Ode para Sarney












“Auxílio-moradia/

De três mil e oitocentos./

E diz que não sabia.../

Eta, quanto fingimento!/

Esse filme em reprise/

Vez por outra, entra em cena./

Sempre no olho da crise/

Desde membro da Arena./

Joga lixo sobre o Lago/

Seca o Capiberibe./

E depois de tanto estrago/

Jamais, nunca, se inibe./

Nada tem a declarar/

A exemplo do Falcão./

Armando para barrar/

Qualquer investigação./

Se do golpe é uma cria/

Dia e noite, só conspira./

E a sua hipocrisia/

Já passou de ser mentira” ·

* Antonio Francisco, PDT Rio de Janeiro

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu achei interessante as desculpas do senador Sarney, em dizer que a crise é do Senado, o senador chegou ontem para o Senado? Só pelo Congresso, desde que eu me entendo como gente, eu vejo o Sr. Sarney. Então senador a crise é sua também, essa podridão já vem de muitos anos atrás e não é a primeira vez que o Senhor é presidente do Senado, logo, o Senhor é responsável sim por essa crise que o Senado está passando.
Uma coisa Senador, o Senhor é um ótimo aluno, assimilou muito bem o que o seu professor Lula lhe ensinou, ou seja, "NÃO SABE DE NADA". Não sabia que recebia ajuda de moradia, não sabe sobre os atos secretos que nomearam parentes

Anônimo disse...

Sarney é rato que correu do barco ARENA, e buscou abrigo no MDB de Ulisses, até então inimigo;
Sarney é 'pai' do plano cruzado; cruzado com o qual nocauteou mais da metade do povo;
Sarney está sempre ao lado do poder...ou será que é ele o poder?
Será teoria da conspiração ou srá que Sarney é mesmo o maior lesa-pátria ?
Como um rato do barco ARENA vem a ser comandante em outro barco?
Para quem nao sabe de nada, está muito tempo no poder...

julio ayres disse...

Finalmente a grande imprensa começa a mostrar para o mundo quem é Zé Meu Filho,o Maranhão pena a tanto tempo nas mãos desta famiglia maranhense,o poderoso chefão pensou que o senado era também pertencente a sua capitania hereditária.Infelizmente esse Brasil de poucos donos ainda preserva essas especies predatoras,que não aceitam sair de cima da carniça por eles produzidas.
Julio Ayres- um maranhense.