, não quer que se produza neste País, porque ele acha que tudo tem de ser reflorestado.

E agora trata de forma preocupante o setor produtivo rural, o setor que contribuiu nesses 4 primeiros meses com 42% de tudo o que se exportou deste País, o setor do agronegócio.

O homem que produz neste País foi por ele chamado de vigarista. Eu não diria que isso é papel de um cafajeste, porque logicamente acho que não é bem por aí que devemos caminhar. O papel de um Ministro que tem uma posição como esta não teria qualquer alguma qualificação. Eu sou ruralista, sou produtor rural, não sou vigarista, não sou trapaceio. Repito: não trapaceio, portanto não sou vigarista. Não minto, portanto não sou vigarista; não estou a serviço escuso de quem quer que seja, portanto não sou vigarista. Será que não é vigarista quem nos acusou? Que, numa crise histérica, própria do gênero, às vezes, se exorbita em detrimento do País, do setor que mais produz, que mais contribui para as exportações brasileiras.

Este é o Sr. Carlos Minc, que vai ao Presidente reclamar de outros Ministros, que, segundo ele, estão a atropelá-lo, mas que, na verdade, nada disso estão fazendo, querem apenas que as ações do Estado brasileiro em defesa de seu crescimento e desenvolvimento possam ocorrer. E ele lamentavelmente vem para o confronto, entendendo que como a grande mídia ainda dá à questão ambiental a ênfase que se deve dar, ele se utiliza disso para exatamente atravancar ações do Estado, seja em âmbito federal, seja em âmbito estadual ou municipal, inibindo seu desenvolvimento e atravancando as grandes obras necessárias ao desenvolvimento do País.

Todos somos favoráveis à preservação ambiental; todos nós. Não vejo nenhum Deputado que não esteja de acordo com isso, desde que seja de forma disciplinada, responsável, consequente, capaz de gerar emprego, renda e qualidade de vida ao povo brasileiro.

Mas ele sofre a influência dos europeus,que, agora, depois de desmatarem 98% das suas matas nativas, ou dos Estados Unidos ou Canadá, querem nos inibir de fazer rodovias ou hidrelétricas ou da exploração do nosso minério, porque, segundo eles, estaríamos agredindo o meio ambiente em detrimento do mundo, da humanidade, quando o que queremos apenas é o direito de sobreviver.

Há poucos dias, ocorreu um ato pela Amazônia, Presidente Uldurico Pinto, de que participaram artistas globais, os quais postaram-se no Senado, que parou por um dia inteiro. É importante que se faça isso para acordar o Brasil para a importância da Amazônia no seu contexto. Mas, lamentavelmente, não pensaram em fazer uma manifestação tão grande como essa em defesa do homem da Amazônia, daqueles que habitam a Amazônia, nem em defesa do desenvolvimento da Amazônia, de uma forma inteligente e responsável, para que ela possa contribuir mais para o desenvolvimento do Brasil.

Daí eu estar aqui a questionar a sanidade desse Ministro, que não merece o respeito da Nação, porque não se comporta como homem público com a responsabilidade que tem de gerir os destinos deste País na questão ambiental.

Espero que o Presidente Lula venha a afastá-lo do Ministério. S.Exa tem que ser demitido, se não tiver a coragem de se demitir, porque não merece a confiança do povo brasileiro.

Encerro, agradecendo a V.Exa a benevolência e dizendo aos meus pares que, na verdade, esse Ministro havia-se intrometido na votação da medida provisória que dispõe sobre a regularização fundiária da Amazônia, a qual não saiu daqui da forma pensada pelo Ministro Mangabeira Unger nem pelo Presidente Lula. Ela foi aqui modificada por intervenção do Ministro Minc, que não permitirá que se regularizem terras na Amazônia. O Ministro Minc colocou uma guilhotina no pescoço do pequeno, médio e grande produtores. Aliás, do grande produtor não, porque, para ele, não há regularização fundiária na Amazônia, tendo em vista que, como o limite é1.500 hectares, ele só pode ocupar 20% dessa área.

