Encenação combinada

Deputados do governo e da oposição fizeram de conta que eram a favor da vinculação da aposentadoria ao salário mínimo. Mas, na verdade, queriam adiar a votação

Aposentados na galeria do plenário da Câmara dos Deputados: vaias e palavras de ordem em favor da votação do projeto

Desde a tarde de ontem, oposição e governo sabiam bem que a proposta que vincula os reajustes dos aposentados e pensionistas do INSS aos mesmos índices aplicados ao salário mínimo não tinha chances de ser colocada em votação. Mas, diante de uma plateia estimada em mais de mil pessoas dispostas a criar na Câmara um clima de campanha eleitoral — com direito a palavras de ordem e vaias aos que se posicionassem contra seus anseios—, os parlamentares aproveitaram para fazer de conta que apoiavam a proposta e fazer promessas de empenho pela entrada da matéria na pauta. Uma tentativa de tirar o máximo proveito dos holofotes e da presença do público nas galerias.

Para não perder o palanque, a oposição fez discursos em favor do projeto, mesmo que longe dos microfones admitisse que o teor da proposta poderia mesmo causar um rombo na Previdência insustentável para o governo. A linha mais contraditória entre o que se falava no plenário e o que realmente se pretendia fazer foi a adotada pelo PSDB. Com planos de assumir o Palácio do Planalto em 2011, a legenda sabe que a aprovação da matéria pode resultar em uma despesa impagável. Para se ter uma ideia, somente este ano, o impacto causado pelo Projeto de Lei 01/2007(1) é estimado em R$ 12 bilhões. Uma conta que nenhum governo pretende ser obrigado a arcar. Apesar da falta de interesse na matéria, alguns tucanos até se juntaram aos aposentados enquanto gritavam das galerias palavras de ordem pedindo a votação do projeto. “Essa proposta precisa mesmo ser melhor discutida. Mas o governo se perdeu. Apesar de sabermos que é necessário fazer alguns ajustes e discutir bem esse tema, acho que se colocá-lo em votação é capaz de a oposição votar a favor. Aí, o governo terá de se virar para vetar”, disse o líder do PSDB, José Anibal (SP), logo depois de fazer um discurso em defesa da proposta.

Conhecedor do Regimento Interno da Casa, o vice-líder do DEM, Onix Lorenzoni (RS), foi avisado no inicio da manhã de ontem que o relator da Medida Provisória 466/09(2), João Carlos Bacelar (PR-BA), atendendo a um pedido do governo, iria pedir mais prazo para apresentar o relatório, numa manobra para garantir que a pauta de votações do plenário continue trancada. Mesmo sabendo que isso impediria a votação da proposta referente ao reajuste dos aposentados, o democrata fez discursos pedindo a entrada do projeto na pauta e respondia sorridente aos aplausos vindos das galerias.

Ligação da avó
O peso eleitoral da proposta de equiparação das aposentadorias deixou desconfortável até o relator da MP 466, responsável pela manobra pelo adiamento da votação. Para evitar o desgaste da própria imagem, Bacelar ensaiou um discurso para tentar explicar a atitude. “Gostaria de dizer que não sou contra os aposentados. Minha avó até me ligou pedindo para eu ajudar a acelerar essa votação. O problema é que não tive tempo para analisar todas as emendas da MP que relato e preciso de mais tempo. Infelizmente, ela tranca a pauta”, argumentou sob vaias.

No jogo de movimentos previamente orquestrados e em meio a discursos inflamados que mais pareciam estar sendo feitos em palanques eleitorais, os integrantes da base governista que tinham a missão de barrar o aumento dos aposentados fugiram o que puderam da tribuna. Durante toda tarde, sequer circularam no plenário. No início da noite, o líder do PT, Cândido Vaccarezza (SP), decidiu enfrentar as vaias e tentou mostrar que a resistência ao PL 01/2007 é decorrência da intenção governista de aprovar ano que vem — em plena campanha eleitoral — uma política permanente de reajuste real das aposentadorias. Mal conseguiu concluir o discurso. Depois, longe dos microfones, atacou: “Os parlamentares sabem que a conta que esse projeto pode criar é impagável. No fundo ninguém quer aprová-lo, mas ficam fazendo promessas. Faltam discussão e acordos em torno do tema”, afirmou.


