Investigação expõe racha na aliança pró-Dilma

A disputa política em torno da CPI do MST no Congresso causa uma forte preocupação ao governo para acomodar os variados interesses partidários em sua aliança. O governo precisa evitar um racha entre os partidos da base e o rompimento com parte da bancada ruralista na Câmara e no Senado. Os desafios serão equilibrar a composição da comissão que investigará os repasses federais e refrear os ânimos já exaltados por causa de outros embates, como a reforma do Código Florestal e a revisão dos índices de produtividade rural.

Maior partido do Congresso, o PMDB deve contar com maioria ruralista entre seus representantes na CPI. "Não concordamos com essa política de repasses do governo. E se o PT ficar na linha de defender radicais, vai ter resistência de um grupo forte do PMDB", afirma o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Valdir Colatto (PMDB-SC). Um dos principais líderes ruralistas no Congresso, Colatto dá o tom das disputas futuras. "Pedi para compor essa CPI para tratar a questão de forma séria. Não vou esconder nada de ninguém. Nessa questão, não tem conversa", diz.

No lado do PT, os parlamentares rejeitam a chamada "criminalização" dos movimentos sociais e avisam que a busca de uma postura de "equilíbrio" pelo governo pode complicar a situação. "Essa CPI vai ser governo contra oposição. Se botar ruralista no comando, vai dar muito o que falar", prevê o coordenador do Núcleo Agrário do PT, deputado Assis do Couto (PR). "Não sei se tem receita para o governo, mas é um momento para o governo reconhecer o papel da agricultura familiar. Não podemos contribuir com o desejo da CNA de ofuscar esse papel", afirma Couto. Ele identifica uma tentativa da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) de "desmerecer" os avanços da produção familiar destacados nos resultados do Censo Agropecuário 2006, divulgados há um mês.

A CPI pode precipitar uma reação do governo aos ruralistas dos partidos de oposição. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, afirma que a atualização dos índices de produtividade no campo, em debate no governo desde 2003, pode ser beneficiada pelas disputas políticas da CPI. "Talvez, a CPI impulsione os índices. O governo não vai se encolher", diz.

Responsável no governo pela reforma agrária, Cassel também aposta que a CPI abrirá espaço para reabilitar algumas ONGs. "A Caritas, por exemplo, está impedida dos convênios só porque uma responsável pelas assinaturas assinou um manifesto em favor do MST", afirma, em referência à rede da Igreja Católica composta por 162 entidades.

Na condição de principal investigado, o MST também não ajudará os operadores políticos do governo a manter a serenidade na CPI. Os sem-terra apontam uma tentativa deliberada da bancada ruralista em "criminalizar" o movimento. "Os latifundiários querem usar a CPI apenas para atacar os movimentos sociais. Essa ofensiva pretende anular os avanços dos índices de produtividade e da recomposição dos recursos para a reforma agrária", diz o coordenador nacional do MST, José Batista de Oliveira.

Fonte: Valor.

5 comentários:

jobaque disse...

Muito boa a notícia. Não sou contra o MST. Sou contra o seu radicalismo e as suas ações criminosas. Sou contra também essa benevolência exagerada do Governo com o Movimento. Está fazendo muita farra com o dinheiro do contribuinte.

Anônimo disse...

Sou contra ao MST, mas não contra a reforma agrária. Dilma, com o "curriculum" que tem deveria ser enviada ao Afeganistão. Lula está perdendo essa oportunidade de fazer média com Obama. Dilma sairia na mídia e o Lula famoso por resolver o problema Afeganistão para os EUA. Dilma é tudo que o Brasil não precisa, Lula precisa entender isso.

Anônimo disse...

A luta por reforma agrária é importante agora mais importante ainda é uma reforma salarial porque não tem sentido alguém ganhar acima de 10 salários mínimos.

Anônimo disse...

A solução da reforma agrária, passam necessáriamente pela descentralização do país, ancorado na autonomia tributária que respaldaria outras autonomias locais e regionais (Municípios e Estados)no aspecto legislativo, administrativo e judiciário.
Solução?(www.federalista.org.br) e (www.if.org.br).
Vamos aderir antes que os MSTrroristas e outros PTrroristas não deixem, estão fazendo uma lavagem cerebral em todo o Brasil.

anaubalo disse...

COMO EM TODOS OS MOVIMENTOS E CLASSES, TEM A BANDA BOA E A BANDA PODRE. É ASSIM EM TODO LUGAR, PRINCIPALMENTE NA POLÍTICA, QUE NÃO DEIXA DE SE INFILTRAR NO MST. PORÉM O QUE SE VÊ NO MOMENTO É UMA DESCARACTERIZAÇÃO DO MOVIMENTO. ISSO IMPLICA EM DIZER: A BANDA PODRE ESTÁ ACIMA DA BANDA BOA.