Datafolha confirma crescimento de Alckmin


O candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin avançou nas intenções de voto em todo o Brasil.
Confira os detalhes aqui

Alckmin: começou a reação

Vox Populi: vantagem de Lula sobre Alckmin cai pela metade
Diário do Grande ABC
Pesquisa Vox Populi que será divulgada nesta sexta-feira pela revista Carta Capital mostra que caiu pela metade a vantagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, nas intenções de votos. Lula aparece com 45%, quatro pontos a menos do que na pesquisa anterior, enquanto o ex-governador paulista subiu de 23% para 32%.
Com isso, a vantagem de Lula sobre Alckmin caiu de 26 para 13 pontos percentuais. Num eventual segundo turno, a distância entre os dois candidatos foi reduzida de 19 para 8 pontos percentuais.
O Vox Populi entrevistou 2 mil pessoas entre os dias 22 a 24. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais para mais e para menos.

Ninguém ferido. Estamos on line...

...Afinal, ninguém ferido, segundo as últimas do jornalista Waldir Silva.
O blog agradece a generosidade do colega da capital mundial do minério, ex-editor do jornal Correio do Tocantins, em Marabá, do amigo Mascarenhas Carvalho, e despede-se.
Registro feito, missão cumprida para bem informar.
Espero que apesar do episódio, os leitores saibam diferenciar, o embate político que já começou.
Que vença o melhor!

Pelica. O blog está on line com a fonte...

...Ainda segundo o jornalista Waldir Silva, o governador teria esquecido que a prefeitura de Darci Lermen dá todo apoio ao governo do Estado nos setores de educação e segurança pública, oferencendo toda infra-estrutura aos policiais civis, militares e bombeiros, oferecendo combustível, pessoal e outros apoios...

Será que foi punição? Estamos on line...

...Embora tenham sido recebidos pelo vice-prefeito Moisés Gomes de Freitas (PSC), Jatene, Faisal e Couto alfinetaram a administração de Darci José Lermen (PT), criticando a educação no município.

Bem acompanhado...

Acompanhado do deputados estaduais Faisal Salmen e Mário Couto, o governador desabou do palanque quando discursava para um público aproximado de 300 pessoas no bairro da Paz.
Segundo relato do jornalistaWaldir Silva, o palanque foi improvisado e, por causa de granda falha da segurança, o palanque desabou com todos que estavam do lado das autoridades.

Jatene ruiu! Notas on line

O governador paraense, Simão Jatene (PSDB), tomou um susto que testou seu coração numa prova maior que um jogo de final de Copa do Mundo, com o Brasil enfrentando seu adversário.
Em linha direta com o blog, o jornalista Waldir Silva, de Parauapebas, sul do Pará, informa ao blog que: o governador dos paraenses, vindo diretamente da Itália, desembarcou em Parauapebas por volta das 9h20. Foi ao município para "inaugurar" uma escola que vem funcionando desde fevereiro deste ano e "entregar" documentos dos lotes do bairro da Paz, desapropriado há mais de dez anos.

Precisão

Tempo é dinheiro. Clique aqui e tire suas dúvidas de quem é quem na disputa política do Pará.
Se você é do tipo teimoso, sem problema! Navegue, de preferência com acesso discado, e, volte ao Quinta Emenda.
Com alguns reais a menos em seu bolso, conversaremos lá como evitar desperdícios.

Programão se você estiver no Pará? Um rolê no endereço das convenções...

...Se acordar de ressaca! Melhor ainda. Tome um táxi, de preferência na frente de seu Hotel e peça ao motorista para tocar ao Centro. Lá, você encontrará funcionando plenamente, uma barraquinha com tacacá e outras convidativas opções de bolos e tapioquinhas, de maneira a curar-te da manguaça da noite anterior.
Vá, amigo turista. Espero, portanto, que os jornais da cidade, logo cedo, possam informa-lhe, onde se dará o endereço de cada uma das convenções.
Torça também, para que nesses endereços, você veja, o que não verá na campanha: assistir gratuitamente, um show do legítimo brega paraense e suas variantes: o techno brega, a guitarrada, e, quem sabe: o carimbó.
Vá lá meu amigo. Não importa se você entende de política. Mas, aviso-lhe: amanhã, não haverá programa melhor na cidade das mangueiras.

O pri e o fona

Interessante exercício de adivinhação está publicado no site Congresso em Foco dos prováveis líderes em intenções de voto Brasil afora.
No Pará a publicação arrisca o seguinte contexto:
A disputa pelo governo do Pará está polarizada entre PT e PSDB. Os tucanos escolheram o nome do ex-governador Almir Gabriel, que será apoiado por uma coligação integrada por mais de 15 partidos. Gabriel tenta retornar ao governo do estado pela terceira vez.
O PT ainda não definiu quem será o candidato do partido para disputar o governo do Pará. O nome do deputado estadual Mário Cardoso foi escolhido, durante um encontro do partido em maio deste ano, por mais de 400 lideranças locais. No entanto, a senadora Ana Júlia Carepa manifestou vontade de concorrer ao governo do Pará. Segundo a assessoria de imprensa da senadora, Ana Júlia foi carregada nos braços na convenção estadual do PT por pessoas que querem a sua candidatura.
O presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, já disse que o diretório nacional do partido não vai interferir na decisão do diretório do Pará. O PT ainda tenta conseguir o apoio do PMDB, com Jader Barbalho disputando uma vaga para o Senado.

Confira aqui.

PSC rejeita proposta de Garotinho em Convenção Nacional

A Convenção do Partido Social Cristão (PSC), presidido no Pará pelo deputado Federal Zequinha Marinho, rejeitou a tese dos aliados do ex-governador do Rio Anthony Garotinho e não lançará candidato a presidente.
O partido optou pela liberdade em realizar alianças regionais.
O evento ocorreu na manhã de hoje no Hotel Kubitschek Plaza em Brasília (DF), reunindo a cúpula do partido e militantes de todo o país.

Lula quer PMDB e PT contra tucanos no Pará

Fonte do titular deste blog garante que Lula quer o PT aliado do PMDB contra Almir Gabriel no Pará.
Obedece quem tem juízo.
Aos desavisados: não se trata de "balão de ensaio".

Entrevista com o velho professor

Entrevista

São Paulo - Aos 81 anos, lúcido e com saúde, Aziz Nacib Ab'Sáber, o geógrafo e professor brasileiro. É um dos mais respeitados geomorfologistas do Brasil, sendo o primeiro a classificar o território brasileiro em domínios morfoclimáticos e a desenvolver a teoria dos redutos seguindo a linha de pensamento da teoria da evolução das espécies, do biólogo inglês Charles Darwin. Concedeu a seguinte entrevista em São Paulo, onde abordou com precisão o problema das queimadas, Amazônia...dentre outros assuntos.
Aziz Ab’Sáber afirma que nessa idade não poderia fazer tantas viagens à Amazônia.

"Mas faço e farei até morrer."

E é dele, um dos principais estudiosos da maior floresta tropical do mundo, que vem duras críticas à política ambiental do governo Lula. Não só pela recente divulgação de mais um recorde na taxa de desmatamento, mas também pela falta de planejamento para combater o problema.

"Como pensar otimistamente nos próximos tempos se tudo está em dinâmica desastrosa, devastadora e à custa de uma ignorância generalizada."

Nessa entrevista, o professor da Universidade de São Paulo chama atenção para o "governo paralelo" que se criou na Terra do Meio, no sul do Pará.

Há algum tempo, visitou a região e viu como fazendeiros e madeireiros desfilavam durante horas pela Transamazônica com bandeiras em grupos numerosos para amedrontar a população.

"Aqueles mesmos que dizem a propriedade é minha, e eu faço com ela o que quiser, como quiser e quando quiser pensando já no futuro do processo devastador." Para Ab’Sáber, o governo precisa agir já.
Leia abaixo os melhores trechos:

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) justifica que a taxa de desmatamento foi contida, já que poderia ter sido muito maior porque houve um ano de crescimento econômico da ordem de 5%. O sr. se convence com a explicação?

Não posso discutir as desculpas e os argumentos que o MMA tem em relação ao gravíssimo problema da ampliação da devastação da Amazônia. Eu fico psicologicamente muito arrasado de falar da Amazônia na atual conjuntura. Quem não tem ética com o futuro e capacidade de pensar o futuro em diferentes níveis e profundidades de tempo, deixa que a devastação aconteça. E aí ficam justificando: "Ah, estatisticamente aconteceu isso, por isso." Só que o "por isso" é a conjuntura da economia de fazendeiros, madeireiros e agricultores em ganhos rápidos e imediatos e o futuro que se dane.

Onde o governo erra nessa questão?

Em primeiro lugar há que se pensar num governo capaz de ter um pensamento e um conjunto de estratégias para as questões nacional, regional e setorial. No caso do Brasil, estamos tendo um esforço para pensar o internacional, mas com excesso de visitas e pouco cuidado com o regional. Acharam que era possível fazer viagens custosas, levando um grande número de pessoas para conhecer outro país distante, que pode ou não ofertar vantagens econômicas. Enquanto isso deixam acontecer tudo o que as circunstâncias internas permitem.
Gostaria de dizer também que os membros do segundo escalão do governo Lula deveriam ter um melhor conhecimento com os fatos relacionados à tropicalidade. No caso da Amazônia, é uma área quente e úmida e está sob aquilo que muitos pesquisadores chamam de invasão capitalista. Os cientistas, jovens geógrafos e promotores sabem que nosso tempo todos os espaços viraram mercadorias. É preciso pôr isso na cabeça dos governantes brasileiros. Houve uma invasão permitida pela ignorância dos governos que sucederam desde o início da construção da Belém-Brasília, depois a Transamazônica e as outras estradas que rasgaram o coração das selvas.

Quem vem promovendo a invasão da floresta?

Foram vários ciclos sucessivos. Primeiro a agropecuária, depois as madeireiras, logo agora a soja e no intervalo de tudo isso os negócios amazônicos. Um político que enriqueceu muito rapidamente e outros grupos que estão até nos governos estaduais, filhos deles, eles justificam suas riquezas pelos negócios da Amazônia. E o governo não tem noção do que seja isso. Está acontecendo no centro sul do Pará, naquela chamada Terra do Meio, um verdadeiro governo paralelo por parte dos fazendeiros, madeireiros, dos que estão preocupados com devastação para eventual produção da soja.

O governo tem medo, interesses particulares ou não sabe como atuar em áreas de conflito como no sul do Pará? O que fazer na Terra do Meio?

