Pular para o conteúdo principal

Cuba: Especial Correio Braziliense - Parte XII: PERFIL / RAÚL CASTRO - Pragmático, boa-praça e linha-dura

Raúl Castro é um linha-dura. Um comunista empedernido, que organizou e manteve a solidez ideológica revolucionária nas forças armadas de Cuba.

Raúl Castro é um boa-praça, que gosta de jogar conversa fora com os amigos, fumar cigarros fortes (Marlboro, na intimidade, Populares, nas ruas), beber muitos drinques à base de rum e de falar sobre as façanhas dos filhos e netos.

Essas são duas das muitas facetas que o irmão de Fidel apresenta. Ele também é definido como um grande administrador, um chefe que prefere a dura realidade dos fatos e não se deixa engabelar por relatórios otimistas (e falsos) de seus subordinados. A bem da verdade, Cuba, hoje, é em boa parte produto do seu trabalho. Fidel era a ideologia. Raúl transformava em prática o sonho socialista. O paralelo mais próximo seria a dupla chinesa Mao Tse tung e Deng Xiaoping: um mental, outro pragmático.

O carisma de Fidel deixou o irmão na sombra, o que não diminui sua importância histórica. Foi, junto com Cienfuegos e Che Guevara, um dos comandantes da Revolução Cubana. Ele assumiu o controle das forças armadas e se aproximou da União Soviética, para obter armas e instrutores militares. Em pouco mais de um ano, conseguiu rechaçar, em abril de 1961, a invasão da Baía dos Porcos, ataque patrocinado pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) e executado por exilados cubanos treinados e equipados por agentes norte-americanos.

Mísseis cubanos
A invasão marcou uma virada. Até aquele momento, Fidel se recusava a assumir o marxismo-leninismo, defendido, desde o início da revolução, ainda em Sierra Maestra por Raúl e por Guevara. O ataque foi o elo que faltava para forjar uma aliança com o regime soviético. Mais uma vez, o irmão mais novo do líder cubano teve um papel primordial. Coube a ele fechar o acordo que permitiu a Moscou montar bases de mísseis balísticos de alcance médio (IRBM) na ilha.

Em outubro de 1962, aviões de espionagem U-2 fotografaram a instalação desses artefatos, que quebravam a vantagem norte-americana na Guerra Fria. Até então, Washington tinha uma vantagem: os mísseis soviéticos necessitavam de 20 minutos para atingir seus alvos. A força aérea e a marinha dos Estados Unidos, que possuíam armas na Europa, na Turquia e em submarinos nucleares, precisavam de apenas quatro minutos. Com os IRBM em Cuba, o placar da destruição virava a favor de Moscou.

O presidente dos EUA, John F. Kennedy, decretou um bloqueio à ilha e o mundo esteve próximo de uma guerra nuclear. No final, chegou-se a um compromisso: os norte-americanos retiravam seus mísseis da Europa em troca do desmantelamento das bases de IRBM. Também ficou acertado que jamais atacariam Cuba.

Raúl também esteve presente na política africana durante as décadas de 1970 e 1980. Graças a ele, o governo do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) conseguiu se manter no poder, rechaçando, com a ajuda de soldados cubanos, duas frentes de invasão a partir do Congo (pela Frente Nacional de Libertação de Angola, FNLA, de Holden Roberto) e da Namíbia (pela União para a Independência Total de Angola, Unita, de Jonas Savimbi).

Hoje, depois da desintegração da União Soviética, Raúl é o principal defensor de um alinhamento com a República Popular da China, que usa como exemplo das reformas que pretende implementar em seu país. Vários programas entre os dois países estão em curso, inclusive a reestruturação completa das ferrovias, dos portos e dos transportes públicos urbanos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AI 5 digital tucano é depenado

O projeto do AI 5 digital, de autoria do ex-senador e atualmente deputado federal tucano Eduardo Azeredo (PSDB-MG), foi drásticamente reduzido há pouco menos de quatro artigos da proposta original em tramitação na Câmara sobre crimes cibernéticos. A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, foi aprovada nesta quarta-feira (23) , mas sem a maior parte do seu conteúdo original. O relator, deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), defensor do substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 84/99, mudou de posição e defendeu a rejeição de 17 artigos da proposta reduzindo-o a 4 artigos.

O relator afirmou que a mudança foi necessária para viabilizar a aprovação da proposta. “A parte retirada precisa de aperfeiçoamentos, tanto para garantir que a liberdade na internet continue sendo ampla, quanto para ampliar os níveis de segurança dos cidadãos em uma norma que seja duradora e não fique obsoleta no curto prazo”, sustentou.

De acordo com Azeredo, os dispositivos retirados poderão …

Marconi Perillo e a desembargadora Beatriz Figueiredo Franco

Ag. Senado




















Certos apadrinhamentos políticos têm que ser defininitivamente desterrados da prática política republicana brasileira.

A justiça eleitoral do país tem nas mãos um caso em que a cassação e perda dos direitos políticos do senador e ex-governador por dois mandatos de Goiás Marconi Perillo é a punição exemplar a altura que o mau político merece após a revelação do escandaloso envolvimento com a desembargadora Beatriz Figueiredo, sua indicada ao desembargo no Tribunal de Justiça daquele estado.

Igualmente, a desembargadora tem que responder e ser for provado sua participação, punida exemplarmente. Um caso típico que deve ser analisado pelo Conselho Nacional de Justiça, caso a alta corte goiana faça corpo mole, como o fez a paraense no caso da juíza que se enrolou no caso da menor presa com homens numa cela pelo período de quase um mês.
Perillo e Franco foram pilhados em gravações autorizadas pela justiça as quais a revista Época teve acesso a trechos prá lá de comprometedores.

Num pr…

Porque Jânio Quadros condecorou Che Guevara

FUNDO DO BAÚ Blog do Chico Dias

A história vai do jeito que me foi contada por um ex-deputado do grupo janista. Que, por sua vez, a ouviu do ex-ministro Saulo Ramos, seu amigo, num momento de descontração e reminiscências.

Jânio acabava de assumir a Presidência da República e almoçava no Alvorada com José Aparecido, Carlos Castelo Branco e Saulo Ramos, seus assessores mais próximos. No meio do almoço seu ajudante-de-ordens veio lhe dizer que havia um importante telefonema dos Estados Unidos. O presidente vai até seu gabinete, demora alguns minutos e volta com uma expressão mais enigmática do que a de sempre. Diante da curiosidade indisfarçável dos três assessores, resolve abrir o jogo:

-Era o presidente Kenedy e queria me pedir um favor. Acho que vou atendê-lo.
O telefonema foi resumido assim. Kenedy explicou a Jânio que estava tentando aprovar no Congresso americano um projeto chamado Aliança Para o Progresso, mas que estava encontrando uma resistência muito grande.

Por isso pedia ao pres…