Palocci absolvido é a 2.a opção de Lula

Mais um componente do alto clero petista escapou de uma punição judicial que o colocaria no umbral político.

Por falta de provas, 5 dos 9 ministros do STF absolveram o todo poderoso Antonio Palocci da acusação de que teria quebrado sigilo de caseiro enquanto era minsitro da Fazenda.

A decisão enche de alegria o presidente Lula que, “coloca na manga” um coringa na estratégia de sua sucessão

Maioria entendeu que não há provas de que ele ordenou a quebra.
Ministros, no entanto, aceitaram denúncia contra Jorge Mattoso.

Diego Abreu e Robson Bonin Do G1, em Brasília

Foto: Celso Junior/AE

Foto: Celso Junior/AE
O caseiro Francenildo dos Santos Costa no STF, em Brasília,aguardando o julgamento da ação do MP contra o ex-ministro da Fazenda e atual deputado Antonio Palocci (PT-SP) (Foto: Celso Junior/AE)

O Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu nesta quinta-feira (27) o ex-ministro da Fazenda e atual deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) da acusação de que teria quebrado o sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa.
Por 5 votos a 4, os ministros rejeitaram a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), que pedia a abertura de uma ação penal contra o petista. Os ministros entenderam que as evidências apresentadas pelo MPF contra o ex-ministro não comprovaram o seu envolvimento com a quebra do sigilo.

O Supremo, no entanto, aceitou a denúncia contra o ex-presidente da Caixa Econômica Federal Jorge Mattoso, que teria entregado a Palocci o sigilo bancário do caseiro.

Foto: Janine Moraes/Agência Brasil

Foto: Janine Moraes/Agência Brasil
O deputado federal, Antônio Palocci (PT-SP), em novembro de 2008 (Foto: Janine Moraes/Agência Brasil)

Assim, Mattoso passa à condição de réu e responderá a ação cuja pena é de até quatro anos de cadeia. O processo contra ele, porém, será julgado em primeira instância, pois Mattoso não tem foro privilegiado. Ele no entanto, poderá optar ainda por trocar o processo por penas alternativas.
Quanto ao outro acusado no inquérito, o jornalista Marcelo Netto, então assessor de imprensa do Ministério da Fazenda, houve empate de 4 votos a 4. Os ministros então decidiram absolver Netto, aplicando o entendimento de que em caso de empate a decisão aplicada deve ser a que beneficia o denunciado. O empate se deu porque o ministro Cezar Peluso, apesar de ter votado pela absolvição de Palocci, preferiu não se pronunciar sobre Netto e Mattoso.
Primeiro a votar, o presidente do STF, Gilmar Mendes, relator do caso, defendeu o arquivamento do inquérito de Palocci. Seu voto foi acompanhado pelos ministros Eros Grau, Ricardo Lewandowski, Cezar Peluso e Ellen Gracie. Votaram pela abertura da ação contra o ex-ministro Cármen Lúcia, Carlos Ayres Britto, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello.

Foto: U.Dettmar/STF

Foto: U.Dettmar/STF
O presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, durante o julgamento da denúncia feita pelo MPF contra o ex-ministro da Fazenda o deputado federal Antonio Palocci (Foto: U.Dettmar/STF)

Relator

Gilmar Mendes considerou que não há provas de que Palocci tenha ordenado a quebra de sigilo. “A análise dos autos permite concluir que não há elementos mínimos que apontem para a uma iniciativa e menos ainda para uma ordem dele para que se fizesse uma consulta ou emissão e impressão de dados sobre a conta de Francenildo”, afirmou o ministro. Mendes também votou pela absolvição do jornalista Marcelo Netto, assessor de imprensa do Ministério da Fazenda à época dos fatos.
Quanto a Jorge Mattoso, Mendes entendeu que ele deveria ter repassado as informações ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coafi) do Ministério da Fazenda, e não a Palocci. “Ao constatar irregularidades em movimentações bancárias, a Caixa deverá comunicá-las ao Coafi. Nada indicava ou justificava o trânsito das informações sigilosas no âmbito do gabinete do ministro da Fazenda. O ministro não era a autoridade competente para ser informado da movimentação irregular da conta”, destacou.

O advogado Alberto Toron, que defende Mattoso, sustentou que o ex-presidente da Caixa não quebrou o sigilo, apesar de ter repassado o extrato de Francenildo ao ex-ministro. “O que está em causa é a utilização pessoal desses dados. Não há a menor dúvida de que o presidente da Caixa poderia passar a seu superior hierárquico”, disse o advogado.