No Brasil só se esboçaram dois Estados paralelos, perigosíssimos e que precisam de uma atenção estratégica. A região do narcotráfico no Rio de Janeiro e a Terra do Meio. Não posso dizer (o que fazer). Se disser, alguém vai dizer que está tudo errado. Eles (o MMA) só respeitam o planejamento estratégico pagando e pagando muito para imbecis. Não vou dizer quais são as soluções, porque não adianta coisa nenhuma perante o ideário vigente na administração federal.

Este governo criou 7,7 milhões de hectares de unidades de conservação, boa parte para frear a fronteira agrícola. É uma boa solução ou só vai criar novas frentes em outras partes da Amazônia?

O grande problema que o governo não entendeu é o seguinte: no caso de algumas reservas particulares que foram pensadas em termos de uma exploração auto-sustentável, a situação mudou muito porque elas estavam inseridas dentro de um corpo territorial contínuo. Com a devastação que houve, aqui e acolá, a coisa mudou muito. As reservas extrativistas que tentaram ser organizadas sozinhas não valem muito. Nem para a economia regional, nem para o futuro.

Qual a sua avaliação da equipe do MMA?

Não posso dizer mais para um jornal da importância do Estado, porque teria de me referir a nomes de pessoas, a ignorantes que foram colocados dentro do MMA, e não conhecem a Amazônia e ficam projetando coisas. Fazer concessões de Flonas (Florestas Nacionais) para ONGs estrangeiras... Deus meu, que ignorância. Alugar por 30 ou 60 anos é uma das mais terríveis propostas contra a soberania brasileira na Amazônia. Poucos dos que fizeram essa estupidez de propor aluguel de florestas nacionais para particulares de qualquer instância estarão vivos para responder por seus projetos esgarçados.

Qual é o risco?

Em 30 ou 60 anos, as Flonas poderão ser exploradas em qualquer nível sem que haja gerenciamento real, da maneira pela qual vão trabalhar explorando madeiras e podendo explorar tudo aquilo que fizeram, porque alugaram e pagaram. Estamos numa situação desesperadora. A conjuntura internacional está de olho numa região de um país imenso como é o Brasil e parece que os governantes não têm idéia disso.

Até que ponto a chamada internacionalização da Amazônia o preocupa?

Lá fora, quando qualquer membro do governo faz algumas pressões no sentido de ter alguma presença internacional, eles respondem com as seguintes frases: "O governo brasileiro não tem condições de gerenciar a Amazônia." Isso é muito triste, muito dramático. Se não houver um nível de esclarecimento e conhecimento integrado, se não existir uma política estratégica para gerenciar a Amazônia e impedir qualquer embrião de Estado paralelo, estaremos com a nossa soberania ameaçada permanentemente.

O governo tem cerca de 30 grandes projetos de infra-estrutura na Amazônia legal. O sr. teme os impactos dessas obras na região?

Como construir isso linearmente esquecendo as regiões que formam o todo? Existe uma preocupação com velhos projetos no Brasil. Primeiro a transposição das águas do São Francisco. Dizem: "Vai resolver o problema do semi-árido brasileiro." Sobre isso não digo mais nada, porque já chamei a atenção rigorosamente científica e as respostas são rigorosamente políticas. Outro projeto é fazer a ligação do Acre com o Pacífico. Projeto mal-estudado por todos e no presente momento desastroso, porque seria apenas uma rota da madeira para o Oriente.

Falta ética com o futuro...

Essa ética com o futuro tem de ser melhor colocada na cabeça dos governantes, do primeiro, segundo e terceiro escalões. Houve um rapaz que está dentro do MMA que perguntado numa TV se conhecia a Amazônia, porque estava forçando o problema dos aluguéis das Flonas e da concessão para ONGs estrangeiras, ele respondeu assim: "Ah, eu fui até o Amapá." A Amazônia com 4,2 milhões de quilômetros quadrados, e a justificativa dele é que foi até o Amapá? Por acaso estava pesquisando com pessoas muito importantes que queriam conhecer um pouco da Amazônia, dos grupos indígenas remanescentes do Amapá, e vi onde essa pessoa esteve. Era uma reunião de ONGs. É assim que se conhece a Amazônia?

O sr. tem alertado o governo?

Um dia a dona Marina (Silva, ministra do MMA) teria dito, segundo me contaram, que ela precisava forçar o encaminhamento da concessão do aluguel de Flonas, e alguém disse que precisavam consultar o doutor Aziz. Aí ela disse: não dá tempo de convencer o doutor Aziz. É assim que funciona assim lá em cima. Não posso ficar falando essas coisas, porque não tenho vontade de citar nomes. Se fosse citar nomes, meu Deus, (o secretário de Biodiversidade e Florestas, João Paulo) Capobiancos, Tassos Rezendes (gerente de projetos) e muitos outros que estão lá. E dentro do Ibama grandes problemas também, apesar de que o presidente do Ibama (Marcus Barros) é alguém que sempre respeitei muito. Não existe política estratégica dentro do Ibama capaz de gerenciar todo esse caos.

O sr. tem mais preocupação com a pressão de grileiros, madeireiros e fazendeiros ou a de ONGs?

Tenho impressão de que as ONGs deixaram de ser organizações não-governamentais para ser governo. É o caso do MMA, que foi inundado por ONGs. O marido da dona Marina Silva (Fabio Vaz de Lima) foi presidente das ONGs amazônicas. Tenho muito receio das ONGs, tanto as internas quanto as possíveis externas que nunca entenderam o mundo tropical e dentro do tropical um país como o Brasil com um regional diferenciado. Alguém disse, lá no MMA, que esses paulistas esqueçam a Amazônia e passem a pensar na despoluição do Rio Tietê, como se o ministério não tivesse que pensar em tudo. Você está me obrigando a dizer coisas que não gostaria de dizer...

O sr. é partidário da tese de buscar desenvolvimento mantendo o máximo da floresta intacta...

Pensar um desenvolvimento com o máximo de floresta em pé significa o máximo de biodiversidade conservada e in situ. Do chão até o dossel. Passei pelo Estreito de Breves (no Pará), numa das caravanas da cidadania (organizadas pelo então candidato do PT Luiz Inácio Lula da Silva), quando meditei muito sobre meu País - foi inútil, aparentemente. Passei numa madeireira na região e estavam desenrolando troncos gigantes para fazer placas e vender para o exterior. Fui num estacionamento, no fundo, e comecei a olhar os cortes dos troncos pensando em quantos anos levaram para crescer aquelas árvores. Uma delas tinha 1 metro e 65 centímetros de diâmetro. Aí comecei a contar os anéis de crescimento e tive de parar. Ia dar uns 500, 600 anos. E há brasileiros que dizem "pode cortar uma árvore se plantar uma outra". Estamos no campo da ignorância.

Como estudioso da Amazônia e professor, que nota daria ao governo Lula na questão ambiental?

Olha, não quero ferir a dona Marina e não quero ferir o governo Lula, mas é claro que a nota é muito baixa.

O sr. já propôs saídas para a Amazônia para este governo?

Fiz um zoneamento da Amazônia em 23 células espaciais, sugerindo ao governo que fizesse uma reunião em Brasília para encontrar um método de estudo para cada uma dessas regiões e entender a situação delas em termos das poucas atividades urbanas, das que têm verdadeiras capitais regionais funcionando mais para os madeireiros do que para qualquer outra coisa, das doenças tropicais e das locações de cada célula espacial. Enviei uma carta ao presidente Lula logo que foi eleito. Nenhuma resposta.

Lúcio Flávio errou feio

A última análise do cenário político paraense da lavra do jornalista Lúcio Flávio Pinto, peca por uma série de retumbantes precipitações e distanciamento dos fatos. Leia a análise aqui.
Rigorosamente, as pesquisas não registradas - uma das fontes que o jornalista baseou suas elocubrações - por exemplo, apenas são acessórios para uma tomada de decisão e, componente na órbita dos arranjos e conchavos que seguem, com movimentos de todos as peças do tabuleiro. O componente da decisão de Brasília pesa, claro; mas, não leva.

Melhor ministro de Lula entrega o boné

Triste fim do governo Lula, que, em tempos de Copa do Mundo, começou com um timaço (opinião dele) e termina mais ou menos como a seleção de Togo na Copa 2006. Falta de credibilidade gera isso.
O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, pediu demissão do cargo. Alegou problemas particulares (sua mulher está doente).
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceitou o pedido e Rodrigues deve ficar no posto só até sexta-feira, dia 30 deste mês. A cadeira passará então a ser ocupada por um técnico, até o início do próximo mandato.
A saída de Rodrigues é um revés para Lula. Trata-se de mais um de seus ministros considerados operativos que sai do governo. O petista terminará o mandato com um grupo de assessores diretos desconhecidos do grande público, bem diferente da seleção prometida no início da administração.
Por outro lado, se Lula de fato for reeleito, estará com o ministério vazio para loteá-lo para os partidos que pretende atrair para uma grande aliança futura.

Rumores

Os rumores de que as pesquisas de intenção de voto à presidente da República apontarão o crescimento da candidatura de Geral Alckmin, já causou o primeiro resultado: uma crise de urticária em vários oráculos da publicidade encarnada.
Leia mais aqui.

Pisou, dançou!

PEC cria voto de desconfiança para destituir o presidente
Agência Câmara
Tramita na Câmara a Proposta de Emenda à Constituição 540/06, do deputado André Costa (PDT-RJ), que torna possível a perda do mandato do presidente da República se ele trair a confiança popular na execução do programa de governo apresentado nas eleições. Segundo a proposta, esse ato passa a ser considerado crime de responsabilidade, assim como atentar contra a Constituição, a probidade administrativa ou a segurança interna do País, entre outros. No caso especificado pela PEC, o processo de perda de mandato só poderá ser instaurado um ano depois da posse do presidente, por voto da maioria absoluta do Congresso Nacional. Além disso, a perda do mandato presidencial estará sujeita a referendo popular.
O objetivo de André Costa é instituir no regime presidencialista a figura do voto de desconfiança, que, no parlamentarismo, permite ao Parlamento destituir o primeiro-ministro e seu gabinete por desaprovar sua política de governo.
Tramitação - A proposta tramita apensada à PEC 303/04, do deputado Michel Temer (PMDB-SP), que trata de tema semelhante, e terá sua admissibilidade analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Caso aprovada, será criada uma comissão especial para analisar o seu mérito.

