A lição de Obama contra a ultradireita


O ex-presidente norteamericano Barack Obama ganhou ontem as manchetes dos jornais de todo o mundo após a repercussão de suas declarações sobre o conflito ocorrido na cidade de Charlottesville no último final de semana, que resultou na morte de uma mulher.

O vergonhoso evento foi patrocinado por grupos de extrema direita de supremacia branca, tais como:
Ku Klux Klan e organizações neo nazistas, que intensificam suas ações após o apoio político e financeiro ao candidato de ultradireita Donald Trump, –– filho –– de um notório membro da KKK.

A mensagem do ex-presidente americano mais popular das últimas quatro décadas, negro e de origem africana, acaba de tornar-se o tuíte mais curtido da história.

Publicado na noite do último sábado, 12/8, o post em questão de Obama no Twitter foi o primeiro de vários do ex-presidente dos EUA sobre os acontecimentos do final de semana na Virgínia.

Com mais de 3,6 milhões de curtidas, o tuíte utiliza uma citação atribuída ao ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela: “Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor sua pele, seu background ou sua religião” ("No one is born hating another person because of the color of his skin or his background or his religion...", no original, em inglês). E usa uma foto de Obama cumprimentando quatro crianças em uma janela.

Além disso, a mensagem em questão de Obama já possui quase 1,5 milhão de retuítes até o momento.

Para chegar a esse número recorde, o tuíte de Obama superou uma publicação feita há alguns meses pela cantora pop Ariana Grande logo após um ataque terrorista realizado durante um show seu em Manchester, na Inglaterra.

Defasagem tecnológica

Algumas empresas precisam de atualização tecnológica urgente, especialmente esses programas de pontos e de milhagem. É um absurdo a exigência da época do "homem das cavernas" só poder mudar ou resgatar a senha obrigatoriamente através de um telefone fixo. O Brasil é um país muito atrasado.