Governo

O governo aguardava apenas o resultado desse processo. Palocci poderá agora assumir a pasta do ministro das Relações Institucionais, José Múcio, que será indicado para vaga de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Mas segundo auxiliares diretos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Palocci “tem o desejo de se candidatar ao governo de São Paulo” .
O presidente Lula ainda tem preferência por uma candidatura do deputado Ciro Gomes (PSB-CE) ao Palácio dos Bandeirantes. O governo avalia que o simples fato de Palocci ter ocupado a pasta da Fazenda não o credencia como candidato ao governo de São Paulo.
“Tudo vai depender do que vai acontecer com o Palocci no STF. No nosso ponto de vista, o melhor seria uma eleição plebiscitária [entre Dilma e um candidato do PSDB]”, explicou o auxiliar de Lula antes do julgamento desta quinta. Nesse caso, seria melhor que o deputado Ciro Gomes, que tem pretensão de disputar a presidência também, concorresse o governo de São Paulo.

saiba mais

9 comentários:

Luiz disse...

Agora, só falta Bento 16 já pode submeter Antônio Palocci Filho ao processo de canonização.

Inocentado pelo Supremo Tribunal Federal no escândalo do caseiro, tudo indica que Palocci será uma espécie de coordenador financeiro da campanha presidencial de Dilma Rousseff (se ela for mesmo candidata).

Palocci terá o mesmo cargo que herdou do assassinado Celso Daniel, na campanha do chefão Lula, em 2002.

Apesar dessa previsão, a candidatura ao governo de São Paulo, mesmo com poucas chances, ainda é uma alternativa para Palocci.

O que o deputado não deseja – e já avisou a Lula e amigos – é voltar a ser ministro.

Anônimo disse...

PESSOALL, vamos iniciar um movimento pela internet contra a absolução do ex-ministro Palocci
O juiz Gilmar Mendes, é amplamente conhecido por sua parcialidade com o PT e com conhecidos banqueiros.

João Guilherme disse...

O resultado desse julgamento não seria outro, diferente desse que foi divulgado.
O que me deixa desconfiado, é que o prazo para se candidatar para a próxima eleição, vai até setembro, ou seja, os futuros candidatos devem estar com as suas situações OK perante a lei, por coincidência o Palloci pretende se candidatar?
Que competência do STF???

Anônimo disse...

Há eu já sabia no Brasil a corda só arrebenta do lado mas fraco. Com a palavra delegado Protogenes e a Lina Vieira. Aqui nesse pais onde todos os politicos roubam o denunciante vira bandido e o bandido vira héroi avalisado pela mas alta corte de "justiça" do país parabens aos impunes.

Anônimo disse...

Gostaria de saber em que momento o STF condena alguém? Ministros escolhidos por presidente da república dá nisso! Faz o que a política manda. O correto seria os ministros do judiciário serem escolhidos por concurso, só assim haveriam julgamentos não tendenciosos.

Anônimo disse...

JUSTIÇA
Deu a lógica da impunidade, STF
Supremo Tribunal Federal absolve
rapidamente o ex - ministro e
deputado federal Antonio Palocci,
liberando-o para as próximas
eleições. Esse Brasil, não tem jeito
enquanto isso a bandidagem
aumentam a cada dia, por essas
falhas graves. Sabemos também
que os 40 mensaleiros e outros,serão
absolvidos no futuro próximo ...

Anônimo disse...

Parece que todo mudo leu no jardim de infância alguma leitura sobre a justiça brsileira, que bonitinho. Com um pouquinho de lógica e lembrança aos fatos, um caseiro que recebeu um boa grana de uma figura do PSDB justamente quando resolveu denunciar o ministro. O filhinho querido foi lembrado, coitadinho.
Se tivessse seriedade deveria ser investigado além do munistro, o pai esquecido (por 30 anos) e o filho premiado (o caseiro).

Lidio Lima Jr disse...

A besta, logo acima, esqueceu que mesmo que Francenildo seja culpado de algo isso não inocenta Palocci. O STF deve julgar e não investigar, ainda bem se não as coisas estariam piores. Mas com o gente do quilate de Protógenes na PF to com medo de dizer que o Fidel não é legal e ser preso e condenado por lesa pátria!

http://www.philosporquequilo.blogspot.com/

Anônimo disse...

Ilumindo, mais culpado que o caseiro é quem o comprou para dar informações a cerca das reuniões. Então iluminado, que tal investigar também essa turma do PSDB, que disga-se de passagem, tem muito interesse em tirar do jogo um fortíssimo presidenciável. A besta é quem não consegue olhar para as várias versões