E lá se foi Cidão

Sem qualquer alarde da imprensa, faleceu no domingo, 25/6, Alcides dos Santos Diniz. Cidão, como era chamado, tornou-se muito conhecido quando resolveu se desvincular do Grupo Pão-de-Açúcar. Um dos melhores jogadores de pólo do Brasil, viu-se envolvido também em muitas polêmicas, entre elas a Operação Uruguai, que tentou livrar a cara do amigo, o então presidente Fernando Collor de Melo de denúncias de corrupção.
Deixa os filhos Luiz Felipe, Ana Paola, Ana Carolina e Alcides. A missa de 7º dia será celebrada às 11h na Igreja Nossa Senhora do Brasil, em SP.
Abílio x Alcides - O processo sucessório no Grupo Pão de Açúcar foi tão difícil que levou a família Diniz a uma crise devastadora. A estrutura começou a ruir em 1986, com problemas de gestão e mais brigas sucessórias. A disputa alcançou os tribunais e, em 1988, Alcides Diniz foi afastado da presidência. Em seu lugar assumiu o irmão mais velho, Abilio, que hoje tem o controle acionário do grupo é um dos homens mais ricos da América Latina, segundo a revista Forbes.

Assinatura básica já tem até súmula contra

Assinatura básica de telefonia
Do Site Migalhas










Há não muito tempo surgiu o debate sobre a questão da assinatura básica de telefonia. Qual seria o fundamento da cobrança ? Seria uma cobrança correta ? Teses, discussões e debates foram travados e os casos foram sendo levados, pouco a pouco, ao Judiciário. A jurisprudência balouça. Mas não na turma recursal única do TJ/PR. Lá o tema já foi até objeto de súmula.
Súmula 32
"O Juizado Especial Estadual é competente para julgamento das ações que versam sobre a legalidade da cobrança da 'assinatura básica mensal'.
32.a - A cobrança da 'assinatura básica mensal', atualmente ofertada no sistema de telefonia fixa, é ilegal.32.b - Não cabe devolução dos valores pagos a título de 'assinatura básica mensal; no período anterior à citação da empresa de telefonia, em processo que discute a legalidade de sua cobrança.32.c - A devolução de valores pagos posteriormente à citação deverá ser pleiteada em ação própria."

Quem apresenta a questão hoje ao mundo jurídico é o próprio presidente da turma, dr. J. S. Fagundes Cunha. Clique aqui e veja a novidade que vem de Curitiba, oxigenando o mundo jurídico.
O titular do blog vai ajuizar uma ação contra esta extorsão da era FHC imposta no esquemão do Serjão, à época da escandalosa privatização das Teles. Lembram?
E você? Vai deixar barato?

Caráter conclusivo

Como contribuição da mais alta relevância para a Nação. Projeto de Lei de autoria do deputado Manato (PDT-ES), obriga as empresas que tenham mais de cem empregados a hastear a bandeira brasileira, a do estado - ou Distrito Federal - e do município em que se encontram. O PL 6727/06, segundo seu autor, ressalta o respeito cívico que deve ser uma responsabilidade de toda a sociedade. "Trata-se de estimular a reverência aos símbolos pátrios, como meio de fortalecer o civismo, cidadania e o espírito republicano", diz Manato.
Com tantos assuntos triviais como a saúde e a educação, a extorsiva carga tributária e os mais altos juros cobrados em um país em todo o mundo, o PL "patriótico" encontra-se em caráter conclusivo, bem diferente das reformas que deputados como o digníssimo acima, não aprovam, por uma singela razão: são gazeteiros contumazes.

O inferno é aqui

Entrevista ao Jornal O GLOBO por "Marcola"

Coluna: Arnaldo Jabor

- "Você é do PCC?"
- Mais que isso, eu sou um sinal de novos tempos. Eu era pobre e invisível... vocês nunca me olharam durante décadas... E antigamente era mole resolver o problema da miséria... O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, ralas periferias... A solução que nunca vinha... Que fizeram? Nada. O governo federal alguma vez alocou uma verba para nós? Nós só aparecíamos nos desabamentos no morro ou nas músicas românticas sobre a "beleza dos morros ao amanhecer", essas coisas...
Agora, estamos ricos com a multinacional do pó. E vocês estão morrendo de medo... Nós somos o início tardio de vossa consciência social... Viu? Sou culto... Leio Dante na prisão...
- Mas... a solução seria... - Solução?
- Não há mais solução, cara... A própria idéia de "solução" já é um erro. Já olhou o tamanho das 560 favelas do Rio? Já andou de helicóptero por cima da periferia de São Paulo? Solução como? Só viria com muitos bilhões de dólares gastos organizadamente, com um governante de alto nível, uma imensa vontade política, crescimento econômico, revolução na educação, urbanização geral; e tudo teria de ser sob a batuta quase que de uma "tirania esclarecida", que pulasse por cima da paralisia burocrática secular, que passasse por cima do Legislativo cúmplice (Ou você acha que os 287 sanguessugas vão agir? Se bobear, vão roubar até o PCC...)
e do Judiciário, que impede punições. Teria de haver uma reforma radical do processo penal do país, teria de haver comunicação e inteligência entre polícias municipais, estaduais e federais (nós fazemos até conference calls entre presídios...) E tudo isso custaria bilhões de dólares e implicaria numa mudança psicossocial profunda na estrutura política do país. Ou seja: é impossível. Não há solução.
- Você não têm medo de morrer?
- Vocês é que têm medo de morrer, eu não. Aliás, aqui na cadeia vocês não podem entrar e me matar... mas eu posso mandar matar vocês lá fora... Nós somos homens-bomba. Na favela tem cem mil homens-bomba...
Estamos no centro do Insolúvel, mesmo... Vocês no bem e eu no mal e, no meio, a fronteira da morte, a única fronteira. Já somos uma outra espécie, já somos outros bichos, diferentes de vocês. A morte para vocês é um drama cristão numa cama, no ataque do coração... A morte para nós é o presunto diário, desovado numa vala...Vocês intelectuais não falavam em luta de classes, em "seja marginal, seja herói"?
Pois é: chegamos, somos nós! Ha, ha... Vocês nunca esperavam esses guerreiros do pó, né? Eu sou inteligente. Eu leio, li 3.000 livros e leio Dante... mas meus soldados todos são estranhas anomalias do desenvolvimento torto desse país. Não há mais proletários, ou infelizes ou explorados. Há uma terceira coisa crescendo aí fora, cultivado na lama, se educando no absoluto analfabetismo, se diplomando nas cadeias, como um monstro Alien escondido nas brechas da cidade. Já surgiu uma nova linguagem.
Vocês não ouvem as gravações feitas "com autorização da Justiça"? Pois é. É outra língua. Estamos diante de uma espécie de pós-miséria. Isso. A pós-miséria gera uma nova cultura assassina, ajudada pela tecnologia, satélites, celulares, internet, armas modernas. É a merda com chips, com megabytes. Meus comandados são uma mutação da espécie social, são fungos de um grande erro sujo.
- O que mudou nas periferias?
- Grana. A gente hoje tem. Você acha que quem tem US$40 milhões como o Beira-Mar não manda? Com 40 milhões a prisão é um hotel, um escritório... Qual a polícia que vai queimar essa mina de ouro, tá ligado? Nós somos uma empresa moderna, rica. Se funcionário vacila, é despedido e jogado no "microondas"... ha, ha...
Vocês são o Estado quebrado, dominado por incompetentes. Nós temos métodos ágeis de gestão. Vocês são lentos e burocráticos.
Nós lutamos em terreno próprio. Vocês, em terra estranha. Nós não tememos a morte. Vocês morrem de medo. Nós somos bem armados. Vocês vão de três-oitão. Nós estamos no ataque. Vocês, na defesa. Vocês têm mania de humanismo. Nós somos cruéis, sem piedade. Vocês nos transformam em superstars do crime. Nós fazemos vocês de palhaços. Nós somos ajudados pela população das favelas, por medo ou por amor. Vocês são odiados. Vocês são regionais, provincianos. Nossas armas e produto vêm de fora, somos globais. Nós não esquecemos de vocês, são nossos fregueses. Vocês nos esquecem assim que passa o surto de violência.
- Mas o que devemos fazer?
- Vou dar um toque, mesmo contra mim. Peguem os barões do pó! Tem deputado, senador, tem generais, tem até ex-presidentes do Paraguai nas paradas de cocaína e armas. Mas quem vai fazer isso? O Exército? Com que grana? Não tem dinheiro nem para o rancho dos recrutas... O país está quebrado, sustentando um Estado morto a juros de 20% ao ano, e o Lula ainda aumenta os gastos públicos, empregando 40 mil picaretas. O Exército vai lutar contra o PCC e o CV? Estou lendo o Klausewitz,
"Sobre a guerra". Não há perspectiva de êxito... Nós somos formigas devoradoras, escondidas nas brechas... A gente já tem até foguete antitanques... Se bobear, vão rolar uns Stingers aí...
Pra acabar com a gente, só jogando bomba atômica nas favelas... Aliás, a gente acaba arranjando também "umazinha", daquelas bombas sujas mesmo... Já pensou? Ipanema radioativa?
- Mas... não haveria solução?
- Vocês só podem chegar a algum sucesso se desistirem de defender a "normalidade". Não há mais normalidade alguma. Vocês precisam fazer uma autocrítica da própria incompetência. Mas vou ser franco... na boa... na moral... Estamos todos no centro do Insolúvel.
Só que nós vivemos dele e vocês... não têm saída. Só a merda. E nós já trabalhamos dentro dela. Olha aqui, mano, não há solução. Sabem por quê?
Porque vocês não entendem nem a extensão do problema. Como escreveu o divino Dante: "Lasciate ogni speranza voi che entrate!" Percam todas as esperanças.
Estamos todos no inferno.
MARCOLA

Datafolha protocola mais uma pesquisa para presidente no TSE

TSE
Brasília, 23/06/2006 - O Instituto Datafolha protocolou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na última sexta-feira, pedido de registro de pesquisa de intenção de voto para Presidente da República nas próximas eleições de outubro. A pesquisa foi encomendada pela empresa Folha da Manhã S/A, que publica o jornal Folha de S. Paulo.
A pesquisa vai ouvir 2.840 entrevistados em todos os estados brasileiros, menos Roraima e Amapá, nos próximos dias 28 e 29 de junho.
O registro da pesquisa atende ao determinado pela Resolução 22.143/06 (Instrução 100), do TSE, que estabelece que a partir de 1º de janeiro do ano eleitoral as empresas que realizarem pesquisas de opinião relativas às eleições ficam obrigadas a registrar, até cinco dias antes da divulgação, os dados relativos à sondagem.