1- Benefício
O Projeto de Lei 01/2007 é uma das propostas mais polêmicas atualmente em tramitação no Congresso. O projeto prevê que os aposentados e pensionistas que recebem do INSS quantias superiores a um salário mínimo possam ser beneficiados com os mesmos índices de reajustes concedidos pelo governo aos que recebem o piso da Previdência. A estimativa é de que a matéria beneficie cerca de 8 milhões de pessoas. O argumento do governo é de que não conseguirá pagar essa conta. Por isso, pretende aprovar no próximo ano um reajuste em torno de 6% para a categoria.

2- Medida
A MP 466/09 entrou em vigor em agosto deste ano. O texto editado pelo Executivo obriga as distribuidoras de energia elétrica captada em sistemas isolados a comprarem essa energia por meio de concorrência ou leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A medida determina ainda que as distribuidoras dos sistemas isolados terão que abandonar no prazo de 18 meses, a contar da data de interligação ao sistema nacional, atividades de geração e transmissão de energia.

Fonte: Correio Braziliense.

7 comentários:

FALA SÉRIA disse...

Já fiz um comentário exatamente dizendo isso aí, entre outros pontos, embora comentário pequeno, mas mostrei esse lado do fingimento dos parlamentares.

Não tem mais jeito.

Agora, é os aposentados chorarem e lastimarem.

Chora quem quer chorar, pois quem não quiser chorar deve formar uma frente de "RETIRADA DO LULA DO PODER" com a ajuda das Forças Armadas, pois legalmente não dá pra moralizar mais a administração do país que vive dob o manto dos FANTASMAS, MENSALÕES, CARTÕES DE CRÉDITO E DO APADRINHAMENTO NO GOVERNO, ALÉM DE SE AVIZINHAR A DITADURA DO LULA QUE , A CADA DIA, SE APROXIMA SOB AS ORIENTAÇÕES DO FIDEL E RAUL CASTRO.

A ditadura do Lula entra no Brasil, de vagarzinho, com colher de açucar na boca dos brasileiros e o povo não está vendo.

Em breve deve vir as MARMITEX.

Distribuição de roupas já acontece, com a bolsa uniforme. E isso é DITADURA COMUNISTA.

Abra o ôlho Brasil.

Jovens de hoje, futuros escravos. Assim deu-se com os jovesn cubanos, há 50 anos, nas unhas do Fidel Castro.

E Lula só tira nota 10 nas aulas de fidel.

Se não forem varridos do poder os componentes dessa corja, teremos o seguinte:

JOVENS DE HOJE, FUTUROS ESCRAVOS.

Adolfo |Luiz disse...

OLHA QUE MARAVILHA! SE TODOS OS BRASILEIROS PENSASSEM SEGUNDO O PENSAMENTO DO COMENTÁRIO ABAIXO, O BRASIL ESTARIA SALVO.

LEIAM:

Já fiz um comentário exatamente dizendo isso aí, entre outros pontos, embora comentário pequeno, mas mostrei esse lado do fingimento dos parlamentares.

Não tem mais jeito.

Agora, é os aposentados chorarem e lastimarem.

Chora quem quer chorar, pois quem não quiser chorar deve formar uma frente de "RETIRADA DO LULA DO PODER" com a ajuda das Forças Armadas, pois legalmente não dá pra moralizar mais a administração do país que vive sob o manto dos FANTASMAS, MENSALÕES, CARTÕES DE CRÉDITO E DO APADRINHAMENTO NO GOVERNO, ALÉM DE SE AVIZINHAR A DITADURA DO LULA QUE , A CADA DIA, SE APROXIMA SOB AS ORIENTAÇÕES DO FIDEL E RAUL CASTRO.

A ditadura do Lula entra no Brasil, de vagarzinho, com colher de açúcar na boca dos brasileiros e o povo não está vendo.

Em breve deve vir as MARMITEX.

Distribuição de roupas já acontece, com a bolsa uniforme. E isso é DITADURA COMUNISTA.

Abra o ôlho Brasil.

Jovens de hoje, futuros escravos. Assim deu-se com os jovens cubanos, há 50 anos, nas unhas do Fidel Castro.