Ficam aqui o meu protesto e o meu repúdio à ação inconsequente do Ministro Minc com relação àqueles que trabalham pela produção neste País.
Muito obrigado.

22 comentários:

Anônimo disse...

São corretas as observações do deputado. A "defesa" do meio ambiente está supervalorizada e é usada pelos estrangeiros contra o progresso do Brasil(e pelos brasileiros que não pensam primeiro na Pátria).
O Minc é um apóstolo do atrazo, mas a marina Silva era bem pior.

GABBY disse...

Fica aqui o meu repúdio a todos os políticos incompetentes, corruptos e omissos.
Tudo o que fazem é com um único objetivo:
Satisfazer uma ganância sem limites. Mas tudo tem seu preço e todos ainda pagarão muito caro por todos os crimes que vem cometendo.A natureza já está se manifestando e há de fazer justiça a seu modo, pois suas leis são incorruptíveis e cada um colherá o que tem plantado.
QUEM VIVER VERÁ!

Anônimo disse...

Parabenizo o Deputado Giovanni Queiroz, pela coragem de defender o homem do campo; o pequeno produtor rural. Pois a Amazônia é de quem vive nela e dela precisa para sobreviver e sustentar a sua familia. Antes de um burocrata da marca do Ministro Minc pronunciar insanas palavras a respeito da Amazonia, é bom ele lembrar que o alimento que vai à sua mesa, sai das mãos do homem do campo, ao qual ele se referiu como ladrão de carro.
EDMILSON BARBOSA
Grupo Amazonico de Resgate Social
Belém - PA

edmundo disse...

Parabéns DEPUTADO ! Até que alguém combate esse papagaio de Pirata esse Ministro MINC. Não pode ver uma luz de televisão ou um Jornalista com um caderno que ele sai correndeo para falar.
O Ministro para gostar de aparecer.
Presidente LULA atende ao clamor do Povo, que o Deputado GIOVANO QUEIRÓZ está tão bem representando o POVO.

Anônimo disse...

Esse é meu deputado, manda ver foi por isso que nos da Vila Cruzeiro do Sul municipio de Itupiranga-PA., votamos em Você Deputado Geovanni Queiroz, porque voce sabe defender nossos interesses, e nossa amazonia, gente igual a esse MINC, tem que esta fora de um cargo tão importante para nossa nação. Conte com a população desta vila que espera de voce a nossa emanicipação de itupiranga .
Obrigado...
Geraldo Jr.

Anônimo disse...

Realmente, ta na hora de se repensar a proteção ambiental. Tem que se proteger sim, mas para atender os homens quer nela vivem. E dela precisam para sobreviver civilizadamente a não ser qeu voltemos ao arco e flexa, que aliás é o que pensam os "civilizados", nacionais e internacionais.
Estou de pleno acordo com v.Exa. será que está faltando homens de bem nesse País, e que lembre que são simples mortais e amnahã serão adumos de plantas.....

Anônimo disse...

Parabéns deputado Giovanni Queiroz o senhor está coberto de razão.

Markus Mutran disse...

Estou particularmente orgulhoso e satisfeito de fazer parte do PDT, e desta forma poder compartilhar com açoes desse tipo!
Meio Ambiente é coisa muito séria! Qual brasileiro merece um ministro como esse Minc?
Valeu Giovanni!
Markus Mutran

Anônimo disse...

Deputado Queiroz disse que as pessoas, os artisas globais, que foram ao Senado fazer uma manifestação em pró da Amazonia, e o ministro Carlos Minc não estão pensando no homem da Amazônia, mas eu tenho certeza que quando ele defende estes agricultores, também, não está defendendo o homem simples, mas sim, como a maioria dos políticos, está interessado no dinheiro que vai entrar nestas obras, que sabemos, vai ajudar os grandes produtores e os políticos que querem se releeger, e manter a sua boquinha na política.
Se ele quer mesmo defender o hommem da Amazonia devia ouvir a Senadora Marina, que é realmente, alguém que viveu durante anos com o verdadeiro povo amazonense, não os grileiros e bandidos ( concordo com Carlos Minx) vieram, depois, roubar o patrimônio público.
Isabel

Anônimo disse...

