Para Osmar Dias Dilma é inviável eleitoralmente

Osmar receia o insustentável peso de Dilma Rousseff


O senador Osmar Dias colocou as barbas de molho depois de analisar a última pesquisa do Datafolha sobre a sucessão presidencial. Servir de escada e palanque para a ministra Dilma Rousseff não vai ser tarefa fácil.

Apesar de andar de braço dado com Lula para cima e para baixo, usando a máquina oficial de uma forma como nunca se viu antes na história deste país, a ministra estagnou nos 16% das intenções de voto.

A ministra Dilma vai ser uma companhia difícil. Além de passar uma imagem de rispidez, antipatia e prepotência, algo que o eleitor abomina, já vem com uma folha corrida daquelas.

Dilma é acusada de ter usado a máquina pública para forjar um dossiê contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e a ex-primeira dama Ruth Cardoso.

A ministra está envolvida num nebuloso episódio de falsificação do próprio currículo acadêmico, onde fez constar um mestrado e um doutorado inexistentes.

No último episódio grave em que se envolveu, Dilma é acusada pela ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, de tê-la pressionado para aliviar a barra de José Sarney, alvo de uma devassa fiscal por parte da Receita.

O resumo da ópera é que Osmar pode se associar a uma candidatura dura de carregar que vai passar mais tempo se explicando do que fazendo campanha.

Osmar tirou dos números do Datafolha três conclusões preocupantes. A primeira delas é que Lula, por mais popular que seja, não demonstra capacidade de transferir votos e prestígio para Dilma.

A segunda é uma ilação preocupante. Se Lula não transfere votos para Dilma, que é do PT e notoriamente a candidata do coração do presidente, é mais ou menos evidente que Lula não transferirá votos para Osmar, que não é do PT e não identificado, nem pelos petistas, com o PT.

A terceira conclusão é uma inferência ainda mais preocupante. Se Lula não transfere votos para Dilma e, muito menos, para Osmar, não poderá tirar votos do candidato do PDT? A questão é relevante.

O Paraná sempre foi o Estado que mais rejeita o PT, Lula foi derrotado aqui por Serra em 2002 e por Alckmin em 2008. Será que a associação com o PT não será o beijo da morte para Osmar?

A questão está longe de ser acadêmica ou ociosa. Afinal, o cenário mais provável da eleição de 2010 aponta para um confronto entre o senador Osmar Dias e o prefeito Beto Richa.

4 comentários:

Anônimo disse...

Vamos supor que:
Ela não fosse do PT;
Ela não tivesse sido guerrilheira;
Ela não fosse ríspida, prepotente, uma Hitler de saias;
Ela fosse linda e cândida como a Paula Arósio;
Ela falasse como mulher e não como um sargento;
Ela nem fosse mulher;
JAMAIS votaria nela só pelo fato de ter forjado 2 títulos acadêmicos!
É o fim que tenhamos que aturá-la como pré-candidata a um cargo tão importante.

Val-André Mutran disse...

Mentir é inaceitável num cargo desse nivel anônimo.

João Guilherme disse...

Não só a Dilma, mas como o PT em geral, nessa eleição o PT terá uma queda em todo o Brasil, por que?
1- Pelas associações esdruxulas que o Presidente Lula fez;
2- Pela política perversa adotada pelo governo Lula, contra os aposentados e pensionistas acima de um salário, só os aposentados são 8,2 milhões, sem contar com esposa, filhos, noras, genros, e até netos que já votam, esse número pode chegar a 30 milhões;
3- A falta de caráter do presidente Lula e do seu partido, porque tudo que eles defendiam a favor dos aposentados eles estão negando hoje, eles não podem nem negar, os vídeos estão aos milhares pela Internet.

Anônimo disse...

Esquecendo todas as teorias políticas, as análises e os fatos em relação a Dilma, lá na roça diria é que ela e ruim de voto mesmo. Entendo que o governo do PT foi um avanço, se não Lula não teria a popularidade que tem, agora eleição é outra história.