Plebiscito no Pará – O descaso da elite

Por Olavo das Neves - de Santarém, nascido em Belém e filho de pais de Marapanim

Na última carreata do SIM em Belém ocorreu um fato que me marcou para toda vida.
Uma turma resolveu dar uma última volta na Doca (local conhecido de Belém) e eu estava sem acompanhante no carro, foi quando ví um senhor que aparentava uns 55 anos de idade, com rosto bem marcado, empunhando a bandeira do SIM, ali pedi que ele me acompanhasse para desfilarmos com aquela bandeira. O qual ele aceitou.
Ao entrar no carro ele perguntou quem eu era, foi quando o informei que meu nome era Olavo e era de Belém. Ele me olhou e, sem pestanejar, perguntou: - Rapaz, me explica uma coisa, porque em vários lugares que passei na carreata me apontaram o dedo dizendo coisas do tipo: Forasteiro, bandido, safado e ladrão? Sou sim do Rio Grande do Sul, meus traços não negam, e me casei com uma Marabaense, cheguei aqui tem mais de 30 anos, e hoje tenho 2 filhos paraenses. Com lagrimas nos olhos disse: - Sempre trabalhei na roça e escolhi este lugar para viver, onde criei meus dois filhos com muito sacrifício, e graças a Deus garanto que nenhum deu para bandido - Seu Olavo, disse ele, não sou safado não, em verdade quero apenas proporcionar uma vida melhor para os meus, e estou muito decepcionado e triste com o que fizeram comigo hoje. Vocês que moram na capital não conhecem a vida sofrida de quem mora lá. Fazia muitos anos que não vinha na capital e ser recebido assim me causou uma tremenda decepção.
Neste momento o interrompi e, emocionado também, pedi desculpas a ele por aqueles ignorantes que não sabem o mal que estão fazendo. Coloquei que acreditava na mudança e na solidariedade dos meus conterrâneos por uma luta que reconheço como legítima.
Esse testemunho, como disse, me marcou muito e fortaleceu ainda mais meus ideais de ajudar a emancipar ambas as regiões, o Tapajós e o Carajás.
Será que esse senhor é menos paraense que eu que nasci na capital? Será que este senhor merece ser discriminado desta forma? Será que é esse o bandido que Zenaldo diz que "emprestou" o quarto, como ele diz, para ele morar e agora quer roubar a casa?
Meus irmãos conterrâneos de Belém, vamos parar de hipocrisia e acordar para uma realidade que está posta aí antes mesmo de muitos de nós nascermos. Sinceramente acham que o interior que vai dar mais de 80% de adesão a emancipação dos Estados vão se curvar a uma sentença negativa proferida por nós da capital? Como continuar casado com alguém que não quer mais você? Em caso de vitória do NÃO, escrevam ai, essa situação ira se agravar ainda mais. Sou Belenense e meus pais de Marapanim, e todos nós, DIREMOS SIM A MUDANÇA, DIREMOS SIM A ESPERANÇA, DIREMOS SIM A UNIÃO DE 3 ESTADOS IRMÃOS.

Comentário do blog – Notei que alguns atos isolados de intolerância na campanha plebiscitária no Pará, partiu de setores da elite.
Foi pontual igual reação nos bairros periféricos, porque o sentimento de abandono e falta de perspectiva, une o povo do interior àqueles, numa só palavra: basta!
O pobre é solidário. O rico egoísta.
Da mesma forma que essa mesma elite não quis o debate, prescindiu seu direito inalienável de cobrar aos contendores sua própria realidade nua e crua, consolidada na falência, paulatina, de sua qualidade de vida como revelam os números a quem não for míope e apresentados na campanha.
O preço a pagar? Ninguém sabe.

4 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente o STF decidiu que todos os eleitores do Estado a ser desmembrado devam votar no plebiscito que propõe q criação de um novo Estado, isso reduz em 90% as possibilidades de se criar novos Estados no Brasil porque o eleitorado da região da capital é sempre maior que o das regiões a serem desmembradas, além de possuírem a máquina administrativa a favor da propaganda pelo não desmembramento. No caso da Pará ainda existem possibilidades de aprovação porque são duas regiões a serem desmembradas, mesmo assim se passar será por pouco. Vejo a decisão do STF como injusta pois permite que a população das regiões menos habitadas e que necessitam da emancipação fiquem a mercê da vontade da região da capital, injusta, também, porque quando da criação do Estado do Tocantins apenas a região a ser desmembrada votou no plebiscito, nós que estávamos na região da Capital (Goiânia e parte sul de GO) não votamos, assim, o Plebiscito que ensejou a criação do TO teve uma margem de tranquilidade porque era a vontade de quase a totalidade dos eleitores e população daquela região, outro motivo, para desmembramento de Municípios votam apenas os eleitores do Município a ser desmembrado e se a Constituição Federal estabelece que são entes da União: os Estados o DF e os Municípios então não é justo que seja dado tratamento diferenciado aos casos de desmembramentos de Estados e Municípios.

Val-André Mutran  disse...

A decisão do STF é matéria vencida, Anônimo das 11:44 AM.

Anônimo disse...

Uma bonita historia que apesar das interrogações não deixa de expor verdades porem também cria duvidas quanto a sua veracidade, salvo se foi um lindo rosto que fez tal convite!

Agora uma mentira pode ser comprovada Zenaldo falar que “emprestou” um quarto, muita cara de pau , todos sabem que ele não empresta nada para ninguém, nem de sua família pois ALUGOU uma casa sua para o irmão Guto fazer um comitê no bairro do Promorar, sei porque a dita casa e quase vizinha a de um cunhado meu!

Voto sim”77” para criação do Carajás , porem voto não “55” para criação do Tapajós ou Parazinho pois quero deixar essa turma federal (Zenaldo e Lira Maia) com seu grande território e velos acompanhar a evolução de uma potencia mineral e cultural pautada apenas nas decisões dos homens sérios que aqui habitam !

Val-André Mutran  disse...

Seu comentário é um belo recado Anônimo das 5:53.