A farra dos milicos

Depois da Câmara, Senado e STF, agora é a vez da imprensa brasileira revelar a “farra” dos militares que vivem se queixando dos baixos soldos, sucateamento de armas e equipamentos e falta de recursos para tornar as Armas do país profissionalizada.
Tudo muito justo caso algumas castas do comando militar não caísse em tentação como alguns réles e indiciplinados civis o fazem.

A gastança dos militares

A despesa das Forças Armadas cresce 300%. Em defesa? Não. em hotéis, apartamentos funcionais, restaurantes, choperias e festas


Claudio Dantas Sequeira

O pouco-caso com o dinheiro público não é exclusividade do Congresso Nacional. Apesar da imagem de austeridade da vida na caserna, também são incontáveis os exemplos de abusos e regalias nas Forças Armadas. Só no ano passado os saques e compras com cartões corporativos no âmbito do Ministério da Defesa e das Três Armas somaram mais de R$ 2,2 milhões - um aumento de 300% em relação a 2007. Muitas dessas despesas, que pela legislação devem ser feitas apenas em missão oficial e em caráter de urgência, podem até resistir a uma auditoria, mas dificilmente seriam aprovadas pelos contribuintes.

R$ 3,5 milhões foi o total de gastos com cartões corporativos das três Forças Armadas e do Ministério da Defesa desde 2006

Entre julho e novembro de 2008, o major Carlos Alberto Aoki Lote, do Estado- Maior do Exército (EME), por exemplo, gastou R$ 39,2 mil em diárias de hotéis, contratações de serviços de operadores de turismo, locação de veículos e refeições em churrascarias. No dia 16 de agosto, um sábado, Aoki gastou R$ 1,9 mil na pousada Penhasco, paradisíaca estalagem localizada na Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso.

O sargento Maurício Ribeiro, auxiliar de gabinete do EME,não foi mais modesto que seu colega de farda. Entre junho e outubro, torrou um total de R$ 43,3 mil no cartão corporativo. Um dos registros das despesas de Ribeiro revela que o sargento é frequentador da orla carioca. No dia 17 de junho, uma terça-feira, consumiu R$ 271 na Pizzaria e Restaurante Pigalle, localizado na avenida Atlântica, em Copacabana.

Os dados da Controladoria-Geral da União não dão margem a dúvidas. Os momentos de lazer à custa do Erário público não são exceção, mas regra. Embora os militares aleguem que os gastos foram feitos por ocasião de reuniões, seminários ou recepções a autoridades estrangeiras, a opção por restaurantes e hotéis caros é frequente. José Henrique de Cássio Ruff o, da base de aviação de Taubaté, gastou R$ 5 mil no hotel-fazenda Mazzaropi, que foi eleito o melhor do Brasil pelo Guia Quatro Rodas em 2006. Também gastou R$ 236 na choperia Baden Baden, em Campos do Jordão, e R$ 258 no restaurante Rancho da Traíra, localizado na Vila Mariana, em São Paulo.

A despesa das Forças Armadas cresce 300%. em defesa? Não. em hotéis, apartamentos funcionais, restaurantes, choperias e festas
Claudio Dantas Sequeira

O perfil dos estabelecimentos frequentados por Ruff o e Ribeiro revela muito sobre o comportamento e os hábitos da caserna. Há uma clara preferência dos militares do Exército por carnes nobres, o que explica mais de R$ 3,5 mil consumidos nas melhores churrascarias do eixo Rio-Brasília-São Paulo. Em nome de Marcelo Almeida de Souza Madruga, há mais de R$ 2 mil pagos em rodízios de bons restaurantes e vários saques na boca do caixa com cartão corporativo em fins de semana.

Já na Aeronáutica, a opção é por doces e biscoitos, como mostra o registro de gastos do tenente Ronald José Pinto, oficial de gabinete do comandante Juniti Saito. Entre fevereiro e março deste ano, foram quase R$ 4 mil no cartão corporativo. Boa parte em compras feitas na Casa de Biscoitos Mineiros e na sorveteria Saborella, em Brasília.