Eu não sei quais são as atitudes do Ministro Carlos Minc, diante do seu ministério, mas se for conforme a atitude dele diante da juventude do Rio de Janeiro, apoiando a liberação da maconha aí eu concordo com o deputado.Só o Ministro Carlos Minc, não sabe que uns dos maiores maus do nosso país atualmente é droga, e por causa dela muitas famílias estão destruidas, logo, se a atitude do Ministro, repito no ministério for igual a da passeata aqui no Rio de Janeiro, para a liberação da maconha, eu dou toda a razão para o deputado Giovanni Queiroz.
Atenção eu não sou a favor do desmatamento irresponsável da Amazônia, e sim que haja um política responsável de desmatamento, para atender aqueles que precissam sobreviver da terra.

Anônimo disse...

Todos de Itupiranga devem ter estar enganados... Devem ter sido seduzidos por um saco de feijão ou par das botas, pois não estão com o pé no chão... Com Minc ou sem Minc, a Amazônia e seu povo não podem ser destruídos em detrimento do progresso... Valha me Deus, o que mais nós temos são políticas de incento agrário, de todos os pontos de vistas, do econômico ao social, incentivos que perdem de vista o ressarcimento ao Erário Público... Com todo o respeito, deputado como o distinto cavalheiro, representam sim o poder agrário deste país, parabéns, mas carregam em sua formação cultural a insensibilidade com o meio ambiente, do respeito ao cidadão e tudo mais.

Val-André Mutran disse...

Anônimo das 4:21 PM, o deputado federal Giovanni Queiroz mantém em suas propriedades a Reserva Legal intocável, além de ser uma dos maiores reflorestadores do Estado do Pará. Portanto, seu comentário está equivocado em relação ao deputado.

Anônimo disse...

Deputado Giovani. Parabéns pelas providências. Estamos precisando fazer uma limpa em Brasília, do presidente Lula, Dilma, agora com plástica e sorriso urso (seu Estado sabe), Minc (que aprova drogas ilícitas) O presidente é um ausente e conveniente. Brasileiros acordem!!!!!!!!!!!!!!!

Jordan Timo Carvalho disse...

Parabéns Dr Giovanni. A solução... Mandar de volta todas as ONG´s que atuam no Brasil a serviço do capital estrangeiro, que não aceitam e nem oferecem propostas com alternativas viáves de desenvolvimento sustentado e pregam o fim da agropecuária brasileira a serviço do "meio ambiente". Junto com elas devem partir imbecís histéricos como o ministro Minc, Cristiane Torlone e outros, que por alguns segundos de audiência vendem o Brasil e seu povo por tostão.
A vc Deputado, minha admiração e respeito.
Grande Abraço
Jordan Carvalho
Redenção-Pará

P.S: As Anônimos de Plantão: Apresentem-se, o debate está aberto!!!

Paulo Rabelo/Sindicalista Metalurgico/Barcarena/Pa disse...

Parabens Deputado Giovanni Queiroz, vejo que em Brasilia os trabalhadores do campo responsáveis pela produção do alimento de nosso povo possuem um defensor que não se curva diante de um Ministro;pinóquio,lourojose,malandro,arrogante, prepotente,imbecil,miope,por não enxergar que o trabalhador rural no País chamado Brasil, é tão importante no desenvolvimento da agricultura familiar no campo, nas áreas urbanas,quanto as politicas desenvolvidas por e um Ministro sério, não esse Ministro almofadinha chamado Carlos Minc que por onde passa só sabe sugerir CADEIA para o trabalhador do campo,para os pecuaristas e para as pessoas que sobrevivem do trabalho rural.Sugiro ao Ministro Carlos Minc,discutir com os trabalhadores rurais, com os sobreviventes do campo;DESENVOLVIMENTO REGIONAL,POLITICAS DE REFORMA AGRARIA,são temas importantes, o trabalhador e as trabalhadoras do campo são gente como a gente, possuem as mesmas necessidades que um ministro possue.