Na marra!

Foto: Jane de Araújo













A candidata à presidência da República pelo PSOL, senadora Heloísa Helena afirmou nesta manhã que na primeira semana de seu governo, se eleita for, será reduzir a taxa de juros de 16,5% para 6,5% por decreto. "Quando subiram os juros de 20 para 45%, ninguém viu nada de errado. Onde é que está escrito que não posso baixá-lo para 6,5%?"

Perdoado serei, pois narciso sou!



















A natureza humana será sempre notabilizada pelas caraterísticas de seus elementos; como este, que pagou o ingresso, caro, para um dos jogos da Copa, despiu-se e teve a ribalta planejada.
A figura acima é título de artigo publicado no sitio do Sergio Leo.
Leia aqui

Folha admite erro

Erramos: Justiça multa ex-governador do Pará por propaganda antecipada

da Folha Online
Almir Gabriel foi erroneamente identificado como o atual governador do Pará na reportagem Justiça multa ex-governador do Pará por propaganda eleitoral antecipada (Brasil - 21/06/2006 - 13h23). O texto já foi corrigido.

Carta Aberta

CARTA ABERTA AOS DEPUTADOS FEDERAIS E SENADORES DA REPÚBLICA DA BANCADA DO PARÁ EM DEFESA DA AGU E DO SUBSÍDIO CONSTITUCIONAL NOS TERMOS DO ART. 135 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
A AGU representa judicial e extrajudicialmente a União, defendendo-a relativamente a atos praticados por qualquer dos três Poderes e, ainda, pelo Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União e Tribunal de Contas da União.
A AGU está presente em todos os Ministérios, prestando consultoria e assessoramento ao Poder Executivo e, assim, auxiliando na implementação efetiva de todas as políticas públicas necessárias ao desenvolvimento do País, muitas vezes objeto de complexas discussões judiciais, bem como em todas as Autarquias Federais e Fundações Públicas Federais por intermédio da Procuradoria Geral Federal, nos termos da Lei nº 10.480, de 02 de julho de 2002.
A AGU é a responsável pela defesa do patrimônio público federal e pela recuperação de bilhões de reais por ano, pela implementação das políticas públicas e, ainda, pela representação jurídica da União no plano internacional.
A AGU é responsável, ainda, pela defesa, nos termos da lei, do Presidente da República, em todos os foros, e das mais altas autoridades da República.
Segundo dados disponíveis (subestimados, portanto), a economia proporcionada pela AGU apenas durante o atual governo já é superior a 150 bilhões de reais.
A AGU, como reconhecido não apenas pelo Advogado-Geral da União, mas também pelo Presidente do Tribunal de Contas da União, além de desaparelhada, vem sofrendo intensa evasão de advogados públicos e um processo sistêmico de desestímulo ao ingresso e permanência de profissionais qualificados, quadro esse agravado com a fixação da remuneração por subsídio para os membros da Magistratura e Ministério Público Federais.
Atualmente, os membros da AGU recebem remuneração correspondente a cerca de 40% do valor pago a um membro do Ministério Público Federal, valores estes inferiores aos percebidos pelos membros da grande maioria das procuradorias estaduais e municipais, sequer sujeitos ao regime de dedicação exclusiva, como o estão os advogados públicos federais.
O art. 135 da Constituição Federal prevê expressamente a remuneração por subsídio para os membros das carreiras jurídicas da União, sendo que a "mora" do governo federal em cumprir tal disposição está mais que comprovada e reconhecida.
O projeto encaminhado pelo Advogado-Geral da União, em 06/05/2005, após a autorização do Presidente da República, foi acertado com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão dentro das possibilidades financeiras e orçamentárias do Estado, inclusive com ampliação de prazos e redução de valores relativamente ao projeto original.
O projeto em tela será implementado em quatro anos e tem impacto reduzido para o ano de 2006 (menos de R$ 130 milhões), ficando este dentro dos valores disponibilizados para a AGU pelo próprio Ministério do Planejamento, valores esses ínfimos ante os resultados diariamente apresentados pela Instituição.
Em que pese acertado entre os Ministros envolvidos e autorizado pelo Presidente da República, o projeto encontra-se parado no Ministério do Planejamento, sofrendo resistências extemporâneas de algumas autoridades e técnicos, que têm uma visão distorcida acerca da natureza e importância para a República das atribuições desenvolvidas pelos membros da advocacia pública federal e da defensoria pública da União, tanto em termos de cifras quanto de planejamento estratégico.
Além de tudo, tem-se que, contra a moralidade e a eficiência administrativas, projetos de remuneração que não pela via do subsídio para as carreiras jurídicas da União, além de inconstitucionais e configurarem afronta às palavras empenhadas e aos comunicados oficiais, implicarão impacto superior ao previsto para o ano de 2006.
Outros projetos, que não o já discutido, negociado e acertado entre o Advogado-Geral da União e o Ministro do Planejamento, sob determinação do Presidente da República, não apenas levarão ao descontentamento geral das carreiras envolvidas como não se prestarão a enfrentar minimamente os graves problemas detectados pelo Advogado-Geral da União e pelo Presidente do Tribunal de Contas da União, relativamente à AGU, quais sejam: evasão de quadros, rotatividade intensa, desestímulo ao ingresso e à permanência e fragilização da defesa do patrimônio e rendas públicas federais.

O blog lamenta profundamente que um órgão de vital importância contra a rapinagem como é a AGU tenha que recorrer ao expediente de solicitar maior atenção daqueles que detem o poder. São gestos como esse que colocam em xeque o avanço - se é que ele existe - da democracia brasileira. Ainda muito distante do que sua definição exige e é sentido pelo conjunto da sociedade.


Varig, a hora está chegando

Esse pequeno texto é dedicado à memória da Panair do Brasil e é singela homenagem aos seus funcionários ainda vivos, que podem contemplar o final vergonhoso e merecido de sua algoz, a defunta. Leia mais aqui

Artilharia anti-paraquedistas

Com o slogan “Sul do Pará Urgente - Vote em Nossa Gente”, a campanha anti-paraquedistas (uma raça de políticos que nunca pisaram na região), grifo nosso, parece não agradar somente os candidatos de fora. Alguns inclusive já estão falando que “candidato da terra é minhoca”. O impacto da polêmica poderá ser mensurado mais criteriosamente após as próximas eleições. É o que informa matéria de hoje no Caderno Regional do Diário do Pará, apelidado aqui em Brasília de o "Vox", que não é o Bono.
Campanha nos mesmos moldes está em curso em Santarém e municípios do Oeste do Estado.

Viva a política de benefícios à melhor-idade. Viva Lula!

Furo do blog publicado ontem os aposentados podem tirar o cavalo da chuva que o aumento de 16,6% em seus contra-cheques foi para o espaço.
Hoje, uma comissão de representantes de aposentados e pensionistas protestaram na Câmara contra o possível veto ao reajuste. Durante reunião da comissão mista que trata do reajuste do salário mínimo, contra o eventual veto do presidente Lula à emenda que garante à categoria aumento de 16,67%. Esse índice, igual ao previsto para o salário mínimo, foi aprovado pela Câmara na discussão da Medida Provisória (MP) 288/06, que tramita agora no Senado. Ontem, o ministro da Previdência, Nelson Machado, se reuniu com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) para dizer que a Previdência não tem como suportar o aumento, que acarretaria um gasto extra de R$ 7 bilhões ao INSS.
Outra bomba é o aumento ao judiciário que impactará R$ 5 bilhões nas contas do governo. Só que esse aumento nem passa por votação no Plenário, tem prerrogativas de tramitação especial, ou seja, assinou aqui, a folha segue para o Banco. Pode um país assim?

Mais quatro para a lista escrita com sangue no Pará

Reforma Agrária no Pará: História escrita com sangue

Quatro da mesma família são mortos em assentamento no PA

da Agência Folha

Quatro integrantes de um assentamento do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) na região de Baião (234 km de Belém), no Pará, foram assassinados a tiros na madrugada de ontem dentro de sua casa, de acordo com informações da Polícia Civil de Tucuruí (389 km da capital do Estado).
Para a polícia, o crime está relacionado a um conflito agrário na região. "Mas a motivação exata só seria determinada pela investigação policial", disse disse o delegado Eliézer Machado, de Tucuruí, onde o caso está sendo investigado.Os quatro mortos são da mesma família e não tiveram os nomes divulgados pela polícia até o fechamento desta edição.

Folha erra grosseiramente

Justiça multa governador do Pará por propaganda eleitoral antecipada

da Folha Online

A agência Folha Online sequer apurou a notícia que veiculou ainda a pouco, cometendo erro grosseiro afirmando que Almir é candidato à reeleição ao governo.

A Justiça Eleitoral do Pará condenou o governador Almir Gabriel (PSDB), candidato à reeleição, a pagar multa de R$ 53 mil por propaganda eleitoral antecipada. O juiz eleitoral Rubens Rollo aceitou representação do Ministério Público Eleitoral, que acusou irregularidades nas inserções de rádio e TV do PSDB veiculadas no dia 29 de maio. Gabriel pode recorrer da decisão no Tribunal Regional Eleitoral do Pará e ainda no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Dinheiro que besta não conta

CRISE ÉTICA
Contas movimentam R$1 milhão
Em 2004 e 2005, saldos bancários da líder do governo no Senado, Ideli Salvatti, foram cinco vezes maiores que seus rendimentos líquidos. Parlamentar diz que fez empréstimos, mas não detalhou valores nem bancos

Ana D`Angelo
Da Equipe do Correio

Fotógrafo: Roosewelt Pinheiro/Agência Senado













"Eu fiz empréstimos, eu fiz empréstimos. Não tenho aqui detalhado, porque é coisa de 2004" Senadora Ideli Salvatti, sobre movimentação financeira maior que seus rendimentos

Integrante da tropa de choque do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso, a senadora Ideli Salvatti (PT-SC) terá que explicar de onde tirou tanto dinheiro que abasteceu suas contas bancárias em 2003, 2004 e 2005. Ainda deputada estadual por Santa Catarina, ela movimentou R$ 218 mil em duas contas correntes. A partir de 2003, quando chegou ao Senado, ao mesmo tempo em que o PT passava a ocupar o Palácio do Planalto, seus saldos bancários começaram a se multiplicar, ainda que seus rendimentos líquidos (descontado o Imposto de Renda) como senadora não tenham passado dos R$ 200 mil no ano, incluindo auxílio-moradia.

