Impunidade aos banqueiros

Artigo

* Por Val-André Mutran

Na reunião convocada pessoalmente pelo presidente americano Geoge Walker Bush aos presidentes do G-20, presidido no momento pelo Brasil na figura institucional do presidente Luis Inácio da Silva, neste final de semana em Washington para discutir a crise emergida por operação sem lastro de papéis designados pelo mercado como sub-prime, um fato pode e deve ser tratado: há em curso em terras americanas alguma providência determinada por Bush ao FBI para investigar a participação em delinqüência econômica organizada pelos banqueiros de Wall Street e arredores?

Na Cyti londrina alguma providência foi tomada pelo primeiro ministro britânico Gordom Brown à Scotland Yard para a mesma investigação. Na Alemanha, na França, na Itália, no Japão. No G-9 isso foi feito pelos respectivos membros às suas polícias federais e organismos de inteligência?

Aa contrário do que o nosso presidente tem alardeado: "a crise lá fora é um tsunami que aqui não passará de uma marola", é muito otimista sob uma avaliação mais acurada do ponto de vista técnico como aponta o relatório do FMI que estará presente à reunião que tem como missão salvar da bancarrota o sistema financeiro internacional é algo muito preocupante.

Bradesco (o maior banco privado brasileiro, Itaú - o segundo - e Unibanco, suspenderam sem prazo estipulado e de forma unilateral com um anacrônico comunicado em suas páginas de Homebanking, a suspensão das operações de crédito pessoal. Isso é gravíssimo e não vi nenhum comunicado para acalmar os correntistas de parte do presidente do Banco Central brasileiro, o ex-presidente mundial do Bank Boston, Henrique Meirelles, candidato anunciado ao governo de Goiás em disputa com o senador incorrigível Marconi Perillo - o honesto.

De acordo com Charles Collyns, diretor-adjunto do Departamento de Pesquisas do FMI, estes diversos choques são ''as condições financeiras internacionais, que estão piorando, a crescente escassez de liquidez - que explica as pressões sobre a moeda brasileira - e o fato de o Brasil ser um grande exportador de commodities, cujos preços estão caindo''.

Em seu relatório Panorama Econômico Mundial, divulgado na última quarta-feira, o fundo estimou que o Brasil crescerá 3,5% em 2009, taxa inferior à projeção deste ano, de 5,2%.

O fundo estima ainda que a taxa de inflação para este ano ficará em 5,7%, contra 3,6%, em 2007, e deverá ser de 5,1% no ano que vem.

A situação fica muito estranha e começa a ensejar suspeitas ao verificarmos que nenhuma declaração desses líderes mundiais, cujos banqueiros são diretamente responsáveis pela crise, não estejam sendo investigados quanto aoi grau de responsabilidade de cada um no que chamo de delinqüência econômica organizada.

Visto que mesmo com ajuda corrdenada pelo FED (o Banco Central Americano) com os seus congêneres a economia continua ladeira abaixo e com forte tendência de recessão batendo na porta nos próximos meses.

Investigação já sobre a real responsabilidade de banqueiros especulativos. É o mínimo que o poupador exige, visto que o conjunto da sociedade pagará a conta desse golpe de mafiosos financista.

* Sou jornalista e atuo como assessor de imprensa.

2 comentários:

ANTONIO/NICÓ disse...

Entendo que essa crise mundial, foi bem elaborada pelos grandes investidores, HOMENS DO DINHEIRO
"GOLPE DE MESTRE" pois TRILHÕES DE DOLARES, SUMIRAM DA BOLSA MUNDIAL,
talves esteja transformadas em ouro, ou em dolares ou esteja em cofres particulares, até que os preços das ações fiquem desvalorizados, APÓS AJUDA DOS PRESIDENTES DE CADA NAÇÃO MAIS RICAS DO MUNDO, caso contrário será uma QUEBRADEIRA TOTAL.
Depois do SOCORRO MUNDIAL para cobrir o ROMBO FINANCEIRO, aqueles
INVESTIDORES TRILHONÁRIOS, voltarão
ao MERCADO DAS BOLSAS e COMEÇAR GANHAR DINHEIRO NOVAMENTE.

Val-André Mutran disse...

Concordo com você anônimo. Em algum momento ou mesmo agora, alguém, talvez muitos, encheram os bolsos de dinheiro com essa crise e nada está sendo investigado, pelo contrário. As populações do países mais abalados com a crise é que terão que pagar a conta.