Na Marinha, a orientação é só usar o cartão para saques, evitando ao máximo compras que acabam deixando rastros. Mas essa espécie de blindagem contraria a portaria da Casa Civil que limitou os saques em 30% das despesas anuais nos cartões e determinou a publicidade das informações. Os militares alegam que não estão sujeitos à portaria que restringiu o uso de cartões. "O tribunal mandou disciplinar para que os saques só possam ser feitos em caráter excepcional e que seja disponibilizada a natureza dessas retiradas em dinheiro vivo", afirma o procurador do Tribunal de Contas da União, Marinus Marsico.

Ele ressalta que, depois das medidas tomadas pelo governo por orientação do tribunal, os gastos com cartão corporativo caíram em praticamente todos os órgãos, com exceção da Presidência. "É uma surpresa que as Forças Armadas estejam gastando mais." Marsico afirma que também foi proibido o fracionamento de pagamentos, uma prática que se tornou comum para evitar a burocracia das licitações públicas. Mesmo assim, a Pathfinder Empreendimentos recebeu R$ 34 mil de três diferentes servidores do Exército, algumas vezes no mesmo dia.

MILITÓPOLIS Exército tem 4.439 apartamentos das melhores quadras de Brasília, com direito a manutenção gratuita

O Exército informou que fiscaliza todos os gastos de cartões e que os servidores atuaram como "ecônomos das atividades de visitas e intercâmbios, sendo os responsáveis pelos pagamentos das despesas de hotelaria, transporte, refeições e mesmo medicamentos para atender os integrantes das diversas comitivas".

A despesa no bar Pigalle, em Copacabana, segundo o Centro de Comunicação Social do Exército, se destinou "à alimentação de equipe de seguranças e motoristas", que acompanhavam comitiva estrangeira. Também disse que houve gastos emergenciais para melhorias nas instalações destinadas ao treinamento de contingente para o Haiti.

A Aeronáutica garantiu que os gastos com cartão "sofrem um rigoroso processo de fiscalização" e que "os gastos realizados pelo capitão Ronald José Pinto correspondem à aquisição de pequeno vulto, realizada para o provimento de itens de serviço de subsistência (alimentação diária de militares do efetivo do Comando da Aeronáutica)". A Marinha alegou que atua dentro da legislação.

R$ 29,3 milhões foram gastos em 2008 pelo Ministério da Defesa na compra de imóveis funcionais

Os excessos com cartão se somam a outras regalias tradicionais dos militares. Segundo levantamento da ONG Contas Abertas, a Defesa gastou no ano passado R$ 11,4 milhões em festividades e homenagens. O que pesa mais nos bolsos dos brasileiros são os penduricalhos incorporados aos salários. Só de gratificações, auxílios e outros adicionais foram R$ 3,7 bilhões.

Cada vez que um militar faz determinado curso, o salário dele aumenta. O mesmo ocorre quando ocupa um cargo de comando, assim como postos em regiões afastadas como a Amazônia. Uma das funções mais cobiçadas é a de adido militar no Exterior, em que o salário de um general pode chegar a R$ 40 mil. Os benefícios para os militares se estendem a atendimento médico e moradia subsidiados.

DE PRIMEIRA Cartões pagaram R$ 3,5 mil em churrascarias de São Paulo, Rio e Brasília

Em Brasília, os servidores do Exército dispõem de 4.439 imóveis funcionais. É uma verdadeira cidade dentro da capital federal, com direito a administração própria. O coronel Santos Guerra, prefeito militar de Brasília, admite que houve abusos no passado, com o uso de apartamentos do Exército por juízes federais. "Todos já deixaram os imóveis.

Agora só falta um, com o qual já fizemos acordo para saída." Guerra diz que há uma fila de espera de mais de 400 militares. Um acordo com o Ministério da Defesa em 2005 garantiu R$ 12 milhões para a reforma dos apartamentos, cuja manutenção exige a contratação de serviços terceirizados. As aquisições de imóveis funcionais vêm aumentando nos últimos anos. Em 2008, foram gastos R$ 29,3 milhões. Muitos imóveis estão localizados nas quadras mais valorizadas do Plano Piloto e chegam a custar mais de R$ 1 milhão. No Lago Sul, o Exército mantém 17 casas que hoje são ocupadas por generais e coronéis.

