Deputado Paulo Roberto: queda das aposentadorias é golpe contra o país

O SR. PRESIDENTE (Cleber Verde) - Dando continuidade a esta sessão solene, quero, antes de passar a palavra ao próximo orador, registrar a presença do Senador José Nery, do PSOL, do Pará, que certamente deverá usar a palavra logo depois que os Deputados se manifestarem.

Logo após conceder a palavra ao Deputado Paulo Roberto, quero convidar o Deputado Arnaldo Faria de Sá para reassumir os trabalhos nesta manhã de hoje.

Com a palavra, representando o PTB, o ilustre Deputado Paulo Roberto.
O SR. PAULO ROBERTO (PTB-RS. Sem revisão do orador.) - Muito obrigado, Sr. Presidente Cleber Verde. Quero parabenizar não só V.Exa. pela condução da presente sessão, mas também o autor do requerimento, meu companheiro do PTB Arnaldo Faria de Sá, Deputado que se tem destacado na luta dos aposentados do nosso País. Quero cumprimentar também todos os representantes de associações, federações, confederações, dos aposentados e todas as senhoras e os senhores que estão nesta sessão na qual tenho o prazer de discursar pelo PTB, partido que tem contribuído bastante pelo trabalhismo no nosso País.

Os aposentados do Brasil vivem um momento dramático, infelizmente. Ano após ano, o poder aquisitivo dos seus proventos vem caindo — isso não é novidade para ninguém. A política econômica do Sr. Presidente Lula para o salário mínimo vem priorizando aumentos reais apenas para o salário mínimo, em detrimento dos aposentados que ganham acima de 1 salário mínimo.

Hoje, o nosso salário mínimo ultrapassa 200 dólares. Lembro-me de que, há pouco tempo, a luta para que o nosso salário mínimo fosse de 100 dólares era muito grande. E hoje, graças a Deus, graças à política econômica, chegamos a esse patamar. Mas, enquanto isso, os proventos dos nossos aposentados vêm caindo sensivelmente, infelizmente, o que configura, na verdade, um golpe contra os aposentados do nosso País.

Sr. Presidente, Sr. Senador Paulo Paim, do nosso Estado — que muito nos orgulha por vê-lo lutar por esta causa e pelo fato de ser também do Rio Grande do Sul — , há determinadas causas que nos fazem embargar a voz, em função da situação de muitos aposentados.

Tenho um exemplo dentro da minha própria família: meu pai, que acaba de completar 80 anos e ainda tem que se submeter ao trabalho, em função da queda de seus proventos. Há 23 ou 24 anos aproximadamente, ele se aposentou com 17 salários mínimos. Era uma boa aposentadoria para um senhor que contribuiu tanto para a Previdência Social. E hoje ele amarga uma decepção toda vez que chega ao caixa para receber seu salário, pois retira apenas 4 salários mínimos.

Quantos de nós Deputados não temos esse exemplo dentro da nossa própria casa e que podem também empunhar essa bandeira do trabalhismo, a bandeira do Senador Paulo Paim, a bandeira do nosso Deputado, companheiro do PTB, Arnaldo Faria de Sá, para fazer mudar essa situação? Trata-se de um golpe que, ano após ano, vem sendo dado sobre os aposentados do nosso País.
Eu iria me ater apenas a ler o meu pequeno discurso, mas a emoção aqui infelizmente — ou felizmente — está falando mais alto. A emoção começa a tomar conta do nosso coração não sópelo fato de eu ter um aposentado na família, mas em função de todos aqueles rostos com que nos deparamos todas as vezes em que estamos em algum lugar, em algum evento. Neste final de semana, por exemplo, estive no Rio Grande do Sul, em duas cidades importantes, Carazinho e Santa Maria Santa Maria que fica no coração do Rio Grande — , onde pessoas chegaram a mim, emocionadas e eu me emociono com elas agora , para pedir que alguma coisa fosse feita para que esse processo de perda de renda, de perda de salários, cessasse, pelo menos parasse.

Por essas pessoas que têm chegado até nós, que têm procurado nosso apoio, resta-nos, Sras. e Srs. Deputados e Senadores, empunhar essa bandeira: enquanto não votarmos o veto, não sossegaremos. Enquanto o veto não for apreciado, não sossegaremos. (Palmas.)

Empunharemos essa bandeira até que o trabalhismo no Brasil tome um rumo decente, o rumo da democracia que há hoje neste País.

Agradeço a V.Exa., Sr. Presidente, Deputado Arnaldo Faria de Sá, nosso companheiro, amigo, irmão, que tem nos ensinado muitas coisas dentro desta Casa, e uma delas é ter essa fibra de defensor dos aposentados brasileiros.
Parabéns, Deputado Arnaldo Faria de Sá! Parabéns, Presidentes de associações, de federações e de confederações! Parabéns, Sras. e Srs. Deputados! Parabéns, senhoras e senhores aposentados deste País, por esta sessão.

Muito obrigado. (Palmas.)

2 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria de acreditar em mudanças, mas não vejo nada de concreto, a tempos se fala a mesma coisa, mas cade o resultado?

Val-André Mutran disse...

Você tem razão caro anônimo das 4:12.
É obrigação constitucional do Governo tratar essa questão com atenção e compromisso republicano para com os aposentados e pensionista deste país, até mesmo por uma questão de gratidão por aqueles que deram suas vidas para ajudar no engrandecimento da Nação brasileira.