Anônimo disse...

Parabéns Dep. Geovanni Queiroz, continue lutando por aqueles que trabalham e geram emprego neste estado, pois o Governo Federal tem se mostrado e ai diga-se os Ministérios afins incompetentes na construção de uma nova base produtiva sustentável para a região. A iniciativa privada tem sido marginalizada tanto pelo Governo Federal quanto Estadual em nossa região, sabedores que em todas as áreas temos os bons e os maus, é que lhe peço não deixe esse mau ministro continuar prejudicando a imagem do setor produtivo do Pará.

Anônimo disse...

Deixa ele trabalhar de sol a sol para produzir o que ele come, para ver o que é bom. Ah lembrei!!!!, ele não sabe o que é isso...

Osório do Nascimento Neto disse...

A meu ver, discussões sobre a medida provisória que regulariza terras na Amazônia não deveriam ser tão polarizadas. De um lado, o ministro Minc generaliza, acusando a todos os ruralistas, de outro o deputado Geovanni Queiroz defende ferrenhamente os ruralistas, como se desconhecesse ou quisesse desconhecer que a grilagem campeia nos estados do norte do Brasil. A regularização de terras na Amazônia legal não ter que ser feita a toque de caixa para favorecer grileiros e se o nobre deputado Geovanni Queiroz pensa em desenvolver a Amazônia, ele deveria pensar melhor no tipo de desenvolvimento que ele deseja ver na Amazônia. Penso que não existe desenvolvimento real se o componente ambiental não estiver considerado, e o processo de "desenvolvimento" que tem sido empregado na Amazônia não é o adequado, pois gera destruição e concentração de renda. Desenvolvimento sim, mas com responsabilidade. E a propósito, considero totalmente errado pensar em "desenvolver" a Amazônia sem antes pensar no "zoneamento ambiental". Será que o deputado Geovanni já ouviu falar disso?

Val-André Mutran disse...

Osório você quer discutir essa relevante questão a sério ou amolecadamente?
Perguntar se o deputado Giovanni já ouviu falar o que é ZEE é subestimar a inteligência dos leitores do blog.
Fala sério meu.

Anônimo disse...

adorei sua postura senhor deputado,o senhor com certeza esta deixando o seu eleitorado muito orgulhoso e feliz por ter um verdadeiro defensor do povo na cãmara
obrigado.
gostaria tambem que o nobre deputado comentasse sobre a infeliz cartilha feita ´pelo"ministro"que deixou a população brasileir apreensiva com essa triste idéia de incentivar a juventude a usar drogas e praticar sexo,será que esse ministro não está precisando ser internado em um hospíçio?,então ele é muito irresponsável,por isso não é dígno de exercer um cargo de suma importançia como o de ministro da saude,pelo visto ele esta muito doente "da cabeça é claro"

Val-André Mutran disse...

Novaes se você reformular os termos, o blog publica seu comentário.

marcos disse...

Acredito que em nome de se dar emprego à população da AMAZÔNIA, estão destruindo as florestas do BRASIL, o que será futuramente, muito prejudicial para o povo brasileiro e quiçá, para a humanidade. Não concordo com a postura deselegante do Ministro Carlos Minc, quando ele se refere de forma pejorativa aos ruralistas.
Mas também não posso concordar com a política de desmatamento que esses mesmos ruralistas querem implantar em nosso país.
Há que haver outras formas de sedar emprego para a população amazônica, que não optando pelo desmatamento. Penso que o pasto de que dispomos, já nos basta e não é por causa do volume de exportações, que esse setor nos proporciona, que deveremos entregar as nossas matas para que futuramente tenhamos matas tão reduzidas como o CANADÁ e outros países e continentes, como muito bem expôs o nobre deputado.
Portanto gostaria de deixar aqui o meu repúdio, não somente pela forma descortês como o Ministro referiu-se aos ruralistas, mas também pela forma gananciosa, de como os ruralistas devastam as nossas matas em nome de um pseudo desenvolvimento.