Lula vai enquadrar quem votar a favor dos aposentados

Na verdade é para não votar 'nada' referente ao tema.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer conversar, ainda hoje, com líderes da base e dirigentes das centrais sindicais para manter o chamado fator previdenciário e impedir que o reajuste dos benefícios de aposentados e pensionistas seja vinculado ao salário mínimo. Não quer de forma alguma que os benefícios sejam equiparados aos salários dos trabalhadores da ativa, como defende o autor dos dois projetos aprovados no Senado, o senador Paulo Paim (PT-RS). Correligionário do presidente, o petista gaúcho caiu em desgraça no Palácio do Planalto.

O mesmo destino está reservado aos petistas e aliados que vacilarem nessa questão. Na quarta-feira, o governo conseguiu evitar a aprovação da proposta graças a uma manobra regimental que somente não fracassou porque o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), foi à tribuna desafiar a massa de sindicalistas aposentados que tomava as galerias da Casa. Como um gladiador romano — “Ave, César, nós, que vamos morrer, vos saudamos!” —, Vaccarezza manteve a base unida e pôs uma saia justa na oposição ao explicar, sob vaias, que a aprovação da proposta provocaria um colapso na Previdência, com um impacto financeiro monumental: R$ 130 bilhões em 2010 e R$ 145 bilhões em 2011. (CB).

Um comentário:

Paulino de Oliveira disse...

PRA TUDO TEM DINHEIRO. SÓ NÃO TEM DINHEIRO QUANDO SE FALA QUE É PARA OS APOSENTADOS.

O LULA TRAIU A CLASSE DOS APOSENTADOS.
tÔ FALANDO OPOR MIM, POIS SOU APOSENTADO. E NÃO QUERO A DITADURA COMUNISTA QUE O LULA TÁ BOTANDO NO BRASIL.

LULA TRAIDOR.