No primeiro ano do governo petista, a movimentação financeira de Ideli Salvatti mais que dobrou em relação a 2002: passou para R$ 477 mil. Em 2004 e 2005, no mesmo período em que o valerioduto passou a turbinar as contas do partido e de alguns de seus parlamentares, a senadora movimentou cerca de R$ 1 milhão nas contas, praticamente cinco vezes mais que os rendimentos que embolsa. A Receita Federal considera como motivo de suspeita contribuintes assalariados que tenham movimentação duas vezes superior à renda ou mais. Abaixo disso, está dentro do possível, já que a mesma quantia pode transitar por aplicações financeiras ou contas diferentes, pagando CPMF mais de uma vez.

Os dados obtidos pela reportagem são da Receita Federal, a partir do recolhimento da CPMF pelos contribuintes. Ontem, em entrevista ao Correio, a senadora não deu detalhes sobre a movimentação alta. Limitou-se a dizer que fez "alguns empréstimos". "Rendimento é uma coisa, movimentação é outra. Eu fiz empréstimos, eu fiz empréstimos". Mas não disse de que valores nem em quais bancos. "Não tenho aqui detalhado, porque é coisa de 2004", justificou Ideli Salvatti, embora ela própria tenha admitido que já sabe do questionamento sobre suas movimentações financeiras desde o ano passado.

Em 2004, a senadora movimentou, no total, R$ 1,1 milhão em três bancos - Banco do Estado de Santa Catarina, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. A maior parte, R$ 829 mil foi no Banco do Brasil, em cuja conta chegaram a circular R$ 224 mil em setembro daquele ano e R$ 138 mil em outubro. Em 2005, ela movimentou, até setembro, R$ 923 mil, dos quais R$ 753 mil no Banco do Brasil.

"Empréstimos" – Em vez de explicar como conseguiu movimentar tanto dinheiro sem ter salário correspondente, a senadora preferiu discorrer longamente sobre o procurador da República Celso Três, que investigou seu patrimônio no ano passado. "Não tenho nenhum problema de responder a nada. A única coisa é que não quero ficar servindo a esse tipo de procedimento ilegal do procurador da República. Ele não pode agir assim", criticou ela.

"Há quase um ano e meio, ele (Celso Três) me ameaça sistematicamente com essa discussão a respeito do meu rendimento, da minha movimentação financeira e da minha declaração do Imposto de Renda. Se ele tem dúvida, que me processe para eu responder na Justiça". O procedimento aberto pelo procurador contra a senadora foi encaminhado este ano à Procuradoria Geral da República, a quem cabe dar continuidade às investigações, por que ela tem foro privilegiado.

Conforme informações obtidas pela reportagem, os dados sobre a movimentação financeira da senadora já chegaram às mãos de vários parlamentares e até de um banqueiro famoso. A própria senadora confirma que receberam as informações o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), presidente e relator da CPI dos Correios, respectivamente. Ideli também contou que a CPI dos Bingos teve acesso aos dados.

Ao Correio, o procurador assegurou ontem que "os elementos de incompatibilidade entre patrimônio e rendimentos da senadora são sólidos". Questionado sobre os bens encontrados, não quis dar detalhes: "Não vou declinar os dados porque são pessoais. O que eu tinha para fazer, já fiz". Celso Três ficou conhecido por desvendar o esquema de remessas ilegais, o famoso Caso Banestado.

Bens – A senadora passou a ser investigada pelo Ministério Público após ter espalhado por Florianópolis, no ano passado, outdoors com propaganda da duplicação da rodovia 101. Questionada sobre o gasto - de R$ 162 mil, segundo a própria senadora -, sustentou publicamente que pagou com R$ 80 mil que tomou de empréstimo da Caixa e com o dinheiro da venda de dois automóveis - um Gol e um Fiesta.

Ideli Salvatti garantiu ter hoje patrimônio abaixo do declarado em 2002 ao Tribunal Regional Eleitoral, de R$ 132 mil - tinha uma casa em conjunto habitacional no valor de R$ 22 mil, outro imóvel no balneário de Açores, de R$ 96 mil, e um automóvel Gol ano 1995. Vendeu a casa da Cohab no final do ano passado, tendo atualmente apenas a casa de praia e um automóvel. Diz que mora de aluguel num apartamento em Coqueiros, bairro nobre da capital catarinense, com a filha e o genro.

Facilidade

O portal Alexa, é uma das mais fáceis ferramentas em que você pode monitorar a visitação das páginas da web no mundo. Confira.

Divirta-se

Originalmente publicado no blog da jornalista Alcilene Cavalcante "Repiquete no Meio do Mundo", o blog reproduz o "REGULAMENTO PARA AS NAMORADAS DA COPA DO MUNDO 2006".

Observação: O namorado interessado, deve exigir a assinatura com registro em Cartório da namorada. Antes da gata ler esse texto, ela deve prometer a você que vai cumprir piamente o que está determinado no documento. Leiam e divirtam-se:

Querida Namorada...

1. De 9 de junho a 9 de julho de 2006, você deverá ler a seção de esportes do jornal de modo a se manter a par do que se passa com respeito à Copa do Mundo, o que lhe permitirá participar das conversas. Caso não proceda desta maneira, você será olhada com maus olhos, ou mesmo ignorada por completo. Neste caso, NÃO RECLAME por não receber nenhuma atenção.

2. Durante a Copa, a televisão é minha, o tempo todo, sem exceção. Se você dirigir o olhar ao controle remoto, uma vez sequer, você o perderá (o olho).

3. Se você precisar passar em frente à TV durante um jogo, eu não me importarei, contanto que o faça rastejando e sem me distrair. Se você decidir se exibir nua diante de mim à frente da TV, esteja certa de vestir-se imediatamente em seguida pois, se pegar um resfriado, não terei tempo de levá-la ao médico nem de lhe dar assistência durante o mês da Copa.

4. Durante os jogos eu estarei cego, surdo e mudo, exceto nos casos em que eu solicite que me encha o copo ou peça a você a gentileza de me trazer algo para comer. Você estará fora de si se achar que irei ouvi-la, abrir a porta, atender ao telefone ou pegar nosso bebê que possa ter caído no chão... não vai acontecer.

5. Seria uma boa idéia manter pelo menos 2 caixas de cerveja na geladeira o tempo todo, bem como razoável variedade de tira-gostos e belisquetes. E por favor não faça cara feia para meus amigos quando eles vierem assistir jogo aqui em casa comigo. Como recompensa, você estará autorizada a assistir à TV entre meia-noite e seis da manhã, a menos, é claro, que neste período haja a reprise de algum jogo que eu tenha perdido durante o dia.

6. Por favor, por favor, por favor! Se me vir contrariado por algum time de meu interesse estar perdendo, NÃO DIGA coisas como "Ah, deixa isso pra lá, é só um jogo..." ou "Não se preocupe, eles vão ganhar da próxima vez..." Se disser coisas desse tipo, só me deixará com mais raiva e vou amá-la menos. Lembre-se, você jamais saberá mais sobre futebol do que eu e suas supostas "palavras de encorajamento" apenas nos levará à separação ou ao divórcio.

7. Você será bem-vinda a sentar-se comigo para assistir um jogo e poderá me dirigir a palavra no intervalo entre o primeiro e o segundo tempos, mas apenas durante os comerciais e (importante) APENAS se o placar do primeiro tempo tiver sido do meu agrado. Favor notar também que especifiquei UM jogo, ou seja, não use a Copa do Mundo como pretexto mimoso para aquela coisa de "passarmos tempo juntos".

8. Os repetecos dos gols são muito importantes. Não importa se já vi o gol ou não, eu quero ver novamente. Muitas vezes.

9. Avise suas amigas para no mês da Copa não darem à luz nenhum neném, ou mesmo promover qualquer festa de criança ou eventos de qualquer natureza que exija minha
presença, porque:
a) Eu não vou;
b) Eu não vou, e
c) Eu não vou.

10. No entanto, se um amigo meu nos convidar para ir à casa dele num domingo para assistir um jogo, iremos de imediato.

11. As resenhas esportivas da Copa toda noite na TV são tão importantes quanto os jogos propriamente ditos. Que nem lhe passe pela cabeça dizer coisas como "Mas você já viu isso tudo... porque não muda para um canal que todos possamos assistir?" Se disser algo assim, saiba desde já que a resposta será: "Veja a regra nº 2 dessa lista".

12. E, finalizando, por favor, poupe-me de expressões como "Graças a Deus que só tem Copa do Mundo de quatro em quatro anos". Estou imune a manifestações dessa natureza, pois após a Copa vêm a Liga dos Campeões, o campeonato italiano, o espanhol, o brasileirão, etc.

Grato por sua cooperação.

Ameaças

Hoje na Coluna do Claudio Humberto, um beliscão e alerta ao governo paraense
Marcados

A OAB-PA estima que 30 líderes estejam marcados para morrer no Estado governado pelo tucano Simão Jatene. Além da guerra por terra, há vítimas do confronto em Santarém entre produtores de soja e ambientalistas.
O blog garante que a lista é mais do que o dobro.

Esforço desconcentrado

Nem mesmo a ameaça do presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), de cortar o ponto dos faltosos foi capaz de convencer a grande maioria dos deputados a se deslocar até Brasília numa semana entrecortada por jogo do Brasil na Copa e feriado de Corpus Christi. Levantamento feito pelo Congresso em Foco a partir da página da Câmara na internet revela que 241 (47%) dos 513 deputados faltaram a pelo menos um dos dois dias do esforço concentrado convocado por Aldo para limpar a pauta (veja a lista completa). Um em cada três deputados (169) acabou emendando todo o feriado e não compareceu a nenhuma das sessões reservadas às votações semana passada.
Do Pará, não pisaram no Plenário os deputados:
Faltaram aos dois dias
Babá (Psol), que não é mais do Pará
Nicias Ribeiro (PSDB)
Raimundo Santos (PL)
Wladimir Costa (PMDB)
Zé Lima (PP)
Faltou no dia 13
José Priante (PMDB)

Agora na versão garoto de propaganda do PSC

Reportagem publicada hoje em O Globo, diz que a presença do ex-governador Anthony Garotinho em palanques do PSC por todo o país está garantida.
Fora da disputa presidencial, o presidente regional do PMDB terá espaço para criticar o governo Luiz Inácio Lula da Silva nos programas eleitorais do PSC.
A decisão de lançar candidato próprio à Presidência, no entanto, depende ainda de negociação com os sete estados que já alinhavaram alianças com outros partidos, dentre estes o Pará, e temem prejudicar as candidaturas do PSC.
A verticalização impede que os partidos façam, nos estados, coligações diferentes das que foram firmadas nacionalmente.
A convenção do partido, no dia 28, baterá martelo sobre a candidatura.
Ontem, o ex-governador Garotinho foi informado sobre os entraves regionais à candidatura própria no PSC.

Duas categorias de servidores mobilizados em Brasília

Reportagem
Val-André Mutran (Brasília) – Os auditores fiscais da Receita Federal e servidores da Justiça Federal e do Ministério Público da União estão mobilizados em Brasília.
O primeiro grupo fez um protesto em frente ao ministério da Fazenda para pressionar o governo federal que até o momento não atendeu as reinvidicações da categoria.
A greve já forçou as férias coletivas de 2 mil funcionários que trabalham em fábricas da Zona Franca de Manaus (AM). Após o retorno desses trabalhadores das férias, caso não haja acordo com o governo e os auditores em Brasília, a greve prosseguirá e os empresários da ZF adiantaram que não restará outra alternativa senão a demissão em massa nas fábricas.
A outra categoria, dos servidores da Justiça, querem a aprovação no Congresso do Projeto de Lei 5845/2005, uma vez que os dispositivos da lei nº 10.475, referente ao plano aprovado em 2002, já estão defasados. O prejuízo, segundo os servidores, é que o projeto de autoria do próprio poder judiciário e que foi protocolado na Câmara no dia 31 de agosto de 2005 já está evidente no contra-cheque dos servidores.
O projeto já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, Trabalho, Administração e Serviço Público, Finanças e Tributação e agora se encontra na fase de apresentação de recurso ao plenário.
A revisão, segundo os servidores que o blog entrevistou, é luta da categoria desde 2004, quando foi criada a Comissão Interdisciplinar no Supremo Tribunal Federal, formada por representantes de todos os tribunais superiores, do TJDFT, de entidades sindicais representantes dos servidores, para elaborar a proposta de revisão.
Além da questão salarial, o projeto traz dispositivos que irão garantir a melhoria das condições de trabalho e a valorização do servidor.
Atualmente, há uma disparidade entre os vencimentos dos servidores do judiciário e servidores que ocupam funções similares no Executivo e no Legislativo, o que leva vários funcionários a migrarem para outros órgãos públicos. O Plano de Cargos e Salários teria o objetivo de corrigir tais distorções e garantir ao trabalhador as condições necessárias para exercer sua função com dignidade, declarou o grupo que lidera a mobilização.
No Senado – O senador manauara Jefferson Péres (PDT-AM) defendeu há pouco em Plenário a aprovação, pelo Congresso Nacional, do Plano de Cargos e Salários (PCS) dos servidores do Poder Judiciário.
Jefferson criticou o governo do Partido dos Trabalhadores por não dar a devida atenção ao funcionalismo público, apesar de, ao longo de sua história enquanto oposição, ter sempre "esbravejado contra o desmonte do Estado" e a "desvalorização do servidor pelo neoliberalismo".
O contra-ataque do govverno veio à galope. O governo anunciou aumneto linear de 27% a todos os servidores públicos federais.
Todos estão "pagando" para ver, a começar pelo Incra que continua em greve.

Exclusivo: Acordão!

Lembram que a Câmara aprovou reajuste de 16,6% para aposentados que ganham acima do salário mínimo derrotando a proposta do governo. O velinhos não vão levar para casa o aumento.
Com exclusividade o blog informa que acaba de ser fechado um acordão e na votação de amanhã (21/06), será votado e "aprovado" por acordo de líderes uma nova proposta, que agrada o governo, ou seja através de Medida Provisória, Lula enviará um aumento de apenas 5%. A justificativa: "o aumento (16,6%) quebraria as contas da Previdência Social". Então tá!

Boris Casoy: Volta à ditadura!














ENTREVISTA

Para desagrado de seus detratores – e não são poucos –, o blog publica a primeira manifestação do jornalista e apresentador Boris Casoy, âncora do jornal da Record, que em entrevista relata como e porque foi sumariamente demitido da Rede do Bispo Edir Macedo.
– Boris Casoy: Para os que pensam que estamos vivendo numa democracia, é bom que saibam: Voltou a Ditadura!
– Boris Casoy: ''Fui tratado como bandido''. Após três meses em silêncio, o jornalista Boris Casoy diz que foi truculenta a sua demissão da Record e afirma que recebeu ameaças do ex-ministro.
P - Houve ameaça direta a você?
R - Não. Houve o telefonema do Zé Dirceu (para a Record). A diretoria me pôs a par: "Ele disse que vai prejudicar a Record e você pessoalmente se não parar". Essa foi a última (ameaça)... que vinha de uma série. O Zé Dirceu caiu em 13 de fevereiro, (meu aniversário).
Depois que ele caiu, as pressões foram reduzidas. As ameaças (aconteceram) direto para o presidente da Record, que era o Dênis Munhoz.
P - Outro político acenou com ameaça?
R - Nós recebemos um relatório do diretor do escritório de Brasília da Record, que participou de uma reunião em Brasília - as emissoras acertavam questões de publicidade com o governo. Dizia: "Olha, com o Boris Casoy não dá para ter publicidade". Me contaram ainda que o (Luiz) Gushiken (ex secretário de Comunicação) tinha insinuado para o presidente da Record: "Com o Boris lá fica difícil o relacionamento com vocês". Houve telefones de gente da bancada evangélica: "Olha, o Zé Dirceu reclamou. Isso atrapalha a gente".
P - Do que os políticos reclamavam?
R - Não eram os comentários. A queixa era com a insistência no noticiário. E eu perguntava: "Qual é o ponto?". Mas jamais o governo explicou! Uma vez noticiamos - todo mundo noticiou - o fato de 14, 15 jovens terem usado o Palácio, transportados de avião, amigos de um filho do Lula.
Aí, um senador do PT me procurou e disse que o Lula tinha se ofendido, considerou invasão da privacidade. Falou: "Ele está separado do filho dele. A maneira de ter os filhos mais próximo é convidar os amigos para ficarem junto dele no Palácio nas férias". Eu falei: "Perfeito... Só que não às minhas custas, às do País".
P - Houve pressões similares no governo Fernando Henrique?
R - Não. Quando errávamos, ligavam o secretário de Imprensa ou o próprio presidente e nós retificávamos. Havia um diálogo democrático. Mas nenhuma pressão ou ameaça de retaliação, do tipo "vamos prejudicar".
P - Com as pressões, imaginava que pudesse ser demitido?
R - Quando vi que a Igreja Universal fez um partido político, achei que as coisas podiam engrossar, mas não imaginava que ia ser assim. A maneira como foi feita, dia 30 de dezembro, foi truculenta. Estaria de folga no dia (era uma sexta-feira) e na segunda viajaria.
Foi pensado para evitar divulgação. Sou chamado às quatro da tarde da sexta, informado que o contrato está rompido e que a Salete Lemos seria impedida de apresentar o jornal aquele dia.
Durou 10 minutos. Falei: "Tá bom. Quando o sr. quer que eu pare?".
E o bispo Honorílton Gonçalves (superintendente executivo da Record): "Já.Imediatamente". Não é soco, eu levei um coice! Fui tratado como um bandido. Me senti humilhado! Fui tratado com uma violência imerecida, como um inimigo, uma pessoa suspeita.

P - Enquanto Lula estiver no governo é um jornalista desempregado?
R - Não. Tô desempregado de televisão, mas tenho convites de jornais, de rádios, que basta eu dizer sim. Estou órfão de tevê, mas não imaginei isso.
P - Por que ainda não foi contratado?
R - Emissoras conversaram comigo. Não devo falar quais. Não se colocou, mas eu iria colocar que não vou trabalhar num jornal ou programa de entrevista onde eu seja cerceado. Já passei da idade! Pode ser - ninguém me disse - que isso possa ser um entrave em ano de eleição. Mas sou um bom produto publicitário. Prefiro televisão. Se não der, faço jornal, rádio-jornal. Espero o tempo que precisar para encontrar uma proposta que me dê prazer profissional. Do contrário, prefiro ficar fora. Esse dia chegará, quaisquer que sejam as circunstâncias. E tanto faz bancada de jornal, programa de entrevista...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Matéria enviada ao blog pelo jornalista, radialista e apresentador de TV Milton Farias, mineiro radicado em Marabá-PA.

O homem e seus equívocos





















Você poderá visualizar melhor se clicar duas vezes na foto.

Impagável

O "Regulamento para as namoradas da COPA DO MUNDO 2006", escrito pela jornalista Alcilene Cavalcante, radicada em Macapá (Amapá) é sensacional. Leiam aqui.

Mainardi afinal é o quê?

Se os leitores já obteram uma pista que comprove quem é ou o que faz Diogo Mainardi (leia aqui), mande um post na caixa de comentários para que o titular do blog possa avaliar se não anda tendo delírios, arrependimento de ser assinante de Veja e acabe se tornando um Silas. Aquele maluco do Código da Vinci.

Isso é que é ética

Festa petista, com certeza
O presidente Lula inaugurou ontem, no Recife, o call-center da Previdência, que ainda nem ficou pronto. O que funciona mesmo é o contrato de R$ 20,9 milhões com a Datamétrica, empresa que faz a tal central de atendimento: ela pertence a Alexandre, irmão do deputado Maurício Rands (PT-PE), que mantém um programa de tevê para bajular o governo Lula.
O blog não mais se escandaliza com notícias desta natureza. Há dois meses de completar dois anos em Brasília (DF). Nunca em toda a minha vida havia testemunhado tanta safadeza na política.
Aos defensores deste governo. Meus pêsames, vocês fedem de podre.

Senadora! O caso está encerrado

A senadora Ana Júlia Carepa, quadro político que acumulou com invejável talento uma trajetória digno do maior respeito da parte do povo paraense, surpreendentemente ainda incorre num "ato falho", algo como uma afirmação pessoal que tranquilize a si mesma e que convença o povo, de que o episódio envolvendo seu nome e o de correligionários bem próximos da corrente partidária a qual milita no Partido dos Trabalhadores, trata-se apenas de uma perseguição orquestrada por forças malignas que a querem distante do poder.
Absorvida e com o nome limpo no tal episódio, o caso foi explorado por alguns órgãos da imprensa, notadamente a revista Veja, baseado num adesivo que liberou, pelo Ibama, o livre trânsito de madeira em algumas regiões produtoras de madeira no Estado, o qual alguns empresários, supostamente teriam contribuído financeiramente em campanhas de candidatos do PT nas últimas eleições, indicados pela senadora.
Na CPMI que avaliou esse e outros casos de Biopirataria, o relatório conclusivo no Parlamento, eximiu a senadora de qualquer envolvimento na irregularidade e se efetivamente ocorreu, não deixou provas.
Em seu boletim parlamentar distribuído à imprensa, a senadora autoriza como "sugestão de leitura" um artigo que volta ao tema e novamente desqualifica os fatos. Leia aqui.
Na opinião do blog, o assunto tem que ser tratado como merece: Caso Encerrado.
Esqueça isso senadora, e bola pra frente.

Bon Vivant

Em discurso na convenção do PFL em Brasília que lançou chapa puro-sangue para a disputa do governo do DF, José Jorge, vice de Geraldo Alckmin na dobradinha PSDB-PFL, disse que Lula não trabalha, viaja e bebe muito.
O blog acredita que o postulante a vice-presidente está batendo antes do tempo.

Volta por cima

Foto: Agência Estado













Ronaldinho, prepara-se para dar a volta por cima para o jogo de domingo próximo.
O blog acredita que o craque além de reunir todas as condições de novamente se reinventar; calar, num tempo só, a boca de seus maldosos detratores.
Vá lá moleque. Você é um vencedor! Estou contigo e não abro.

Hoje mede-se de tudo













Já existe gente que ganha a vida medindo o Lula. É o lulômetro, novo indicador em voga no mercado. Segundo o site guia financeiro, estaria assim posicionado no expectro o presidente brasileiro.

Vôo raso aqui. Céu de brigadeiro lá

Enquanto por estas plagas a Varig dana-se, lá no outro lado do mundo, informa o site guia financeiro, a companhia estatal aérea chinesa, Air China, deve realizar em breve sua oferta pública de ações (IPO) no valor de US$ 1 bilhão. O dia exato ainda não foi definido, mas os planos da empresa são de que seja feita neste ano. A companhia aguarda liberação do plano do IPO pela comissão de valores mobiliários do país. Quando o negócio for aprovado, a Air China será a segunda maior estatal do país a abrir capital. O Banco da China foi o primeira e o início de suas operações na bolsa chinesa foi autorizado nos primeiros dias de junho. Banco Industrial e Comercial da China e a operadora de celulares China Móbile devem ser as próximas. A venda de 2,7 bilhões de ações da Air China devem captar, em yuans, 8 bilhões.
Reportagem de Luciana Félix

Bill Gates: agora nos interessa as causas nobres

As maiores agências de notícias informam que Bill Gates anunciou que deixará a gestão diária da Microsoft em dois anos para cuidar, ao lado de sua mulher, de causas, digamos, mais nobres.

Mexa-se!

Frase do dia: O trabalho engrandece.

Asghar Khan / Reuters
Trabalhador empilha redes de pescas às margens de rio em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos

No Amapá, não!

Repondo a verdade de uma das declarações do senador Pedro Simon (PMDB-RS) ao comentar o insaciável apetite dos caciques de seu esfacelado PMDB, em trecho de reportagem publicada em O Liberal, de hoje. "No Maranhão de José Sarney (PMDB-AP), enumerou Simon, a candidata é sua filha, Roseana Sarney, filiada ao PFL, enquanto que no Amapá o apoio do partido será ao PSB".
O blog corrige: Nunca, até me arrisco dizer, que o ex-senador João Capiberibe, permitirá tal acordo. Pelo contrário. Capi trabalha para expulsar de volta à sua terra o senador José Sarney, a quem o ex-governador do Amapá atribui a perda de seu mandato e de sua mulher, a deputada Janete Capiberibe.
O PMDB amapaense tende a apoiar a reeleição do atual governador pedetista ou, mais improvável, o suplente, filiado ao PMDB, que assumiu o mandato substituindo Capi.

Evangélicos oram pela paz em Sampa e quebram recorde

Jorge Araújo/Folha Imagem


















Marcha para Jesus reúne 3 milhões de pessoas em SP, informou a Agência Estado.
Em Brasília, assim como, na sede das principais denominações evangélicas há uma intensa discussão entre os fiéis para pensar o Brasil e seus problemas.
As eleições que se aproximam é um dos temas que polarizam o debate.

Leonardo Wen/Folha Imagem















Em tempos de fome, desemprego, analfabetismo, políticos safados e PCC; uma massa de 3 milhões de almas orando e cantando em louvor aos ensinamentos de Cristo é bálsamo bem-vindo para uma sociedade cujo tecido social padece de doença invisível e cruel.

Música que encanta a alma

Duo Abreu interpretando a Tocatta K-141 de Scarlatti.
Clique e ouça aqui

Reportagem sobre os extremos de Belém

Divulgação













Matéria publicada hoje no jornal Folha de São Paulo, Caderno Turismo, dificilmente atrairá um turista para a Capital do Pará.














A matéria, após indicar a localização do Forte do Castelo critica a degradação e sujeira da área. O texto segue nessa lógica até a conclusão da reportagem.
Reside aí a reclamação dos empresários da rede hoteleira paraense: uma cidade sem Prefeitura, desgovernada, onde impera a esculhambação dos camelôs e o abandono generalizado, jamais atrairá gente disposta a gastar algum em meio à lama e a fedentina, sujeira e falta de espaço nas calçadas para os transuentes. Até quando Nossa Senhora de Nazaré?
Leia mais aqui (para assinantes) ou compre nas Bancas.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Carlos Barretto comenta: Pois é. E há 3 ou 4 governos municipais, ninguém tomou nenhuma providência. Imagina se o "quasímodo" vai tomar alguma.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Veja Carlos. Ainda somos voz rouca e abafada, mas, venho defendendo neste espaço, de maneira contundente, as desastrosas conseqüências da falta de renovação política nos quadros paraenses.
O aviltante despreparo para as funções ora ocupadadas nos mais diversos alicerces do poder beiram, tão somente as raias do crime de responsabilidade, salvo cada vez mais raras as exceções. O ideólogo italiano Antônio Gramsci bem que poderia ter agregado à sua obra o conceito da dialética do despreparo, cairia como uma luva para estes ilusionistas.
Além da falta de amor à cidade; o necessário desprendimento de vaidades cultivadas à ferro e fogo em busca do poder podem explicar, quem sabe? Tanta iniqüidade.
Assisto embasbacado a sucessão de incompetentes a dirigir descaminhos, travando o caminho de todos. É demais para ficar parado.
Não sossego enquanto não assistir essa gente, desprovida até dos cacoetes da desfarçatez, saírem de cena, de onde não deviam que ter saído: a porta dos fundos.

Eles estão podendo, não é mesmo?

PT gasta R$ 600 mil em convenção nacional.
Leia aqui

Só tem na UFPA

Acabei de reencontrar uma colega de classe no Orkut. Estudamos juntos no Convênio da sala CE-A do Colégio Marista Nossa Senhora de Nazaré, lá nos idos de 1982, em Belém do Pará.
Ela relatou-me uma impressão que ainda não tinha parado para refletir: que pouca gente gosta de Brasília (DF). Não ousaria duvidar de seu comentário, feito com a propriedade arrazoada de quem já residiu na Capital Federal logo após obter seu diploma de Arquiteta em Belém.
Registro em conta especial o fato de minha colega arquiteta, que atualmente doa esforços e dedicação ao Teatro da Paz, para contar aos leitores uma outra história. De idas e vindas.
Por motivos óbvios, Brasília concentra o maior número de jornalistas da América Latina. Eles estão em todos os lugares, todo o tempo, o tempo todo pelos motivos os mais diversos.
Numa noite marcada pela coincidência, fui apresentado a uma jovem e alegre jornalista que naquela mesma noite estava confraternizando com alguns amigos, seu aniversário, num desses charmosos bares-restaurantes que proliferam no Plano Piloto.
Seu nome: Tais Morais.
Trabalhando num dos Ministérios do Poder Executivo, não fazia tempo que Tais havia lançado seu primeiro livro em parceria com outro colega, também jornalista. Livro este, de estrondoso sucesso de vendagens e que logrou resenhas em renomados veículos de comunicação do Brasil e do exterior.
A comunicativa jornalista e novíssima conhecida, estava a movimentar-se em busca de realizar um outro projeto pessoal: a publicação de um segundo livro que continuaria de maneira mais aprofundada o tema de sua estréia no mercado literário.
Seu sonho era cursar uma especialização em História da Amazônia. Leia o título deste post.
Como teria que abrir mão de seu posto no ministério, eis que Tais preguntou-me se não conhecia um jornal em Belém em que pudesse candidatar-se a uma entrevista em busca de um novo emprego que viabilizasse o custeio de seus estudos pelo tempo necessário da empreitada intelectual e proporcionar, ao mesmo tempo a segurança necessária para prover o seu pequeno filhinho. Uma garantia extra ou salvadora, explicou-me, caso as vendagens do livro recem publicado não vingasse nas livrarias.
Disse que contataria uma pessoa. Não prometí nada fora de meu limitado alcance à aniversariante e, mudamos a prosa para assuntos mais condizentes ao encontro em sua homenagem.
Neste mesmo momento, a nova amizade afasta-se para dar atenção a outro dos convidados, e surge apropriadamente, como em qualquer cidade de primeiro mundo, um vendedor de lindos arranjos de flores. Mais que depressa, porém, com a necessária discrição cheguei a um termo razoável de preço e pude presentear a aniversariante com uma linda e delicada rosa vermelha.
Os fatos acima descritos, deram-se num dia de semana e não permaneci na comemoração até tarde.
No outro dia, liguei para o jornalista Jader Filho, presidente do jornal Diário do Pará.
O executivo, como é de sua personalidade, atendeu-me e não obsteve qualquer empecilho para que a pretendente à entrevista fosse ouvida por um funcionário da empresa encarregado da tarefa.
Tais Morais é jornalista e pesquisadora, autora do Best-Seller Operação Araguia - Os Arquivos Secretos da Guerrilha, escrito em parceria com Eumano Silva, jornalista e editor do Jornal Correio Braziliense.
São idas e vindas de todos, essa e outras histórias.
Tenho certeza que cada um de nós tem uma história para contar de suas idas e vindas.
Envie para o blog que as publicarei com o maior prazer.

