O protagonismo do ambientalismo espataculoso preocupa-se com o ser humano apenas a longo prazo

Redefinição dos limites de Jamanxim

Há pouco mais de três anos, o governo federal criou um bloco de áreas protegidas de 2,8 milhões de hectares no eixo da BR-163 (que cruza Pará e Mato Grosso de norte a sul) com o propósito de barrar o avanço do desmatamento, tendo em vista benefícios à biodiversidade e à coerência do Brasil em fóruns internacionais, quando diz que está comprometido com redução de emissões de gases oriundos de queimadas. Mas a saúde da floresta indica que a opção do país ainda é outra.

Dos 1,3 milhões de hectares da Floresta Nacional do Jamanxim, cerca de 12% já foram desmatados, algo como 150 mil hectares. Segundo informações das equipes de fiscalização, praticamente metade do que foi convertido não deu lugar a produções agropecuárias. As terras estão simplesmente abandonadas.

Foi nesse cenário, no meio da Floresta, no Pará, chamados pelo Governo Federal para “integrar, para não entregar” que uma leva de migrantes brasileiros se estabeleceram há mais de 30 anos para construir suas vidas e agora veem-se na condição de réles criminosos. Destruidores do meio ambiente. Perigosos elementos infiltrados para destruir a mata e suas riquezas.

Num texto assinado por Andreia Fanzeres, para o site ambientalista O Eco coloca o problema sem nenhum pudor da motivação que move seus patrocinadores.

É leitura obrigatória para quem quer pesar os dois lados da questão. Ressaltando-se que a maioria dos leitores sequer imaginam o que é viver na mata, construir algo para sua família, conseguir sobreviver nessa região inóspita e ter suas vidas arruinadas por uma política ambiental que se lixa para o povo.

O governo Lula está colocando o país para trás. Vale tudo pelas alianças. Perdeu-se o PT, perde-se o presidente e seu doidivanas Minc.

2 comentários:

William Guimarães disse...

É isso mesmo Val-André,
Enquanto não colocarmos realmente a sobrivência humana antes, estaremos cometendo um crime bem grande, principalmente contra os que aqui estão, na Amazônia...
Quando olho pro mapa do microzoneamento da BR-163 sempre me pergunto: Caramba, mas só tem isso de área útil? porque se você olhar o que tem pintado de amarelo é bem pouco...
Mas parece que, como falas, o nosso governo, pra ficar "bem na foto" com os gringos vende até as almas dos que aqui estão...
Vamos continuar resistindo! e brigando pelo que foi prometido ha tempos (+50% de floresta pra quem abrir 50%), e olha bem, não tinha limite, o dito "latifundio" de hoje era o desejo governamental de antes...
E dessa forma, lá vem o Brasil, descendo a ladeira...

Sidclay disse...

Caros amigos,

Esse assunto é tratado de forma tão incoerente, tanto pelos defensores da natureza, como pelos proprietários das terras, sejam elas doadas, compradas, griladas, enfim...
Enquanto isso o povo, apesar de todas as políticas sociais, dos bilhões gastos com saúde, continua morrendo de fome ou aguardando atendimento médico, e isso em todos os estados de nossa nação.
Trabalhar mais em prol de nossa população tão sofrida, é isso que nossos políticos precisam fazer com urgência, dos vereadores aos senadores.
Sem demagogia, fazer o que os eleitores esperam que eles façam, sem se preocuparem se suas ações agradam ou não seus partidos, suas coligações, enfim, pensar e agir da melhor forma possível para os brasileiros de hoje e os de amanhã.
Abraços!!!