Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Cobiça Internacional

Em reunião em Londres, em maio, Príncipe Charles revela planos para ‘proteger a floresta amazônica.

BRASÍLIA — Verão de 1969, apartamento de Hanbury-Tenison, Londres. Maio de 2008, Clearence House, residência do Príncipe Charles, Londres. São 39 anos de uma reunião para outra. Aí você pode se perguntar: o que isso tem a ver com a Amazônia? Tudo. O establishment inglês cria nesse primeiro encontro a organização não-governamental (ONG) Survival Internacional. Sua finalidade expressa: criar no Brasil o Parque Ianomami.

Quatro décadas depois, o príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, reúne autoridades e parlamentares da Amazônia com representantes de instituições financeiras e das indefectíveis ONGs. Discutiram-se ali temas relacionados diretamente com a região: agricultura, meio ambiente, infra-estrutura, finanças, saúde, e educação. Charles é mais ousado. Oferece-se para ser uma espécie de interlocutor privilegiado entre as personalidades brasileiras envolvidas nas questões amazônicas e as lideranças britânicas interessadas na ‘proteção’ da floresta amazônica.

Ali estavam present…

Artigo – Uma aventura na fronteira da Amazônia brasileira

Cadê os caras-pintadas, que não são índios?
Essa celeuma sobre os índios me fez lembrar anos passados, final de 1965. Eu servia no Recife, tenente do glorioso Exército Brasileiro, em plena "Revolução".

Naquela época na escala de valores dos puxa - sacos de plantão nos quartéis, um tenente valia mais que seis deputados e dois senadores. Viviam me convidando para festas em belas casas e apartamentos da doce burguesia pernambucana. Às vezes eu era centro de atração, queriam saber historias de presos políticos que há pouco tempo governavam o Estado e Capital.

Eu estudava à noite Engenharia, mas sobrava tempo para namoros e incursões nas boates, na boemia do Recife. Era uma vida gostosa para um jovem de 25 anos.

Certo dia foi publicada no Noticiário do Exército minha transferência para a fronteira da Amazônia, ainda hoje não sei se por castigo. Solteiro, não tive pressa, o jeito era relaxar e gozar, como diria a perua-mor da República, Marta Suplicy.

Preferi viajar de navio. Peguei u…