Durval Barbosa: risco de ser "apagado"

Operador desde o governo Roriz, Durval Barbosa é um arquivo vivo pronto para ser "apagado" por seus desafetos. São muitos e de vários coturnos.

Ex-Delegado, considerado pelos colegas "linha de frente". Barbosa iniciou sua carreira na arte da corrupção, quando exercia o cargo na Polícia Civil do Distrito Federal -- a polícia judiciária -- mais bem paga de todo o país.

Poderia ter seguido carreira percebendo quase o mesmo salário de um ministro do Supremo Treibunal Federral, com mordomias incorporadas aos vencimentos, além do status de policial que resolve casos complicados e de grande comocão popular.

Ao contrário, enveredou-se nos subterrâneos do propinoduto e da corrupção.

Sua vida hoje é cercada por uma aparato de proteção que, não impede um atentado que possa calá-lo.

Conversando com um experiente político, figurante da lista dos 10 mais influentes do Congresso Nacional, o poster ouviu literalmente: "Agora não. Mas, esse sujeito está condenado a morte".

Em que prazo? Perguntei.

-- Não mais do que 2 anos. Disse, sêco, meu interlocutor.

Nenhum comentário: