O “Créu” do senador

Editorial de o globo
Defesa do Senado

Quando passou pela Casa na condição de representante do Rio de Janeiro, Darcy Ribeiro definiu o Senado como o "céu". Com uma vantagem: "Não é preciso morrer para estar nele." A tirada de Darcy entrou para o folclore e passou a constar da lista de frases do antropólogo. Só não se podia imaginar que, tempos depois, parlamentares e funcionários da instituição dariam uma interpretação muito própria ao que seria "céu", e passaram a patrocinar uma série de desmandos, talvez os mais graves da história centenária do Senado.

Percebe-se que, para alguns, o paraíso do Senado é aquele lugar onde existem impunidade, farto dinheiro público para gastos privados e empregos abundantes para parentes e amigos. Talvez por isso
uma casa legislativa com 81 parlamentares tenha 10 mil funcionários.

Mais aqui>>

2 comentários:

Anônimo disse...

Casa representante do Governo, numa vergonhosa orgia de corrupção, em que grande maioria participa embevecido; outra parte de esguelha tira particular proveito; outra mínima, ainda que nada ganhe, apaticamente amoral, mudança nenhuma esboça. Nessa grande festa dispendiosa, esbanja o Senado em continuísmo imoral. E a casa vizinha, representante dos cidadãos que deveria ser, para não ficar atrás, também organiza particulares festinhas.

Anônimo disse...

Esse nosso Congresso é A VERGONHA NACIONAL!!!