"A manutenção das casas é mais cara e não compensa. Por isso temos um projeto para alienar 54 imóveis. Podemos trocá-los por 250 apartamentos funcionais a serem construídos aqui no setor militar urbano", diz Guerra. Apesar da iniciativa saneadora, será difícil mudar a cultura dos generais. Recentemente, até os taifeiros (copeiros, cozinheiros e despenseiros) denunciaram ser vítimas de abusos. O procurador militar de Santa Maria (RS), Soel Arpini, entrou com ação para proibir que taifeiros prestem serviço na residência dos oficiais generais.

O caso está no Tribunal Regional Federal. Em Brasília, muitos taifeiros disseram ser obrigados a fazer faxina, lavar roupa e cozinhar para toda a família do general, inclusive aos domingos. Desistiram de buscar a Justiça, com medo de sofrer represálias nos quartéis.

Fonte: Revista Isto É.

17 comentários:

Anônimo disse...

é o seguinte só quem pode fazer isso e quem está com o governo lula pois ele comprou ou melhor deu um cala boca pra o generais do exercito ,e os que se queixam de fato não podem nem ir ao cinema,isso ai é pura inverdade não generalizem, pois essa farra é só pra quem tem poder e faz o que o presidente lula deseja .

Val-André Mutran disse...

É claro que é a exceção anônimo. A exceção que anda falando pelos corredores e cotovelos de fechar o Congresso Nacional.
A própria corporação tem que enquadrar esses tipos que não suportam viver numa democracria. A mesma que lhes presenteia com certos privilégios do nosso suado dinheiro dos impostos.

Anônimo disse...

Esse é preço para manter a ditadura. É bom não generalizar e verificar que a maioria dos militares realmente estão em situação díficil e tem que trabalhar com material sucateado. No lado pessoal mesmo que melhore sua formação não rece nada mais por isso, não tem FGTS, não pode ter outras atividades e no final de carreira estão a minguá; Não assumem nenhuma comissão no exterior; não possuem cartão corporativos e estão sujeito a uma MP que a mais de 7 anos retirou alguns direitos que compensavam essas perdas, e até hoje não foi votada, colocando-os em situação difícil, lembre as forças armadas não é feita só de Oficiais Generais e quem os nomeiam está no comando do poder.

Anônimo disse...

São uma minoria que estão nesse privilégio.As Forças Armadas estão sucateadas.Um piloto de F5 não ganha R$5.000,00 para voar em aeronaves antigas e ultrapassada embora tenha sido modernizados.Os demais graduados não tem plano de carreira chegando uma promoções ter entre si um interstício de 07 anos,para ganhar R$+-200,00.A evasão das Forças Armadas é muito grande,por outras carreiras.Isso atinge também os controladores de vôo.Nada foi resolvido.Abraços

LRM - PE disse...

ESSE PRESIDENTE LULA DE BOBO NÃO TEM NADA, SEGURA A CUPULA DAS FORCAS ARMADAS COM GASTOS ILIMITADOS NOS CARTÕES CORPORATIVOS, ENQUANTO O RESTANTE DA TROPA PASSA APUROS COM SALARIOS HUMILHANTES.
QUEM E QUE VAI SE PREOCUPAR COM SUCATEAMENTO DE FORCAS ARMADAS, MORANDO EM MANSÕES EM BRASILIA, VIAJANDO PRA CIMA E PRA BAIXO COM FAMILIARES COM PASSAGENS E HOSPEDAGENS PAGAS NOS MELHORES HOTEIS, E REALIZANDO AS REIFEICÕES NOS MELHORES RESTAURANTES E CHURRASCARIAS DO PAIS.
A CORRUPCÃO NESTE PAIS CHEGOU A NIVEIS QUE ATE DEUS DUVIDA, NÃO SEI AONDE VAMOS PARAR.

