Planalto libera R$ 1 bilhão para aplacar pressão da base aliada

Pressionado pelo Congresso, o governo decidiu empenhar R$ 1 bilhão em emendas parlamentares individuais incluídas no Orçamento da União de 2009. Determinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira passada, a medida foi anunciada ontem pelos ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro. A ideia do Palácio do Planalto é usar a quantia para conter uma insatisfação crescente na bancada governista, que ameaça aprovar projetos bilionários caso não haja a liberação do dinheiro. Aliados ensaiam, por exemplo, derrubar o veto presidencial ao reajuste de 16% nas aposentadorias acima de um salário mínimo. Uma decisão nesse sentido terá impacto de R$ 12 bilhões por ano nas contas da Previdência Social.

Na reunião de ontem, ficou acertado que, daqui a 30 dias, a equipe econômica reavaliará a arrecadação federal para saber se haverá novos empenhos. Múcio sabe que o R$ 1 bilhão prometido afastará apenas momentaneamente a possibilidade de traições em plenário. Por isso, quer outras parcelas de empenho até o fim do ano. A meta da articulação política é assegurar a liberação de cerca de R$ 5 bilhões dos R$ 5,9 bilhões em emendas individuais constantes da lei orçamentária atual. Ou R$ 8 milhões dos R$ 10 milhões a que cada deputado e senador tem direito. À frente da maior bancada da Câmara, o líder do PMDB na Casa, Henrique Eduardo Alves (RN), reclamou na semana passada do fato de a equipe econômica não responder aos pedidos de empenho das emendas.

“O que incomoda é o silêncio dos ministros. Depois, o plenário responde com silêncio na votação de projetos importantes, e o governo não sabe por que”, afirmou Alves. Além de lembrarem da possibilidade de derrotar o Planalto em projetos bilionários, os congressistas planejavam, em retaliação, causar transtornos a Bernardo e ao ministro da Fazenda, Guido Mantega. Um dos planos em discussão era convocá-los a prestar esclarecimentos em audiências públicas em todas as comissões temáticas da Câmara. Só para constrangê-los. Líderes governistas alegam que a pressão pelas emendas é legítima. Os recursos constam de lei aprovada pelo Congresso. Além disso, se destinariam a obras em pequenos municípios, muitas das quais “esquecidas” pelos programas elaborados pelo governo federal.

O número
R$ 5 bilhões
É quanto a articulação política quer liberar em emendas

Fonte: Correio Braziliense.

7 comentários:

Anônimo disse...

O Congresso Nacional não deve se vender por um bilhão para não derrubar um beto que prejudica, que rouba o direito de milhares de famílias de aposentado e pensionistas brasileiros. Não esqueçam Senhores congressistas, que 2010 teremos eleições. Por outro lado ainda é anti-ético vender o voto em troca de favores do Governo, prejudicando milhares de trabalhadores.

Orcelino Andrade

Anônimo disse...

O Lula admitiu finalmente,em respeito, talvez(?), a inteligência da população que irá candidatar-se numa próxima eleição. Por isso já está garantindo amigos com distribuição de dinheiro público. A "boquinha" é boa e farta de presidente da república. Quando assumiu comprou avião(seu brinquedo) e foi conhecer o mundo(logo mostrou o mapa "mundi" para o piloto ir estudando).Num próximo mandato, (fico com taquicardia só de pensar), o que esse ser fará? O Brasil precisará de muita sorte para livrar-se desse "abacaxi".

Anônimo disse...

Infelizmente o Congresso e Governo são todos farinha do mesmo saco!
Tem dinheiro até para perdoar dívidas e fazer emprestimos bilionários para outros países e muitas falcatruas que todos estão cansados de saber, mas o país vai falir se um desgraçado de um aponsentado tiver um aumento que o deixe pelo menos morrer em paz!
O Poder deve emanar do povo e não de cima para baixo ou melhor de goela abaixo. Precisamos aprender isso. Sabemos que existe mas não sab emos como fazer. Enquanto isso ao votarmos e pararmos por aí, continuamos assinando cheque em branco para essa corja de ladrões e Sarneys da vida!
Caramba, como demora para o povo entender nesse Brasil!

Anônimo disse...

O cidadão precisa entender é: VOTO ÚTIL É CANDIDATO ÚTIL. O que temos visto são pessoas votando em qualquer um, por motivos absurdos - por ser cantor, radialista, ter ganho um saco de cimento, dar as condi~ções do tempo na televisão, ex-jogador, ex-sindicalista(trampolin).Não deve-se votar em qualquer um. Votar nulo é sinal de descontentamento. Mostre que está descontente, é importante! Quem dirige o país é pagador de tributos(todos os brasileiros) e não os políticos. Olhe para Suiça e verão que o país tem qualidade de vida para TODOS e não somente para grupos eleitos pelo políticos, por que lá quem manda é o povo.

Anônimo disse...

Mais uma vez os mandatários do país mostram seu carater ou sua falta do mesmo.
Só espero que os deputados não se VENDAM por tão pouco. UM BILHÃO DE REAIS é o preço com que se compra a camara dos deputados.
Será que os aposentados não conseguem juntar este valor e comprar conciência dos NOBRES DEPUTADOS já que o presidente nem isto tem?

Anônimo disse...

Dinheiro para as baganhas politicas o Sr. Lula tem, mas para fazer justiça a aposentados não. Isso seria hilario se não fosse tragico.
Eu, por exemplo, contribui para a previdencia por 41 anos, dos quais 14 com o teto de 20 salarios minimos, e hoje recebo menos de 4 slarios minimos. Ah e ainda sou um dos marajas da previdencia.
Se o governo tivesse um minimo de vergonha na cara, proporia a separação das previdencias, publica e privada, criaria um fundo que é de sua obrigação para a publica, e deixaria que as contribuições da previdencia privada fosse unicamente para custear essas aposentadorias.
Lula lá miséria cá.

jose nogueira da cunha disse...

Nunca se viu tanto dinheiro rolar por aí a esmo,dinheiro dos altos impostos arrecadados da população produtiva,incluidos fossem,uma grande parcela dos aposentados; É uma vergonha, as permutas rolam soltas e ninguém tem a coragem de fazer nada;Nossos jovens estão apáticos, contaminados pelas sombras do avião presidencial,pilotado em todas as direções que não atendem necessidades urgentes da nação brasileira...;