Nota à Imprensa do deputado federal Zequinha Marinho

Nota à imprensa sobre investigações da máfia das ambulâncias

O deputado federal Zequinha Marinho, em relação à matéria jornalística divulgada no jornal Correio Braziliense, de hoje, 11 de maio/2006, intitulada "Assessora crava 81 parlamentares", esclarece os seguintes pontos:

1- Desde o início da 52ª Legislatura o deputado destinou quatro emendas para aquisição de unidades móveis de Saúde, conforme abaixo descriminado:

1.1- Unidade Móvel de Saúde equipada com gabinete odontológico completo, que ainda não foi entregue – valor R$ 120 mil, destinado à Oscip Pará Social, cuja vencedora da licitação foi a empresa HP Comércio e Serviço, tradicional fornecedora de Brasília;

1.2 - Unidade Móvel de Saúde – Prefeitura de Tomé-Açu – valor R$ 40 mil – licitação não iniciada, o valor já foi depositado na conta da prefeitura;

1.3- Unidade Móvel de Saúde – Prefeitura de Anapu – valor R$ 60 mil – processo licitatório iniciado, porém, não concluído, o valor já foi depositado na conta da prefeitura;

1.4- Unidade Móvel de Saúde – Prefeitura de Santarém – valor R$ 40 mil – licitação não iniciada, o valor já foi depositado na conta da prefeitura;

2- Não há qualquer ligação entre o deputado e seus assessores com as pessoas detidas na Operação Sanguessuga;

3- O deputado não conhece e nunca viu a ex-assessora do Ministério da Saúde, Maria da Penha Lino;

4- O deputado acionará na Justiça, criminalmente, a referida assessora;

5- Solicitou enérgicas providências da Mesa-Diretora para o imediato esclarecimento dos fatos, e rigorosa e exemplar punição aos envolvidos no lamentável episódio.

Faz-se necessário este esclarecimento para que as pessoas formem seu próprio juízo, para além de qualquer distorção do bom e honrado nome do parlamentar.

Val-André Mutran
Assessor de Imprensa
Gabinete Deputado Federal Zequinha Marinho
Cabe ao Executivo analisar se há superfaturamento ou não no processo conforme a Lei 8666/99, a Lei de Licitações. Não cabe ao parlamentar qualquer ingerência neste processo.

Nenhum comentário: