Lula e o Senado

Marcos Coimbra - Sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

Ou seja: para ele, o que está errado no Senado é que exista oposição. O resto deve estar indo bem

Costuma-se atribuir a alguns políticos opiniões e declarações que ninguém sabe se são de fato deles. Há, até, quem tenha entrado para a história como autor de frases que nunca disse.

Zezinho Bonifácio, Tancredo Neves, Benedito Valadares, dentre outras lendas de nossa política, passaram por esse problema. Embora frasistas eméritos, se tivessem dito tudo que lhes é imputado, não teriam feito mais nada na vida a não ser esperar pela oportunidade de uma frase de efeito.

Hoje em dia, só Lula se parece com essas velhas raposas. Volta e meia, dizem que ele faz avaliações do quadro político que tanto podem ser genuinamente suas, como não. É difícil saber, por exemplo, se não são apenas o jogo de alguém, que põe na boca do presidente o que é de seu interesse.

Tomara que seja esse o caso das recentes opiniões que Lula teria externado sobre o Senado, o PT e Dilma. Seria melhor se ele não pensasse essas coisas.

Segundo a versão corrente, o presidente estaria recomendando a seu partido que se concentrasse em dois propósitos na eleição de 2010. O primeiro e óbvio, na vitória de sua candidata a presidente. O segundo, não tão evidente para quem acompanha a história do PT, nas eleições para o Senado. Para Lula, o melhor dos mundos é Dilma eleita e o Senado com maioria dela.

Para o PT, ele aconselha, portanto, abrir mão das disputas pelos governos estaduais, mesmo onde tem candidaturas viáveis. Pelas especulações da imprensa, isso incluiria até estados onde o PT está no governo, como o Pará e a Bahia, contrariando o que é natural quando existe reeleição.

Em outros, como o Rio Grande do Sul, candidatos petistas que lideram as pesquisas teriam que desistir, o mesmo valendo para aqueles onde tem nomes com grandes chances, como Minas Gerais.

Essa prioridade para o Senado significaria, ainda, apoiar com toda ênfase candidaturas de partidos aliados nos lugares onde o PT não tem nomes ou onde o arranjo da chapa majoritária o exigisse. Na Bahia, por exemplo, isso poderia ocorrer, se Geddel aceitasse a vaga ao Senado e Jaques Wagner fosse disputar o governo.

Se essa é uma boa estratégia para o PT (e se ela deve ser aplicada de maneira homogênea em todo o país) é uma questão interna, que só interessa ao partido. O certo é que não foi deixando de disputar eleições majoritárias que o PT chegou aonde chegou e não foi raciocinando dessa maneira que Lula terminou por ganhar a Presidência.

O extraordinário nas opiniões atribuídas a Lula sobre o assunto é outra coisa. A grande motivação para sua concepção sobre o papel do PT na eleição e para a prioridade que destina ao Senado é sua convicção de que é preciso “varrer essa gente” que lá está, pois, se ela não sair, tem-se que “conviver com uma instabilidade constante”.

Ao ouvi-lo, quem acompanha os escândalos que atingem a Casa talvez se sinta aliviado, supondo que o presidente da República compartilha os sentimentos da maioria do país. Tendo Lula como aliado, quem sabe não se faz mesmo uma boa faxina por lá?

O problema é que o presidente acha, pelo que parece, que o problema do Senado é outro. Quem ele quer “varrer” são, nomeadamente, senadores como Arthur Virgílio e José Agripino, os líderes do PSDB e do DEM. Em suas palavras: “é preciso quebrar a espinha da oposição”.

Ou seja: para ele, o que está errado no Senado é que exista oposição. O resto deve estar indo bem.

É difícil acreditar que ele deseje para Dilma (e para o Brasil nos próximos anos) um Senado igual ao que tem, menos a presença de alguns senadores da oposição. Mas é isso que se diz.

Talvez esteja se passando com Lula aquilo que ocorria com políticos como os mencionados. Vai ver, ele nunca nem pensou em uma coisa dessas. Tomara.

9 comentários:

Anônimo disse...

Parece até que "O Poder" está subindo tanto a cabeça do Presidente Lula, que se chega a imaginar uma cena passada na antiga Roma, quando o Imeperador Calígula fez do seu cavalo INCITATUS, um Senador do Império Romano.

Esperamos que nunca venhamos a imaginar um INCITATUS ocupando uma cadeira no Senado do nosso País !

Anônimo disse...

Lula não quer perder o Senado para o PSDB. Mas pensando bem, este seria o melhor momento para passar a bola para a oposição.

Com o compromisso de moralizar a casa até as eleições de 2010, os Tucanos e os Demos teriam que enfrentar a oposição do governo que é maioria e ainda uma forte campanha de desmoralização.

Pensando bem....

Anônimo disse...

DEVEMOS FECHAR O CONGRESSO NACIONAL, POIS NÃO AGUENTAMOS MAIS ESCANDALOS, DEIXAR SOMENTE O SENADO FEDERAL PARA LEGISLAR, SEM POLÍTICOS DE FICHA SUJA, NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES. PODERÍAMOS TAMBÉM FECHAR O SUPERIOR TRIBUNAL FEDERAL, E DEIXAR SOMENTE O SUPERIOR TRIBUNAL DA JUSTIÇA, É LÓGICO, COM AS DEVIDAS REFORMAS DO JUDICIÁRIO.

Anônimo disse...

Até Tú Lula?...
Quem te viu, quem TV...
Só conhece Sarney, quem vive no Maranhão...Ele quer fazer do Senado o que fez e ainda faz no Maranhão...Lula falar de "tapetão", deve lembrar que Roseana tomou o governo de Jackson no "tapetão"...Coisas de Sarney$$$... a propósito da candidata de Lula para a presidência a sra. Dilma, não sei porquê, me lembra uma senhora lembrada Zélia Cardoso...Afinal por onde anda o Collor, Lula? Tá na hora dele aparecer e dizer que também faz parte dessa máfia de raposas...

Anônimo disse...

O Collor é "trombadinha" perto do Lula. Collor é um criatura inocente perto do que temos hoje. Lula é danoso, peçonhento, falso e está desde os tempos do sindicato preocupado em fazer propaganda(enganosa) de si mesmo. No início dos anos 90 a polícia federal (poderá ser localizada matéria na mídia da época) no encalço desse senhor. Foi ajudado pelo compadre Zé Dirceu. Nunca esperei nada do Lula e comparsas. Raiva? só de quem votou nele e nos seus comparsas, pela ingenuidade. moradora no ABC paulista

Anônimo disse...

Não me surpreende. O Lula é semi-alfabetizado, mas não é burro. Quer garantir o dito poder de sepultar o próximo e garantir a "boquinha" polpuda.

jose nogueira da cunha disse...

"ESSE É O CARA",quem vai tirar isso da sua cabeça?...;
O presidente, de tanto falar em democracia,será que esqueceu de alguma coisa?...;Por exemplo, num regime democrático,não se agride um jornalista,não se pisoteia instituições,ou se governa, através das famosas M.P.;Num estado democrático,não se rouba na impunidade da lei, ou se retira de alguém,o que é seu, de fato e direito,escrito na C.F.;
Afinal,qual o conceito democracia para os governantes atuais???;Aliás diga-se de passagem,se fosse eu no lugar do presidente LULA,com mais de 80% de apoio popular,MANDAVA FECHAR TUDO PARA BALANÇO....

arlisson disse...

LULA sempre fala: o que tem que ser feito, vai ser feito...
só que ele não faz o que tem que ser feito, só diz o que tem que ser dito. virou estrela. (esse è o cara).
Empresta dinheiro pro FMI e não paga a divida que existe com os brasileiros.
Gostaria que lula fosse uma estrela dentro do brasil.
Brilha lula, brilha, ilumina a vida dos brasileiros.
Quem sabe voçê não ganha um premio nobel de luz dentro da sua casa, por ter permitido o direito a quem tem direito.

Anônimo disse...

ESSE CARA é um termo utilizados, em vila populares, para classificar meninos de rua. Para o Lula o termo "esse cara" cai bem, pois trabalhar que é bom.... nada. Ele é de rua mesmo.
Lorena SP