Anônimo disse...

Sobre a "Farra dos Milicos" - Não se enganem com bobagens e essas migalhas de gastos mencionadas, pois vos digo, que os verdadeiros usurpadores da Nação não estão nos quartéis, estão espalhados nos demais órgãos do poder. Está na hora de se reescrever a História, como disse o recente artigo de Alexandre Garcia.

Maria Bastos disse...

Nem tanto ao mar nem tanto à terra.Militares peixados em qualquer governo,ganham mais que os outros.Muitos trabalham,poucos ganham bem.O peor de tudo é que quando estão ganhando bem esquecem os outros e esquecem tambem que um dia vão passar para a reserva e ganhar bem pouco ou para o outro lado deixando a viuva em má situação.Assim é desde a ditadura militar.Neste tempo quando o marido morria a viúva ficava com50% de um salário que já era baixo.A equiparação foi coisa da democracia.No governo FHC os militares comeram o pão que o diabo amassou.Oito anos quase sem nenhum rejuste.Atualmente a coisa melhorou um pouco mas os salários são bem baixos diante dos funcionários com postos equiparados e cursos.No entanto abusos existem e SEMPRE existiram..Faz parte da natureza humana.O que precisa é fiscalização pois não havendo demais para poucos todos podem ter melhores salários.

Anônimo disse...

é realmente muito contraditório, sou militar mas infelizmente tenho q concordar q realmente é um absurdo, posso garantir q isso só acontece no alto comando e é uma vergonha.

Anônimo disse...

Estou no Exercito ha 28 anos e nem sabia que existiam estes cartões corporativos, isto é um desrespeito com os cidadãos e com os outros militares, isto é uma ação ilegal que tem que ser coibida, enquanto a maioria dos militares em todo o Brasil, sobrevivem com um salario pequeno e com seu contra cheque tomado de emprestimos. Quanto ao assunto da saúde, temos um desconto mensal bem elevado e na maioria das vezes não temos médicos especialistas, principalmente neurologistas em nossos hospitais, não temos FGTS, recebemos uma pequena indenização na nossa passagem para a reserva e na maioria das cidades do Brasil, não existem vilas militares. Se alguem está metendo a mão nas verbas publicas , a tropa não está coadunando com esta pratica.Fora com os desonestos.

Anônimo disse...

o congresso agora ataca os militares para que a população esqueça a farra das passagens, os militares gastam com autoridades: Ex. nosso presidente ou vice quando se descolam levam seus seguranças particulares e os quarteis se deslocam também, e para isso é necessário que gastem também, pois o efetivo tem que comer e dormir quandpo estão de folga na missão e o saque é feito no nome de um único militares.

Anônimo disse...

Não adianta, não... A corrupção de alguns membros de qualquer entidade nunca vai encobrir a corrupção generalizada, e oficializada pelo sistema, no poder legislativo. Essa matéria chega a ser ridícula: "Olha eles! Olha eles!Também roubam, igualzinho agente..." O nosso legislativo parece um superlativo do "Nhonho" (do seriado "a la mexicana" Chaves) : Gordo, inútil e covarde...

Val-André Mutran disse...

O anônimo das 9h01 revela o que o blog desconfiava.

Já o anônimo das 9h44 quer dar uma de espertinho, inocente, puro de origem.

Anônimo, fala sério! Não subestime a inteligência dos leitores do blog.

Anônimo disse...

SOU MILITAR DA RESERVA E PEÇO QUE SEJA DIVULGADA A CARTA ABAIXO QUE FOI EXTRAIDA DO SITE http://www.exercito.gov.br/resenha/anterior/homepage.htm

A TRANSPARÊNCIA DAS INFORMAÇÕES DEVE SER INTERESSE DE TODOS. PACHECO/ INF /75
SEGUE A TRANSCRIÇÃO:
EM RELAÇÃO À MATÉRIA VEICULADA POR ESSA CONCEITUADA REVISTA EM SUA EDIÇÃO 2062, DATADA DE 20 DE MAIO, INTITULADA “A GASTANÇA DOS MILITARES”, O CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO EXÉRCITO (CCOMSEx) VEM ESCLARECER QUE:



