Comissão Pastoral da Terra deplora visita do presidente do STF em Marabá

Logo para email

Comissão Pastoral da Terra – Secretaria Nacional

Assessoria de Comunicação


MANIFESTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS DE MARABÁ.

No momento em que Marabá recebe a visita do presidente da mais alta corte de justiça desse país para lançar um “mutirão agrário” que tem como objetivo cumprir liminares que beneficiam fazendeiros e grileiros de terras públicas na região, os movimentos sociais vêm a público dizer:

1 – As causas das ocupações e dos conflitos. Nos três últimos anos ocorreram 67 ocupações na área rural da região, envolvendo 10.600 famílias e 22 ocupações urbanas, só em Marabá, envolvendo cerca de 18 mil famílias. O aumento das ocupações se deve à crescente migração de famílias pobres para a região devido a agressiva propaganda dos governos e das grandes empresas sobre a geração de milhares de empregos na implantação de grandes obras do PAC e de imensos projetos de mineração da VALE. Atraídas pela falsa propaganda do emprego que não está ao alcance dos mais pobres, milhares de famílias ao chegarem à região só tem dois destinos: as ocupações urbanas e os acampamentos rurais. A ausência de políticas publica de habitação e Reforma Agrária, empurra essas famílias para a pobreza, a miséria e a violência. Marabá é a 2ª cidade mais violenta do país. É a região com maior número de assassinatos no campo, registros de ameaça de morte e de vítimas de trabalho escravo. Ao invés de responder ao grave problema social com políticas públicas, o Estado e o Judiciário respondem de modo irresponsável com violência policial. São quase 10 mil famílias urbanas e rurais que poderão ser despejadas e que não terão para onde ir!

2 – A justiça não pode proteger produto de crime. O Estado do Pará é também campeão dos crimes de grilagem e de apropriação ilegal de terras públicas. São mais de 6 mil títulos falsos registrados ilegalmente pelos cartórios, são milhões de hectares em poder dos criminosos. A Comissão Estadual de Combate à grilagem rastreou e comprovou essa situação no Estado e propôs que o Tribunal de Justiça do Pará (TJ) cancelasse, administrativamente, as matrículas objeto do crime. Para a surpresa e indignação de todos nós, o TJ Pará se negou a fazer isso. Só aceita o cancelamento judicial, o que jamais vai ocorrer devido à morosidade da justiça. A comissão recorreu ao Conselho Nacional de Justiça que precisa dar uma resposta urgente a esse crime. Arrecadando essas terras, milhares de famílias poderão ser assentadas, diminuindo assim os conflitos. Mesmo com a posição firme e corajosa da juíza da Vara Agrária de Marabá em ouvir o INCRA e o ITERPA antes de decidir os pedidos de liminares, o TJ Pará insiste em deferir liminares e exigir o despejo de famílias das fazendas do banqueiro Daniel Dantas. São terras já confiscadas pela Justiça Federal por terem sido compradas para lavar dinheiro sujo, são imóveis multados pelo IBAMA em centenas de milhões de reais por crimes ambientais, grande parte são compostas de terras públicas apropriadas ilegalmente ou griladas já comprovado pelo INCRA e ITERPA. Um verdadeiro flagrante de desrespeito aos requisitos da posse agrária e ao cumprimento da função social da propriedade previstos na Constituição Federal. A Justiça não pode rasgar a Constituição e as leis agrárias para proteger os crimes do latifúndio!

3 – O judiciário não pode promover a impunidade. Apenas nas regiões sul e sudeste do Pará, nos últimos 30 anos, são mais de 600 assassinatos de trabalhadores rurais e suas lideranças. Mais de 70% desses crimes sequer tiveram investigação para apurar a responsabilidade das mortes. Os cerca de 30% que resultaram em um processo, marcham para a vala da impunidade. Não há um único mandante preso, cumprindo pena por ter mandado matar trabalhadores rurais na região. A impunidade é uma espécie de licença para matar.

4 - Frente a essa situação exigimos: a suspensão imediata das liminares de despejo nas áreas urbanas e rurais e o assentamento imediato das famílias acampadas; O cancelamento administrativo das matrículas de imóveis frutos de grilagem; Punição para todos os responsáveis por crimes contra os trabalhadores; O fim da criminalização dos Movimentos Sociais e de suas lideranças; Revogação dos mandados de prisão das lideranças do MST perseguidas pela bancada ruralista, pela imprensa e o governo!

Marabá, 04 de dezembro de 2009.

CPT, MST, MAB, CIMI, SDDH, PASTORAIS SOCIAIS DA DIOCESE DE MARABÁ,

CEPASP, FETAGRI REGIONAL, STR DE MARABÁ. Apoio: FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO e COORDENAÇÃO DO CAMPUS DA UFPA EM MARABÁ.

____________________________

Cristiane Passos

Assessoria de Comunicação
Comissão Pastoral da Terra
Secretaria Nacional - Goiânia, Goiás.

----------------------------------------

Comentário do blog: Perde uma grande oportunidade de se fazer presente na mesa de discurssões sobre a inaceitável conduta de seus protegidos a CPT.

Órgão ligado ao lado radical da Igreja Católica Apostólica Romana. A organização, com esta postura, não difere do grileiro ou fazendeiro violento que desrespeita as Leis Trabalhistas.

Para essa organização, fartamente irrigada com dinheiro de ONG´s internacionais, fazendo-se um espelho do MST. Em qualquer oportunidade que tem à sua disposição, redige uma graciosa nota acusando os produtores rurais de toda sorte de crimes.

A Igreja Católica a qual frequento não é essa.