Link com dois craques

Acabei de linkar na Coluna ao lado, após atenta e prazeirosa leitura, duas feras lá de minha terra. A iniciativa tem o objetivo de dividir com os demais leitores deste acanhado espaço, dois estilos de blog personalíssimos.
Aproveitem bastante, divirtam-se e aprendam o quanto puderem.
São eles: Comunicação Militante e Blog do Barretto

Ninguém segura o MST

A Coluna Repórter 70 de hoje em O Liberal, informa que houve nova ocupação de sem-terras na área da fazenda Rio Vermelho, no município de Sapucaia, no sudeste do Pará.
A propriedade pertence a um grupo de empresários paulistas que estão investindo no negócio há trinta anos.
Estima-se que a fazenda possua 130 mil cabeças de gado que passam por um rigoroso sistema de seleção genética.
Atos dessa natureza dificultam o avanço da reforma agrária na região e afastam qualquer possibilidade de novos investimentos que tanto a região precisa.

Renovação de 62% nas eleições, dizem analistas

Folha News
As denúncias de corrupção que atingiram o Congresso deverão repercutir nas urnas. A avaliação de analistas políticos é que a renovação na Câmara Federal será grande neste ano: deve chegar a 62%, índice próximo ao da eleição de 1990. O eleitorado deverá apostar em novos nomes para tentar "limpar" a Casa, tarefa que os deputados se negaram a fazer quando absolveram 11 envolvidos com o escândalo do "mensalão". Historicamente, os índices de renovação da Câmara oscilam entre 40% e 60%.
Nas últimas eleições federais - em 2002 - chegou a 46%. Os números são do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), que comparou suas previsões com as da consultoria Arko Advice e do cientista político David Fleischer, que há anos fazem esse trabalho de futurologia. Concluiu-se que o PT será o partido mais punido nas urnas e o PMDB deverá eleger a maior bancada.

Chico Anysio e mais uma piada sem graça de seu repertório

Chico Anysio, humorista que está fora do ar pela falta de graça de seus personagens, revelou ontem em artigo na Lance!, que não confia em goleiro negro na seleção (Dida), devido ao fracasso do Barbosa em 1950.
O que acharam do comentário dele?
1- racista
2- pernicioso
3- superticioso
4- piada sem graça
5- todas as acima

A foto abaixo revela a semelhança entre John Lennon e Chico Anysio

















P.S.: Dida foi a estrela do jogo de ontem ao lado de Kaká

Ficou devendo

Foto: Nyke














O craque errou passes infantis num jogo de estréia! O outro nem se fala.
Vão mal os dois Ronaldos.

Dois temas importantes na pauta da Comissão de Minas e Energia

A agência Câmara informa que a Comissão de Minas e Energia poderá votar amanhã o Projeto de Lei 4849/05, que torna obrigatória a prestação de assistência social às populações de áreas inundadas para a construção de barragens. O projeto, do deputado Ivo José (PT-MG), prevê a criação de um plano de assistência para atender aos habitantes dos imóveis rurais ou urbanos desapropriados.
Adulteração de combustível
Também consta da pauta da comissão, entre outras matérias, o Projeto de Lei 5582/05, do deputado Carlos Souza (PP-AM), que revoga a autorização de funcionamento das distribuidoras já punidas por adulteração de combustível e que reincidam no crime. O relator, deputado Luiz Bassuma (PT-BA), recomenda a aprovação da proposta.
O blog considera esses dois temas de expressivo impacto para as populações da Amazônia, e do Pará, em especial.

José Janene. Cassação ou pizza?

Ag. Câmara (leia a matéria completa)

Conselho de Ética aprova pedido de cassação de Janene
O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou nesta terça-feira o pedido de cassação do mandato do deputado José Janene (PP-PR).
O parecer do relator, deputado Jairo Carneiro (PFL-BA), foi aprovado por 12 votos. Houve uma abstenção e nenhum voto contra. Ex-líder do PP, Janene é acusado de ter recebido, por intermédio do seu assessor João Cláudio Genu, R$ 4,1 milhões do "valerioduto". O parecer será encaminhado para votação pelo Plenário.
Antes da votação, o deputado Nelson Trad (PMDB-MS) disse estar convencido de que o esquema do "mensalão" não teria tido sucesso sem a efetiva participação de Janene. Nelson Trad afirmou que a cassação do parlamentar é fundamental para garantir a dignidade do Poder Legislativo. Ele também ressaltou que as provas reunidas pelo conselho são idôneas, ainda que emprestadas da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios e da Procuradoria-Geral da República.
O deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ) disse que essas provas são mais do que suficientes para justificar a cassação do mandato de Janene.

Do Casseta!

Do Blog do Noblat
O Fenômeno (gordo ou forte?) estava mais para Marrentinnho Carioca, o perna de pau dos Cassetas. Sumido em campo. Já rolavam nove minutos do segundo tempo e a torcida continuava indagando: onde está Wally/ Ronaldo? Será que vai amarelar de novo, my God?
O titular do blog só consegue rir!

Alegria em Brasília

Finalmente a capital da República gera uma notícia agradável, nada a haver com a política e sim com o futebol. É que o jogador Kaká, nasceu em Brasília.
O Plano Piloto e as Cidades Satélites do DF explodiram em alegria, soltando fogos e gritando palavras como: "Kaká é nosso herói. Kaká é o maior!"

Tá vendo o que dá não escutar mamãe e papai...!?

...E entrar para a política?
Hoje não me parece nada desconfortável a insistência de meus pais e alguns saudosos professores quando me puxavam a orelha para que tratasse todos com respeito, educação e cortezia, sem a necessidade obrigatória, dependendo de cada caso, claro, com subserviência ou me colocando numa posição inferior ao interlocutor, se tivesse razões para isso.
Na época achava que era pura perseguição de "gente grande".
Digo isso para defender a tese que essa lição, aparentemente prosaíca, de muito serve aqueles que militam na política.
As indecisões de agora, como dantes, na escolha do vice da chapa do Dr. Almir, é exemplo que merece reflexão.
Como alguns chefes e colaboradores da alta cúpula da era tucana paraense, de alguma forma, ou de outra, deram de presente verdadeiras sessões de "chá de cadeira" e outras cortezias do gênero para gente que hoje se mostra importantes aliados para a disputa. A punição de não ter seus nomes escolhidos não passa de mera conseqüência de seus atos.
Viram só no que dá?
Hoje no poder, amanhã...! Só a Deus pertence.

Vai começar o segundo tempo!






Temos que mostrar mais futebol.

Garotinho sai do PMDB e deve ir para o PSC

Desistindo definitivamente de lutar pela candidatura à presidência pelo PMDB, Garotinho deve sair do partido e assinar filiação no PSC.

Vai começar!

Tudo pronto para começar a Copa para nossa Seleção.
Vamos lá então fazer a nossa parte: torcer e torcer!
Arrisco um palpite: 4 Brasil x 2 Croácia.

Desinformando

A valiosa coleção de "chutes", "achismos", "podem todos esperar...", "é aguardar para ver...", "ver para crer...", "isso é só o começo...", usados e abusados por certo colunista de um jornal de circulação estadual no Pará, pode ser um ótimo exemplo para se analisar nos bancos acadêmicos como uma obra-prima da arte do anti-jornalismo.
Elocubrações adivinhatórias à toque de conversa de comadre é um pouco demais para os leitores desse jornal que, aliás, cada vez mais ralos, já começam a inferir considerável queda de vendas do periódico na região onde o "mestre-adivinhão" e doublé de colunista atua.

Lula anuncia que é candidato semana que vem

Como se ninguém soubesse, Lula anuncia na semana que vem que vai disputar a reeleição.
Leia mais aqui

PMDB decide ficar fora de chapa à presidência

Foto: ABr


















Língua de fogo que paira sobre o presidente do PMDB, deputado paulista Michel Temer, dá a medida exata da divisão da legenda

A candidatura do PMDB à presidência fatalmente resultaria na possibilidade de um segundo turno, mas, segundo informou o informativo on line da revista Época, estrategistas das campanhas de Lula e de Alckmin torciam para que os peemedebistas não entrassem no jogo. A decisão tomada hoje por unanimidade pela Executiva do partido, que desistiu de vez da candidatura própria, agradou aos dois concorrentes. Lula, por razões óbvias: acredita que, sem o PMDB, liquida a fatura no primeiro turno. Alckmin aposta que, com menos candidatos, polariza logo com o presidente, o que abriria caminho para seu crescimento nas pesquisas de intenção de votos. Um dos dois está com avaliação errada.

Berzoini responde

O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), acaba de responder as críticas da cúpula do PSDB no encontro que lançou a chapa chuchu sem sal, que concorrerá à presidência da República, selando a aliança PSDB-PFL. O dirigente disse que as críticas são coisas de "desesperados".

Resposta ao senador

Segundo nota da Coluna do jornalista Cláudio Humberto o líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB), terá de montar um novo gabinete. Seus assessores pediram demissão coletiva.

Será que a teremos?




















Muita garra à todos e vamos em sintonia, torcendo e acreditando que venceremos. Viva o Brasil!

Novo emprego

Flanklin Martins foi a Band. Casa rececptáculo dos exconjurados da Vênus Platinada.

"Araguaya, a Conspiração do Silêncio"

Segue com absoluto sucesso a exibição do filme em circuito nacional do filme "Araguaya, a Conspiração do Silêncio", do cineasta Ronaldo Duque.
Com uma cesta de prêmios considerável, não há previsão de exibição da película em Belém ou qualquer outra cidade do Pará ou Tocantins, por razões de custo do copião.
Nada mais Brasil!
Confira os prêmios já concedidos:
* Melhor filme: New York Brazilian Film Festival.
* Premio Speciale della Giuria: XX Festival del Cinema Latino Americano - Trieste, Itália.
* Prêmio Especial do Juri: 32º Festival de Cinema de Gramado.
Para os interssados em maiores informações acesse aqui

Bandeirolas e flâmulas liberados em carros diz TSE

O TSE (lela aqui) autorizou o uso de bandeirolas e flâmulas com propaganda eleitoral em veículos.

Indispensável

Reitor da Universidade Federal do Pará, Alex Fiúza de Mello, caladinho, foi um dos formuladores, desde o primeiro momento, ainda no grupo de trabalho constituído pelo ex-ministro da Educação, Tarso Genro, na discussão do projeto de reformulação do Ensino Superior; esta semana enviado pelo Executivo à avaliação do Parlamento.
O blog testemunhou os elogios da competência do sucessor de Genro na pasta, um jovem igualmente competente (Fernando Haddad), como Alex.