O relaxa e goza de Marta

Abertas as urnas, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) não só se reelegeu como também superou a vantagem que o padrinho político, José Serra, havia imposto à mesma adversária, Marta Suplicy (PT), em 2004. Kassab derrotou a ex-ministra pela diferença de 1,34 milhão de votos (60,72% a 39,28%) e o PT perdeu redutos eleitorais e foi empurrado à periferia.

6 comentários:

AURITM disse...

Agora, sim, a Marta vai relaxar e gozar.
Pensar antes de falar - eis o ideal.
E, respeito é bom e o povo gosta.
É como criar um caminho ao longo da vida onde você pode parar calmamente,
olhar para trás, e só ver luz.

Val-André Mutran disse...

E isso ai.
Obrigado pela opinião.

Anônimo disse...

Divulga aí no teu blog "democrático". Duvido:29/10/2008.Um dos principais líderes da maior greve da história da polícia de São Paulo alerta: a paralisação só vai acabar quando uma ampla reforma da Polícia Civil for colocada em pauta pelo governo paulista. "O movimento pode durar até o fim do governo, por mais 720 dias. Mesmo não sendo o que queremos", afirma o diretor da Associação dos Delegados de Polícia de São Paulo, o delegado André Dahmer.

Usando termos caros aos governos tucanos, Dahmer fala que a greve da categoria está sendo "proativa", na luta por um "choque de gestão". Ele defende que eventuais mudanças reivindicadas pelo movimento permitiriam a diminuição da ingerência política na definição dos quadros e a ascensão na carreira pautada em critérios técnicos, mais parecido com o que ocorre hoje com a Polícia Militar. "Uma cidade como Adamantina, com 32 mil habitantes, tem três delegacias, uma seccional, cadeia pública e departamento de trânsito. Miracatu, com a mesma população, tem só um distrito. Cidade Tiradentes, em São Paulo, com 500 mil habitantes, também."
O diretor nega que atua por interesses partidários. Com 17 anos de polícia, no ano 2000, durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Dahmer era diretor da Secretaria Nacional de Segurança Pública e atuou como coordenador e articulador das ações de segurança nos diferentes Estados. Em 2002, participou da elaboração do programa de segurança pública do então candidato a presidente pelo PSDB, José Serra. Nessa época, diz ter defendido grande parte das demandas existentes por parte das 18 entidades que integram a atual greve. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Val-André Mutran disse...

Não vejo porque não divulgar anônimo!?
Você está enganado com esse espaço.

Jorge Domingos disse...

Sobre a greve da policia civil em São Paulo,voces aqui do estado notaram alguma diferença com ou sem eles,a policia civil só serve para tirar documentos,e isto qualquer auxiliar administrativo faz.Um abraço.

Val-André Mutran disse...

Jorge,
deve haver algum equívoco da sua parte.
A Polícia Civil é a polícia judiciária do Estado. Suas funções são imprescindíveis à sociedade.
Espero que você nunca seja vítima de um assalto, mas, se for, é a ela que você deve recorrer para que o Estado inicie o processo de atendimento ao cidadão, a partir da queixa que, hoje, pode ser feita em muitos casos pela internet e possibilidade do acompanhamento do caso.
-- Agora, se o Estado não tem a capacidade administrativa de fortalecer a sua PC e ela está infiltrada de maus servidores, isso é outra história.
A maioria não é.