Pular para o conteúdo principal

Acossados pelos partidos , TSE volta atrás e envergonha a Nação

Foto: Ascom/TSE

Do Blog do Noblat

Depois do que acabam de fazer, como os doutos ministros do Tribunal Superior Eleitoral querem que as pessoas aqui de fora encarem doravante as decisões da Justiça em geral - e as deles em particular?
Elas continuarão encarando como sempre o fizeram: Justiça é a favor de quem tem dinheiro ou poder. Ou as duas coisas.
"A verticalização é uma instituição que está indo para o túmulo. Mudar agora seria alterar as regras do jogo". (Do voto do ministro Ayres Brito, do Tribunal Superior Eleitoral, justificando o recuo no caso do novo entendimento sobre a regra da verticalização adotado pelo tribunal na última terça-feira e abandonado há pouco.)
Cinco dos sete juízes voltaram atrás nos votos que haviam proferido há 48 horas. Faltam votar dois.
Por que Ayres Brito não concluiu na terça-feira que a verticalização estava indo para o túmulo e que mudá-la seria alterar as regras do jogo a poucos meses das eleições?
Somente hoje foi que ele e seus pares se deram conta disso? Foram iluminados de repente pelo Espírito Santo?
"Não posso me substituir ao Congresso Nacional e insistir na verticalização pura".
(Do voto que acaba de ler o ministro Marco Aurélio Mello, presidente do Tribunal Superior Eleitoral.)

Quer dizer: o tribunal desfará agora o que fez há 48 horas.
Marco Aurélio disse também: "A última decisão (a da terça-feira) é passível de falha".
Argumentou que o Congresso Nacional acabou com a verticalização. E que ela não valerá mais para as eleições de 2004 em diante. Daí por que não fazia sentido arrochar a regra agora.
Ora, e fazia sentido tê-la arrochado anteontem?
Estamos assistindo à desmoralização de ministros incapazes de sustentar por mais de dois dias uma decisão que se imaginava que havia sido tomada com consistência e seriedade jurídicas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AI 5 digital tucano é depenado

O projeto do AI 5 digital, de autoria do ex-senador e atualmente deputado federal tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG), foi drásticamente reduzido há pouco menos de quatro artigos da proposta original em tramitação na Câmara sobre crimes cibernéticos. A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, foi aprovada nesta quarta-feira (23) , mas sem a maior parte do seu conteúdo original. O relator, deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), defensor do substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 84/99, mudou de posição e defendeu a rejeição de 17 artigos da proposta reduzindo-o a 4 artigos.

O relator afirmou que a mudança foi necessária para viabilizar a aprovação da proposta. “A parte retirada precisa de aperfeiçoamentos, tanto para garantir que a liberdade na internet continue sendo ampla, quanto para ampliar os níveis de segurança dos cidadãos em uma norma que seja duradora e não fique obsoleta no curto prazo”, sustentou.

De acordo com Azeredo, os dispositivos retirados poderão …

Marconi Perillo e a desembargadora Beatriz Figueiredo Franco

Ag. Senado




















Certos apadrinhamentos políticos têm que ser defininitivamente desterrados da prática política republicana brasileira.

A justiça eleitoral do país tem nas mãos um caso em que a cassação e perda dos direitos políticos do senador e ex-governador por dois mandatos de Goiás Marconi Perillo é a punição exemplar a altura que o mau político merece após a revelação do escandaloso envolvimento com a desembargadora Beatriz Figueiredo, sua indicada ao desembargo no Tribunal de Justiça daquele estado.

Igualmente, a desembargadora tem que responder e ser for provado sua participação, punida exemplarmente. Um caso típico que deve ser analisado pelo Conselho Nacional de Justiça, caso a alta corte goiana faça corpo mole, como o fez a paraense no caso da juíza que se enrolou no caso da menor presa com homens numa cela pelo período de quase um mês.
Perillo e Franco foram pilhados em gravações autorizadas pela justiça as quais a revista Época teve acesso a trechos prá lá de comprometedores.

Num pr…

Porque Jânio Quadros condecorou Che Guevara

FUNDO DO BAÚ Blog do Chico Dias

A história vai do jeito que me foi contada por um ex-deputado do grupo janista. Que, por sua vez, a ouviu do ex-ministro Saulo Ramos, seu amigo, num momento de descontração e reminiscências.

Jânio acabava de assumir a Presidência da República e almoçava no Alvorada com José Aparecido, Carlos Castelo Branco e Saulo Ramos, seus assessores mais próximos. No meio do almoço seu ajudante-de-ordens veio lhe dizer que havia um importante telefonema dos Estados Unidos. O presidente vai até seu gabinete, demora alguns minutos e volta com uma expressão mais enigmática do que a de sempre. Diante da curiosidade indisfarçável dos três assessores, resolve abrir o jogo:

-Era o presidente Kenedy e queria me pedir um favor. Acho que vou atendê-lo.
O telefonema foi resumido assim. Kenedy explicou a Jânio que estava tentando aprovar no Congresso americano um projeto chamado Aliança Para o Progresso, mas que estava encontrando uma resistência muito grande.

Por isso pedia ao pres…