O "mico" de Guido Mantega

Os vexames do ministro

Editorial O Estado de S. Paulo

O governo Lula insiste em ignorar que a mentira tem pernas curtas e que não se pode escarnecer impunemente da inteligência alheia. Se já tivesse aprendido com a própria experiência, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, teria tido a precaução elementar de não brigar com os fatos à vista de todos, como faz agora, poupando-se de um duplo vexame no caso da crise da Receita Federal. De um lado, pela forma leviana como tem se manifestado sobre o conflito sem precedentes em um dos mais importantes setores do Estado nacional. De outro, pelo desmentido - pelos fatos - das suas alegações para justificar a demissão da então titular do Fisco, Lina Maria Vieira, em julho último. Ela foi nomeada por motivos políticos; passados 11 meses, foi removida por motivos políticos.

É impossível subestimar a gravidade da rebelião na Receita, que já levou cerca de 60 servidores de elite a entregar os seus cargos. Entre eles, os superintendentes e coordenadores que subscreveram um documento denunciando a "clara ruptura com a orientação e as diretrizes" do órgão na gestão do novo secretário Otacílio Cartaxo. Eles sustentam que o rompimento atingiu o próprio "projeto de atuação do órgão", que dava prioridade à fiscalização sobre os chamados grandes contribuintes. Mantega não apenas qualificou a denúncia como "balela", mas a considerou "uma desculpa para encobrir a ineficiência" da administração Lina Vieira. Com isso, fez o que o presidente Lula queria evitar a todo custo - ou seja, polemizar, ou, como teria dito, "bater boca" com a ex-secretária.

Lula tem bons motivos para temer que a opinião pública a veja como vítima de humilhações, em represália por haver confirmado rumores de que, em fins do ano passado, foi chamada pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para uma conversa em que ouviu um pedido para "agilizar" a investigação sobre as finanças do empresário Fernando Sarney, o filho do presidente do Senado. Dilma nega o encontro e o pedido. À inconveniência, Mantega acrescentou a balela de declarar que "a Receita está funcionando na normalidade" e que "está se criando a ideia falsa de que há confusão". Não é a primeira vez e decerto não será a última em que Lula e seu pessoal apelam para a teoria da marolinha, na tentativa de minimizar perante a opinião pública a ameaça de um tsunami.

Em um governo menos confiante na inabalável popularidade de seu chefe, o ministro ao qual responde uma instituição da importância do Fisco estaria com a cabeça a prêmio pela incapacidade de prevenir o desastre. Mas não há o que abale a autoconfiança do nosso Guia Supremo. Mantega não vai mudar apenas porque a sua versão, de que Lina Vieira perdeu o lugar porque a sua alegada ineficiência derrubou a arrecadação, acaba de ser desmoralizada por um órgão da própria administração federal - aliás, criticado por sua excessiva fidelidade à ideologia petista. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) demonstra com números singelos que a arrecadação caiu, como todo mundo sabe, devido à retração da economia e à política de desonerações tributárias para estimular o consumo. No primeiro semestre, a receita da União diminuiu R$ 26,5 bilhões em comparação com o mesmo período do ano passado. Desse total, R$ 15,5 bilhões correspondem às desonerações e compensações tributárias adotadas por empresas como a Petrobrás.

Mas, no imbróglio da Receita, que inclui o episódio da reunião entre Dilma Rousseff e Lina Vieira, as desavenças do governo com a verdade vão além do palavreado de Mantega. Na semana passada, instado a dar acesso às imagens do entra e sai no Palácio do Planalto que poderiam provar que a ex-secretária, como assegura, ali esteve para se encontrar com a ministra no final de 2008, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Armando Félix, argumentou que as gravações já não existem porque são armazenadas por apenas cerca de 30 dias. A explicação foi posta em xeque. O site Contas Abertas revelou que o edital para a contratação da empresa fornecedora dos equipamentos do sistema de segurança palaciano estipulava que os registros deveriam ficar guardados em um banco de dados por 6 meses no mínimo - e, depois, "transferidos definitivamente para uma unidade de backup". Terá o governo descumprido as suas próprias regras ou procura poupar a candidata de Lula do confronto com os fatos?

7 comentários:

Lucano disse...

Só estou transcrevedo um trecho do livro "O Príncipe", de Maquiavel. Que os leitores tirem suas próprias conclusões:

"Jamais faltaram a um príncipe razões legítimas para justificar a sua quebra da palavra. Disto poder-se-ia dar inúmeros exemplos modernos, mostrar quantas pazes e quantas promessas foram tornadas írritas e vãs pela infidelidade dos príncipes; e aquele que, com mais perfeição, soube agir como a raposa, saiu-se melhor.

