Pular para o conteúdo principal

Carta ao presidente Lula

Não costumo repassar nada de cunho político e nem religioso, mas, a carta é tão lúcida e tão justa, que não resisti.
Estou desolada com a situação do país, e percebo que minha desesperança tornou-se um sentimento comum aos brasileiros que conseguem olhar os fatos com isenção e distanciamento de suas creenças políticas.
Que Deus nos ajude e a este país que tem tudo para dar certo! Angela
Carta ao presidente

Por Teresa Maria Moniz de Aragão

Sr. Presidente,

O Senhor ficou triste com as vaias que levou, pois a minha tristeza é muito maior que a sua, quando vejo que o dinheiro da educação , da saúde, do saneamento básico, da habitação, direitos essenciais dos cidadãos está indo para o bolso dos corruptos.

Eu fico imensamente triste, com esses assassinos do povo brasileiro que ajudam a formar marginais e matam o povo de fome ao lhes negar direitos básicos: educação, alimentação, saúde, moradia, cultura, esporte e o mais importante: dignidade.

Senhor presidente, eu piro de tristeza ao ouvir de fontes seguras que foram gastos R$18 milhões só na Pira do Pan.

Senhor presidente, o senhor pode me prestar contas do que foi gasto no Pan?

Tenho fontes que me dizem que só a pira olímpica custou R$18 milhões... Isso é verdade? Pirei...

O transporte de um cavalo de salto do Rio a São Paulo custa R$400.

Fontes fidedignas me informaram que foi gasto com o transporte dos cavalos do aeroporto até Deodoro R$1 milhão. Adoraria saber que isto é mentira. Quem vai fazer a auditoria do Pan??? Muito tem se falado dos superfaturamentos e as concorrências sem licitação. Gostaria de saber a verdade das contas do PAN... Para onde foi o dinheiro dos meus impostos. Sr.Presidente, o que o senhor acha? É brasileiro que gosta de uma fofoca, ou todo boato tem um fundo de verdade? Dá para providenciar uma auditoriazinha básica nas contas do PAN??

O senhor acabou de criar um ministério, 600 cargos novos de DAS, para fazer o quê? Quem vai pagar essa estrutura toda? Eu e toda a classe média, né? Ai que tristeza...

O senhor não sabe como eu fico frustrada, magoada, e até choro, ao colocar na ponta do lápis todos os impostos altíssimos que eu pago a quantidade de meses que trabalho só para pagar imposto e não vejo retorno. Tanto eu quanto a diarista que trabalha em minha casa pagamos um plano de saúde privado,pois os hospitais do governo não atendem às necessidades da população, não temos segurança, saneamento básico, redes de esgoto suficientes, uma estrutura urbana decente, etc.

Quando a CPMF foi criada, o objetivo era resolver o problema da saúde do Brasil. Quando o ministro Jatene viu que só 2% da CPMF ia para a saúde, sentiu vergonha de ter que compactuar com a sujeirada que é a política brasileira e pediu demissão...Retirou-se da política para guardar sua dignidade. E está aí a CPMF, engordando as contas dos corruptos, está aí o sistema de saúde que conhecemos.

Quem tem o direito de estar mais triste, Sr. Presidente, o senhor que foi apenas vaiado, ou os trabalhadores, os pobres, e a classe média, que padecem com o descaso das autoridades?

E depois, Sr. Presidente, não foi o senhor quem deu dinheiro para fazer o Pan, fomos nós , brasileiros da classe média, que , com nossos impostos financiamos o Pan. Não tenho que me sentir agradecida ao senhor por algo que eu paguei. O senhor esqueceu que eu com meus impostos ajudei a pagar o Aerolula para o senhor vir assistir abertura do Pan? O senhor é quem tinha que se sentir agradecido a mim. A mim e a todos os brasileiros que pagam impostos.

Me entristece sua política assistencialista. Como diz o ditado chinês, o importante não é dar o peixe, mas ensinar a pescar. Com sua política assistencialista, os pequenos empresários têm dificuldades de assinar a carteira de seus empregados que não querem perder a bolsa família. Não é hora de investir na geração de empregos? Numa reforma agrária com agrovilas, cooperativas, escolas técnicas e um planejamento de produção agrária com técnicos especializados? Fico triste quando vejo um sem terra pegar sua terra recém conquistada, e vender na primeira oportunidade.

Fico triste quando vejo um sistema discriminatório de cotas para a universidade. O que é isto? O povo brasileiro não quer favor. Quer educação pública de qualidade. Com um ensino público de alto nível ninguém precisa de cota para entrar na universidade.

Me deixa triste, Sr. Presidente, sua conivência com as manobras políticas para encobrir a roubalheira e a falta de ética que se instaurou no Governo Brasileiro em todos os níveis, desde o mais o mais alto até o mais baixo escalão - Esses assassinos ainda não entenderam que estão matando o país e o povo brasileiro a cada dia.

Escutei de uma pessoa próxima a mim que a maior alegria do Pan foi poder vaiar o Presidente pessoalmente. Não fique triste, Sr. Presidente, o senhor deixou, por alguns momentos, 90 mil brasileiros felizes, dando-lhes a oportunidade de lhe vaiarem pessoalmente. Triste fiquei eu de não poder fazer parte deste coro de insatisfação.