1. O EXÉRCITO REPUDIA A MANEIRA COMO A MATÉRIA FOI APRESENTADA, CONTENDO INSINUAÇÕES E FAZENDO ILAÇÕES SOBRE A SERIEDADE DA INSTITUIÇÃO EM RELAÇÃO À UTILIZAÇÃO DE CARTÕES CORPORATIVOS. O JORNALISTA DESCONSIDEROU OS ESCLARECIMENTOS FORNECIDOS POR ESTE CENTRO SOBRE A APLICAÇÃO DOS RECURSOS, LIMITANDO-SE A INCLUIR ALEATORIAMENTE PEQUENOS TRECHOS DAS RESPOSTAS, SEM LIGAÇÃO COM A INDICAÇÃO DADA PELA REPORTAGEM, INDUZINDO O LEITOR A ACREDITAR EM IRREGULARIDADES ADMINISTRATIVAS NO USO DE RECURSOS PÚBLICOS .



2. A INSTITUIÇÃO CONTROLA RIGOROSAMENTE TODOS OS ATOS ADMINISTRATIVOS DE SEUS AGENTES, POR MEIO DOS DIVERSOS INSTRUMENTOS EXISTENTES DENTRO DA PRÓPRIA FORÇA, ALÉM DOS CONTROLES EXTERNOS REALIZADOS PELO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO . POR OPORTUNO, CABE RESSALTAR QUE ESTE TRIBUNAL ANUALMENTE, POR OCASIÃO DA APROVAÇÃO DAS CONTAS DO EXÉRCITO BRASILEIRO, RECONHECE E DESTACA A LISURA E A PRECISÃO COM QUE O EXÉRCITO BRASILEIRO PRESTA CONTA DE SEUS GASTOS.



3. MATÉRIAS VEICULADAS DESSA MANEIRA, COMO FOI APRESENTADA PELO JORNALISTA, ARRANHAM A IMAGEM DA REVISTA E FEREM O PRINCÍPIO DO COMPROMISSO COM A VERDADE

Anônimo disse...

A verdade é que muitos militares com poderes para participar de LICITAÇÃO entre outras coisas, acabam sendo "compelidos" a averbar-se imerecidamente.
Os cartões só funcionam para a alta casta.
os miseráveis, morrem à mingua.

Anônimo disse...

Esta noticia pela metade é tendenciosa e tem o intuito de enfraquecer uma das poucas instituições decentes deste país, tentando fabricar escandalos. Deve ser informado que ao receber representações estrangeiras, o tratamento deve ser ao nível de corpo diplomático, da forma como são tratads nossas delegações, independente de ser militar ou civil e isto custa caro, aqui e em qualquer país. Pare com o ranso contra os militares. Ser reporter não quer dizer que tenha de ser contra a Instituição, por dever de ofício. Neste momento0 as liberdades individuais de toda a população, e não somente aos daqueles que são contra o Poder, estão sendo atacadas e os que tem poder de veto estão sendo comprados. Este blog não deve entrar para o time dos tendenciosos e ser mais cuidadoso nas notícias, fins manter seu prestígio junto ao seu público.

R1 disse...

Tentam de toda forma denegrir a imagem das poucas instituições que ainda tem credibilidade neste país - Não conseguirão! Me orgulho de fazer parte delas, amo minha pátria. E aqueles que estão atolados na lama da corrupção não entendem isso.

Anônimo disse...

O certo é que os Oficiais, principalmente os oficiais Generais, têm todo o tipo de regalias, tais como Taifeiros, que não podem nem comer a mesma comida que preparam para os Generais. Carro oficial para pegar os filhos na escola e até levar os cachorros no Pet shop. Eles dispõem de cartão corporativo e usam da pior forma possível: para perpetuar a diferença monstra entre os praças e os oficiais.
Além da pouca capacidade profissional, os Oficiais do Exército se valem da hierarquia para humilhar e menosprezar seu subordinados.

Até que enfim alguém pode ter falado algo certo