Mas é necessário saber bem disfarçar esta qualidade e ser grande simulador e dissimulador: tão simples são os homens e de tal forma cedem às necessidades presentes, que aquele que engana sempre encontrará quem se deixe enganar."

Luiz Carlos Nogueira

Leila Brito disse...

Me desculpe, mas eu não faria coro a esse factóide criado pela Mídia Sionista e pela Oposição PSDB/DEM, com o fim de melar a candidatura e eleição da Dilma Rousseff.

Não sou PT, ao contrário, combato veementemente seus erros de governo, mas daí a me colocar do lado desses FACTÓIDES, pois comprovado está e divulgado está pela mídia independente séria (Carta Capital, Carta Maior, Luis Nassif, PHA, Azenha, Caros Amigos e outros blogueiros INTELIGENTES e REALMENTE AMIGOS DO POVO BRASILEIRO, que o caso Lina Vieira é mais um FACTÓIDE, ou seja, GOLPE SUJO DESSA MÍDIA QUE VEM A ANOS ELEGENDO OS PRESIDENTES DA REPÚBLICA DESTE PAÍS, com exceção do Lula, que quer queiram quer não foi o melhor governo dos últimos tempos - temos de reconhecer isto.

Reafirmo - não sou PT, sou PSTU, mas isto não me impede de enxergar a REALIDADE DOS FATOS.

Sugiro que você publique a outra face da moeda, ao invés de se aliar à Grande Mídia PODRE e MANIPULADORA DA OPINIÃO PUBLICA.
Já basta o massacre espúrio da Rede Globo, Folha, Estadão, Veja, etc. em cima do povo analfabeto político.

Abraços,
Leila Brito

Anônimo disse...

O que esperar de um presidente semi-analfabeto ? Que ele saiba escolher seus auxiliares ?
Que estes auxiliares sejam competentes? Que saibam distinguir entre o que é bom ou ruim para o país ?
Que tenham eles a noção da máquina que ora se desmantela (no caso, a Receita Federal)?
Que, para voltar à situação de antes, poderão ser gastos uma dezena de anos? Que eles tenham a conciência disso ?
Que os 60 milhões que votaram nele reconheçam a m... que fizeram ?
Qua e mídia fique calada com as trapalhadas que este governo faz à toda hora ?
Oxalá a imprensa consiga eleger em 2010 um anti-lula, mas que não seja um pró-collor e sim um pró-juscelino ou um pró-castelo!

Anônimo disse...

Muito bem Leila Brito,

acima de tudo precisamos ser imparciais na exposicao dos fatos...

Vc está coberta de razao ao colocar o interesse excuso da grande midia em derrubar este projeto de governo q começou com o Presidente Lula.

Coincidencia ou nao, nas vesperas da reeleicao do Lula as pressoes desta grande midia foi em cima dele, agora que ele nao é candidato, mas sim, possivelmente, a Dilma, toda pressao volta-se para ela...

Temos obrigacao de refletir sobre estas acoes manipuladoras desta caquetica elite dominadora midiatica.

Reinaldo Pereira

A.T.I.T.U.D.E. disse...

A máquina do poder não governa para o cidadão e sim para os interesses de Estado e de seus dirigentes.
Não devemos nos iludir com o caráter dos políticos, mas atuarmos no sentido de despoluir suas decisões.

Anônimo disse...

O que realmente deve ser considerado não éá demissão da funcionária da receita e sim o fato de "esconder" a informação, numa reedição do autoritarismo militar. Ou alguém duvida que O Príncipe citado em comentário esteja presente? Não que o apedeuta tenha sequer conseguido ler alguma linha da obra. Mas alguém o aconselha muito bem. Porém, como Pinóquio, o nariz cresce a cada dia. Um dia todos perceberão e, com certeza, não haverá dinheiro para comprar todas as consciências. A menos que o "grande projeto" seja enfim deflagrado. Deus nos livre!

Anônimo disse...

Prezados(as) Senhores(as), eu gostaria de saber por que cada vez que a imprensa PiG e seus reporteres, falam que são irresponsáveis os que defendem as medidas para repor o que foi tomado dos aposentados e pensionistas? O PiG, não quer que seja pago o que é devido ao aposentado e pensionista, pois desta forma os seus clientes ricos terão mais dinheiro para gastar êles. Para se ter uma idéia do volume de dinheiro que a Previdência, tem leiam o jornal de Brasília, Fatorama, de 05/07, pag.18. Com o advento da internet, blogs, sites, muita coisa vai mudar.
Valerio Amichetti
vamichetti@uol.com.br