Eu votei no senhor no seu primeiro mandato, e fui traída. A decepção venceu a esperança. E o medo também. O senhor está arrebentando com as finanças do país. Arrebentando com a classe média e com os pobres... Pois rico não paga imposto. Coitado do próximo governo.

Concluindo, se alguns consideram a vaia uma atitude deselegante, ela é, como o senhor mesmo disse, a expressão espontânea da democracia e muito mais deselegante ainda é o desrespeito ao povo brasileiro.

Me diga agora, Sr.Presidente, quem tem o direito de estar mais triste, eu ou o senhor?

Assinado, uma brasileira muito triste, mas muito triste mesmo.

Este texto foi escrito por um leitor do Globo Online. Quer participar também e enviaro seu? Clique aqui

Teresa Maria Moniz de Aragão - tricampeã brasileira da canoagem em águas brancas (1989, 1990, 1991) e medalha de prata no Pan-americano de canoagem modalidade descida (1990).

Comentários

Recado a um puxa-saco sem vergonha:
Ô palhaço, vá procurar com os teus um projeto de país seu imbecil.

Eu já tenho o meu.
O recado acima é para um palhaço, puxa-saco que enviou ofensas encoberto pelo anonimato. Esse safado, frouxo e patife, não tem coragem sequer de dizer quem é para que eu possa lhe ensinar a ser homem.
Anônimo disse…
Seja mais democrático, Sr.jornalista! O Presidente tem 68% de aprovação da população brasileira e não pode ficar sendo achincalhado e vaiado por uma Zefa Carioca qualquer.

Essa carta é um verdadeiro samba do crioulo doido, sem pé e sem cabeça, além de um amontoado de asneiras e as pessoas têm o direito de externar as suas opiniões contrárias à posição oposicionista do Blog e principalmente, à falta de respeito a maior autoridade do país.

Se os leitores são obrigados a dizer apenas amém à posição do Blog, então, para que Blog.

Blog pressupõe o debate democrático das idéias.
Abra o seu blog que entrarei nele me identificando e não me escondendo atrás de um anonimato covarde e imbecil.
Este espaço é meu e aqui não ouço pilhérias de ninguém.
Se quiseres me ofender te apresenta que te parto a cara seu safado.

Postagens mais visitadas deste blog

AI 5 digital tucano é depenado

O projeto do AI 5 digital, de autoria do ex-senador e atualmente deputado federal tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG), foi drásticamente reduzido há pouco menos de quatro artigos da proposta original em tramitação na Câmara sobre crimes cibernéticos. A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, foi aprovada nesta quarta-feira (23) , mas sem a maior parte do seu conteúdo original. O relator, deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), defensor do substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 84/99, mudou de posição e defendeu a rejeição de 17 artigos da proposta reduzindo-o a 4 artigos.

O relator afirmou que a mudança foi necessária para viabilizar a aprovação da proposta. “A parte retirada precisa de aperfeiçoamentos, tanto para garantir que a liberdade na internet continue sendo ampla, quanto para ampliar os níveis de segurança dos cidadãos em uma norma que seja duradora e não fique obsoleta no curto prazo”, sustentou.

De acordo com Azeredo, os dispositivos retirados poderão …

Marconi Perillo e a desembargadora Beatriz Figueiredo Franco

Ag. Senado




















Certos apadrinhamentos políticos têm que ser defininitivamente desterrados da prática política republicana brasileira.

A justiça eleitoral do país tem nas mãos um caso em que a cassação e perda dos direitos políticos do senador e ex-governador por dois mandatos de Goiás Marconi Perillo é a punição exemplar a altura que o mau político merece após a revelação do escandaloso envolvimento com a desembargadora Beatriz Figueiredo, sua indicada ao desembargo no Tribunal de Justiça daquele estado.

Igualmente, a desembargadora tem que responder e ser for provado sua participação, punida exemplarmente. Um caso típico que deve ser analisado pelo Conselho Nacional de Justiça, caso a alta corte goiana faça corpo mole, como o fez a paraense no caso da juíza que se enrolou no caso da menor presa com homens numa cela pelo período de quase um mês.
Perillo e Franco foram pilhados em gravações autorizadas pela justiça as quais a revista Época teve acesso a trechos prá lá de comprometedores.

Num pr…

Porque Jânio Quadros condecorou Che Guevara

FUNDO DO BAÚ Blog do Chico Dias

A história vai do jeito que me foi contada por um ex-deputado do grupo janista. Que, por sua vez, a ouviu do ex-ministro Saulo Ramos, seu amigo, num momento de descontração e reminiscências.

Jânio acabava de assumir a Presidência da República e almoçava no Alvorada com José Aparecido, Carlos Castelo Branco e Saulo Ramos, seus assessores mais próximos. No meio do almoço seu ajudante-de-ordens veio lhe dizer que havia um importante telefonema dos Estados Unidos. O presidente vai até seu gabinete, demora alguns minutos e volta com uma expressão mais enigmática do que a de sempre. Diante da curiosidade indisfarçável dos três assessores, resolve abrir o jogo:

-Era o presidente Kenedy e queria me pedir um favor. Acho que vou atendê-lo.
O telefonema foi resumido assim. Kenedy explicou a Jânio que estava tentando aprovar no Congresso americano um projeto chamado Aliança Para o Progresso, mas que estava encontrando uma resistência muito grande.

Por isso pedia ao pres…