PT articula acordos de bastidores para acertar diferenças nos Estados

No Correio Braziliense

Peemedebistas criam grupo para tentar pacificar ânimos nos estados onde há controvérsias graves com os petistas

Aspirante ao governo mineiro, o ministro Hélio Costa terá de se entender com dois pré-candidatos do PT


A cúpula nacional do PMDB montou uma comissão para definir as alianças que o partido fará nos estados para as eleições de 2010. A decisão de criar o grupo foi tomada depois de um jantar, na terça-feira, em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a pré-candidata do governo nas eleições do ano que vem, a ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, fecharam pré-compromisso para que PT e PMDB estejam unidos no ano que vem. Na briga pelo Palácio do Planalto, a bolsa de apostas aponta o presidente da Câmara, Michel Temer (SP), como o provável vice na chapa.

Participam do grupo o próprio Michel Temer, o líder do bloco parlamentar PMDB/PTC na Casa, Henrique Eduardo Alves (RN), os ministros das Comunicações, Hélio Costa (MG), da Integração Regional, Geddel Vieira Lima (BA), e da Defesa, Nelson Jobim (RS), além do ex-governador do Rio de Janeiro Moreira Franco. A primeira reunião está marcada para terça-feira. A escolha dos três ministros e do ex-governador não foi à toa. Em Minas, na Bahia, no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro existe o risco de não se repetir o possível acordo a ser fechado nacionalmente entre PT e PMDB, o que enfraqueceria os planos de sustentação estadual da campanha de Dilma.

Dos três ministros na comissão, dois são pré-candidatos ao governo de seus estados: Hélio Costa e Geddel Vieira Lima. Conforme o ministro das Comunicações, o principal obstáculo a ser superado são as “posições irremovíveis e pessoais”. Em Minas, pelo lado do PT, são pré-candidatos o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel.

Cabeça
No estado, o ministro defende que os dois partidos mantenham conversas e que, no momento da definição de quem ficará com a cabeça de chapa, provavelmente no início do ano que vem, seja escolhido como candidato quem tiver “preferência eleitoral”, ou seja, o que estiver em melhor posição nas pesquisas. O grupo ligado a Pimentel, no entanto, não abre mão de ter o ex-prefeito da capital como cabeça de chapa. “Queremos, de forma fraterna, convencer o ministro Hélio Costa de que temos o candidato com melhores chances de vitória”, afirma o presidente estadual do PT, Reginaldo Lopes, ligado a Pimentel.

O posicionamento pode jogar o ministro Hélio Costa nos braços do governador Aécio Neves, que tem como pré-candidato ao governo o atual vice, Antônio Anastasia. “A construção de uma candidatura não pode ser isolada. Tem que partir de um grupo. Tentei ser candidato sozinho duas vezes e perdi”, afirma o ministro, derrotado na disputa pelo governo mineiro em 1990, por Hélio Garcia, e em 1994, por Eduardo Azeredo.

Na Bahia, caberá à comissão discutir o impasse criado no estado depois do afastamento do ministro Geddel Vieira Lima do governo do petista Jaques Wagner, que quer a reeleição. Geddel, por sua vez, almeja brigar pelo Palácio de Ondina ano que vem. No Rio, o próprio presidente Lula já deixou claro que pretende apoiar o atual governador, Sérgio Cabral. O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), no entanto, sonha com o cargo. Já no Rio Grande do Sul, a disputa é independente dos nomes que possam estar na briga pelo governo do estado em 2010. Os dois partidos, em terras gaúchas, são inimigos políticos históricos.

Queremos, de forma fraterna, convencer o ministro Hélio Costa de que temos o candidato com melhores chances de vitória”
Reginaldo Lopes, presidente do PT mineiro

Da aliança à ressaca

Os principais problemas estaduais para o acordo nacional entre PT e PMDB

São Paulo
O ex-governador Orestes Quércia aliou-se ao PSDB. Ele tem controle do partido, mas alguns prefeitos peemedebistas de cidades interioranas são a favor do apoio à ministra Dilma Rousseff.

Rio de Janeiro
O presidente Lula determinou que o PT desista da candidatura de Lindberg Farias e apoie o governador Sérgio Cabral.

Mato Grosso do Sul
O PT nacional quer enquadrar o ex-governador Zeca do PT para ele apoiar o atual mandatário André Puccinelli.

Pará
Está sendo articulado um acordo para o prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho, filho do deputado Jader Barbalho, ser vice da governadora Ana Júlia na reeleição.

Bahia
O governador Jaques Wagner (PT) acusa o ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) de patrocinar o racha no estado, e insistir em se lançar ao governo contra o petista.

Paraná
O PMDB cobra do PT apoio ao candidato do governador Roberto Requião. O cenário já foi mais desgastado com Requião flertando com o PSDB. Hoje, há espaço para o entendimento.

Minas Gerais
Parte do PT não quer apoiar a candidatura ao governo do ministro Hélio Costa (PMDB).

3 comentários:

Anônimo disse...

SE DEPENDER DOS APOSENTADOS/PENSIONISTAS E FUTUROS APOSENTADOS/PENSIONISTAS, ENQUANTO NÃO DEVOLVER, ATENTAI BEM!! NÃO É FAVOR, É OBRIGAÇÃO!!! DEVOLVER AOS IDOSOS QUE ESTÃO MORRENDO, NUM GENOCÍDIO PIOR QUE O PRATICADO POR HITTLER, PORQUE AQUÍ NO BRASIL, TODOS OS DIAS, MILHARES DE APOSENTADOS/PENSIONISTAS DO "RGPS" ESTÃO MORRENDO LENTAMENTE, GRAÇAS AO ANTI-CRISTO EM FORMA DE EX-OPERÁRIO!

Anônimo disse...

O Rio grande do Sul está mal. Todos os possíveis candidatos não são do agrado do população. Rigotto deixou a dívida do estado crescer, sem fazer os cortes necessários. Administração fraca. PT tem um histórico triste, com perdas financeiras, apoiou a criação de escola para o MST no interior do estado, perda da FORD. Quando administrou a capital os cofres de superavitários passaram a deficitário e deixou muitas dívidas.Tarso, quando perfeito de P.Alegre, quis implantar o reajuste do IPTU de acordo com a riqueza aparente. Tarso não ficou na administração os quatro anos, saiu antes. Apóia o MST o que é grave.
Beto Albuquerque(não sei o partido): Gosta de aumentar e criar impostos. Defendeu de forma ferrenha a manutenção da odiosa CPMF. Fará reformas não de redução dos gastos públicos, mas sim de acréscimo, conforme declarações já feitas à respeito das reclassificações dos servidores. A folha de pagamento do RS leva mais de 50% da receita líquida. Beto não serve.
Ieda, bem, essa todos sabem.

blog do augusto lopes disse...

O PT NÃO DEVERÍA ESTAR PREOCUPADO COM ALIANÇAS. PORQUE:SE DIZ UM PARTIDO ÉTICO, TEM APOSIO TOTAL DA POPULAÇÃO, LULA TEM 81 POR CENTO NA PESQUISA, SÃO MELHORES DO QUE TODO MUNDO , A DILMA É BEM EDUCADA, E POR CIMA TEM UM PRESIDENTE QUE CRITICA ATÉ JESUS CRISTO. ENTÃO ESTÁ COM TUDO. NÃO PRECISA DE ALIANÇAS. VENCE SOZINHO.TMATH