Sob os olhos de Deus. Todos somos iguais.

Esse tipo de nota é típico dos diregentes da CPT.

Acusam, caluniam e não apresentam uma prova sequer que o conjunto dos produtores rurais são bandidos, covardes assassinos e usurpadores do Estado de Direito.

Enquanto que omite-se, tacitamente, de condenar os atos violentos de seus protegidos de algumas das chamadas organizações sociais.

Não aceitam o diálogo. Há antipatia gratuíta por membros da sociedade que não tem culpa alguma de carregarem em seu registro civil um sobrenome que, a seu exame final, não passam de herdeiros do coronelismo, jaguncismo e outros pecados mortais.

Esquecem-se dos seus. Fica-se por isso mesmo. E salve-se quem?

7 comentários:

Anônimo disse...

Podem deplorar a visita de quem quer que seja, sempre fui a favor das comunidades eclesiais de base,
e, de uma igreja que apóia a justiça social e os movimentos sociais, no sentido de melhorar a qualidade de vida do povo (só podemos amar se estivermos de barriga cheia),agindo pacificamente, e, não invadindo fazendas e casas de ninguem, mas sim agir seguindo as leis.
A igreja tem que tomar muito cuidado para quem da seu apoio, vejam as más experiências com, a corrupção, as mentiras as traições do Lula e o PT.
Vejam a traição aos aposentados.

William Guimarães disse...

Concordo com você Val-André...
Contribuiriam muito mais se desocupassem TODAS as Fazendas que encontram-se invadidas por seus pares e buscassem realmente o caminho do diálogo.
Acredito que também, existem realmente muito mais pobres que precisam do apoio da igreja e não estão engrossando esses chamados "movimentos sociais" no campo. Como voc6e também fala, Jesus, mesmo sendo execrado e apedrejado, sempre buscou os argumentos e nunca precisou pegar em armas.
Acredito que estamos passando por um momento muito delicado, de pico de curva, e se não nos posicionarmos pelo Pará e pelo Brasil, viveremos até o fim de nossos dias, e agora me perdoe a expressão chula), com a bunda na janela para que os gringos "preocupados com a amazônia e com os probres sem-terra" possam passar a mão sempre que quiserem.
Sempre digo uma coisa e coloco aqui para que se pense sobre isso: `Só se tem tempo e condições de pensar no que é ecologicamente correto, quando já se é economicalmente viável`.
Abraços

Aff Maria disse...

GENTE, VAMOR XEROCAR UMAS FOTOS REVELADORAS DA VIDA DA eSTELA hOUSSEFINA DA cARABINA, E ESPALHAR POR ESSE BRASIL AFORA.

NO GOOGLE TEM. VAMOS FAZER UM MONTÃO DE XEROX DOS GUERRILHEIROS, ZÉ DIRCEU, GENUINO E OUTROS E SEM ESQUECER DE XEROCAR O DA ESTELA COM SUA FICHA CRIMINAL, DOS ASSALTOS A BANCOS QUE FEZ A MÃO ARMADA, ALÉM DOS QUERTÉIS ASSALTADOS E ROUBADO ARMAS, E ESPALHAR PRA TODO CANTO PRA O POVO FICAR SABENDO QUEM O LULA ESTÁ COLOCANDO NO GOVERNO.

ENTREM NO GOOGLE, IMAGENS, E COLOQUEM. ZÉ DIRCEU GUERRILHEIRO. DILMA OU ESTELA GUERRILHEIRA, GENUINO GUERRILHEIRO E MUITOS OUTROS. PEGA A FOTO E MOSTREM PARA O POVO E EXPLIQUEMOS QUEM SÃO ESSES VAGABUNDOS QUE O LULA COLOCA NO PODER.

Aff Maria disse...

Atenção.

Mostem a ficha criminal da dilma pra todo mundo. vocês podem adquirir no google-imagens.

Aff Maria disse...

COMO FAÇO PRA COLOCAR UMA FOTO DA ESTELA GUERRILHEIRA, COM SUA FICHA CRIMINAL NESTE COMENTÁRIO??

AGUARDO RESPOSTA.

Val-André Mutran disse...

Boa noite Anônimo das 20:56.

O assunto é de uma gravidade permanente e levada nas coxas por todos os governos, de todas as instâncias do poder, desde que me entendo por gente.

A situação no futuro Estado do Carajás é de permanente tensão.

É a mesma região do Conflito de Eldorado do Carajás. Lembra?

Momento ímpar perde a CPT ao insistir em não sentar à mesa com um representante que esteja comprometido com os Direitos Humanos. Alguém diferente dos que estão por lá.

Porque hoje os Humanos Direitos, e vice-versa são apenas um jogo de palavras para a CPT.

Que Deus abençoe todos nós.

Não sou dono da razão.

Apenas tento me esforçar seguindo os sacramentos.

Mas, que a CPT não quer conversa, isso é público e notório nas bandas de lá e todos sabem.

Anônimo disse...

Grande Val, agradeço a oportunidade
que nos da em seu Blog, publicando nossos comentários. Sendo eu, um ex-petista, escandalizado com as diabruras dos governos do PT e MST, tentei dar uns pitacos contras as mazelas do PT no blog conversa afiada do Paulo Henrique Amorim, mas, não sabia que o mesmo é um petista ferrenho e de carteirinha. Não publicou meus comentários, que não eram ofensivos, somente críticos.
Imagine se eu fosse falar do MST e
da Pastoral da terra que não aceita dialogar nem com o representante dos direios humanos!
Diante disso, admiro muito sua imparcialidade e neutralidade e ao apoio que da a causa dos aposentados. Muito Obrigado.