E Lula só tira nota 10 nas aulas de Fidel.

Se não forem varridos do poder os componentes dessa corja, teremos o seguinte:

JOVENS DE HOJE, ESCRAVOS DE AMANHÃ.

FALA SÉRIA disse...

COMENTO OUTRO ASSUNTO.

O ASSUNTO DO ANIQUILAMENTO DAS FORÇAS ARMADAS BRASILEIRA POR DELIBARAÇÃO VELADA DO LULA

PARA ISSO COPIEI E COLEI. LEIA ABAIXO:


"Os exércitos modernos necessitam hoje, mais do que nunca, da colaboração de patriotas civis, para adquirir conhecimentos a respeito de uma nova e violentíssima forma de guerra.

É obvio que a economia sempre foi causa de guerras e um dos fatores decisivos para se obter a vitória militar. No entanto, era possível vencer o inimigo militarmente mas arruinar as finanças do país do exército vitorioso.

A guerra econômica moderna torna possível uma derrota aniquiladora de um exército e do país que ele representa, sem disparo de um tiro sequer.

No tabuleiro do jogo de xadrez do poder mundial, vence o contendor que consegue aniquilar o seu adversário com o menor custo material e psicológico possível.

Em homenagem ao general romano Quinto Fabio Maximo (chamado de Cunctator, que viveu de 275 a.C. a 203 a.C., e atacava Aníbal com táticas de guerrilha) fundou-se em Londres a Sociedade Fabiana, cujo o objetivo é manter a hegemonia inglesa sobre o mundo, utilizando a tática do desgaste contínuo.

Como uma Hydra, possui várias cabeças, sendo as mais terríveis, o CFR – Council of Foreing Relations, o Diálogo Interamericano e a Comissão Trilateral.

O objetivo do monstro é destruir as soberanias nacionais para o estabelecimento do Governo Global Único, sob controle da Oligarquia Financeira Internacional, usando o nome eufemístico de Nova Ordem Mundial.

Para tanto é necessário destruir os exércitos nacionais. A melhor forma de ataque é levá-los à inanição. Corte de orçamento, de prestígio e de autonomia"

Anônimo disse...

Esse baiano Bacelar que vá tentar "engambelar" a vovozinha, mas não os aposentados. Ninguém entrou naquela conversa idiota. Se depender dos aposentados e amigos/família e bom começar a procurar emprego.

Anônimo disse...

Já tinha conhecimento, pois outros empresários já comentam que a situação é critica, mas de qualquer forma, para todos terem, pelo menos, uma idéia do que Chavez fez pela Venezuela, leiam a revista Veja da semana passada. A reportagem é bem simplificada, mas ajuda.

Anônimo disse...

O grande senador Paulo Paim desafiou quem quer que seja mostrar a ele, autor dos projetos, que a previdencia é deficitaria. Até agora ninguem mostrou a ele ou aos aposentados. A midia é comprada e corrompida esta nas mãos do Lula. A unica que mostrou a palhaçada do dia 04/11/2009 foi o jornal da Rede TV News o qual parabenizo sua reportagem e isenção. A previdencia não é deficitaria.Ja foi provada. Seus maiores devedores são as autarquias. Ninguem paga e ninguem cobra. Então nao venham mentir aos aposentados. A camara federal riu da desgraça dos aposentados. O Senado inteiro aprovou as pls do Senador Paulo Paim. Se a previdencia fosse deficitaria o senado não aprovaria. Falta vergonha na cara, honra e legitimidade aos traidores que fizeram a manobra para não votar. Dizem que somos 8,5 milhões, mas, multiple por 20 e, o resultado voces verão nas urnas e, carregarão na consciencia, o fato de terem pertencido à pior camara dos deputados que este pais ja teve.

Quaresma disse...

Político é um eterno ator de novela. Desde a campanha, em que encenam abraços e beijos em pobres (e depois tomam banho de álcool em seus carros, como Paulo Maluf, até o fim do mandato. Nós é que somos os bôbos da côrte, acreditando nessa cambada de safado, que nos rouba durante 4 anos e até mais. Agora o Judiciário resolveu entrar na barca tb e se vender para o Planalto. Aí a vaca foi pro brejo de vez...