Aumento de custos com o Ato Médico

Tatuador critica projeto e teme aumento de custo

O Estado de S. Paulo

Setor acha que interferência médica fere autonomia e pode incentivar serviços clandestinos; CFM diz que médico não tem interesse em tatuar
Tatuadores temem que o envolvimento de um médico na realização de tatuagens possa aumentar os custos para os profissionais e consumidores. "Isso com certeza aumenta os gastos e prejudica o cliente", afirma Carlos Alberto Silva, gerente do estúdio Led"s Tattoo, em Moema, São Paulo.

Para os tatuadores, a lei aprovada na Câmara dos Deputados abre brecha para a retomada da discussão sobre a presença de um supervisor técnico nos estúdios. O assunto foi debatido em junho, durante a aprovação de lei que define as regras para o funcionamento dos estabelecimentos de tatuagem e body piercing do Distrito Federal. "Se a gente tiver que pagar taxa para um médico supervisionar, quem arcará com os custos?", pergunta Silva.

Segundo alguns tatuadores, o aumento dos preços dos serviços pode até incentivar o comércio clandestino. "Por causa do aumento do custo, a pessoa pode fazer de qualquer jeito, em casa mesmo", afirma Ronaldo Brito, do Polaco Tattoo, estúdio do centro de São Paulo.

Além da questão dos custos, os profissionais afirmam que a interferência médica fere a autonomia dos tatuadores e alimenta o corporativismo. "É totalmente desnecessária a presença de um médico porque não é preciso ter diploma (de Medicina) para tatuar ou fazer piercing", afirma Brito.

Para o diretor-presidente do Sindicato dos Tatuadores (Setap), Antonio Carlos Ferrari, a aprovação do ato na Câmara, com a abertura para interpretações do texto, vai na contramão do que estava sendo discutido entre o órgão e o Conselho Federal de Medicina (CFM). "Fizemos um acordo com o conselho sobre essas questões comuns, mas ele nunca foi assinado", diz. "Estamos desacreditados na classe médica."

Segundo o presidente do CFM, Roberto d"Ávila, o acordo ainda não foi assinado por falta de oportunidade. "Os médicos não têm interesse em tatuar ou colocar piercing", afirma. Ele nega que o ato médico interfira na profissão de tatuadores e acupunturistas e refuta a ideia de corporativismo. "É uma visão equivocada, eles enxergam brechas porque querem enxergar o que não há."

Para o vice-presidente da Associação Brasileira de Acupuntura, Ruy Cordeiro, o ato é controverso.

"O CFM está defendendo a exclusividade médica na acupuntura, e eles já deixaram claro que têm pouco conhecimento de causa."

Ruy Tanigawa, presidente da Associação Médica Brasileira de Acupuntura (AMBA), diz ser a favor do ato. "Não é corporativismo, mas, sim, defesa da população para conter os erros de conduta que ocorrem."

SAIBA MAIS
Ponto polêmico: A exclusividade da indicação e execução por médicos de procedimentos invasivos - em que há invasão da epiderme e da derme com uso de produtos químicos e abrasivos, a invasão da pele até o tecido subcutâneo e a invasão dos orifícios naturais do corpo até atingir órgãos internos - para diagnóstico e tratamento terapêutico ou estético pode fazer com que procedimentos como acupuntura e tatuagens necessitem de prescrição médica.

Outras atribuições exclusivas de médicos: Diagnóstico e prescrição de tratamentos; indicação de cirurgia e de cuidados pré e pós-operatórios; intubação traqueal e outras ações de ventilação mecânica invasiva; sedação profunda, bloqueios anestésicos e anestesia geral; emissão de laudos de endoscopias, de imagem e de procedimentos diagnósticos invasivos; prescrição de órteses e próteses; indicação de internação e alta; perícias médicas e exames médico-legais, com exceção de exames laboratoriais de análises clínicas, toxicológicas, genéticas e de biologia molecular; atestados médicos e de óbito.

Não são ações exclusivas de médicos: Aplicação de injeções; cateterização; punções em veias e artérias periféricas;aplicação de curativos; atendimento em caso de risco de morte iminente; coleta de material biológico para exames.

3 comentários:

FALA SÉRIA disse...

Cambadas de mentirosos, nunca falam das vítimas que os guerrilheiros mataram. A Dilma não tem coragem de falar quantos tiros ela deu contra os brasileiros honestos e que estavam nos seus postos de trabalho honestamente. E o tenente que morreu torturado pelos guerrilheiros?, como fica a família da vítima? O Lula nunca falou como está a família do tenente e outros militares que os guerrilheiros mataram. FAÇA UMA CÓPIA DESTE COMENTÁRIO E ENTREGUE AOS GENERAIS (entregue esses meus comentários ao generais, faça esse favor)
Os generais estão dormindo ou são covardes, e se esquecem como amnésia, ou fingem que esqueceram? Ou estão com as cuecas sujas?

Sou civil paisana comum do povo.

Senhores generais, nós do povo civil não estamos com medo do Lula não.

Façam já alguma coisa urgente pra tirar o amigo íntimo do fidel castro do poder aqui no brasil, vulgo, LULA. que merda sô.

Anônimo disse...

Toda intervenção no Corpo Humana, com características cirúrgicas, tem e devem ser supervisionadas pela Medicina. A Saúde do Cidadão é coisa séria. Já não bastasse o DESCASO do Ministério da Saúde, para com a BIOMEDICINA, que há 43 anos existe de Direito, e de Fato não tem uma Política de Governo, engessando os nossos BIOMÉDICOS, impedindo que o nosso País desenvolva medicamentos de qualidade, a baixo custos. A quem interessa o não desenvolvimento da nossa Ciência, evidentemente aos Laboratórios Multinacionais, que bancam Senadores e Deputados, para que sequer toquem neste Tema de Vital importância para o Brasil.

Anônimo disse...

Os médicos para mim são uma cambada de Cartel que só pensam neles, acompultura é um serviço totalmente diferente da medicina normal,deixa os caras trabalharem pra sobreviverem,enquanto os médicos vivem nadando em dinheiro pelo preço absurdo que cobram nos planos de saúde para a mioria das vezes só fazer uma consulta.