Protocolado CPI Mista para investigar repasses ao MST

Foi protocalado há pouco no Senado Federal o pedido de abertura de CPI para investigar os repasses de recursos ao Movimento de Trabalhadores Sem Terras.

O deputado Onyx Lorenzoni acompanhado da Senadora Kátia Abreu e do Deputado Ronaldo Caiado, ingressaram na Secretaria-Geral da Mesa do Senado na CPMI do Campo. Foram coletadas 192 assinaturas no plenário da Casa, e 34 Senadores a subscreveram, a fim de que se possa fazer uma investigação na Câmara e no Senado sobre a questão do financiamento, hoje, do Movimento Sem Terra.

Foram mais de 60 milhões, nos últimos anos, sendo que 40 milhões vieram do Governo Federal. Inúmeros convênios foram identificados ainda no episódio, há3 anos, da CPI da Terra, denunciados ao Tribunal de Contas da União e levados ao Judiciário. Já existem condenações de vários convênios feitos pelo Governo Federal que continuaram a ser repetidos.

Fora disso, são 20 milhões de reais, aproximadamente 10 milhões de dólares, que ingressaram no Brasil no último ano vindos de instituições estrangeiras.

Hoje, para financiar a quebra de um direito constitucional pétreo, que é o direito de propriedade, para desarranjar o meio rural, para conflitar o campo, 10 milhões de dólares deram ingresso no País. "Nós não somos ingênuos", disse Lorenzoni.

O Brasil se transformou, nos últimos 10 anos, no campeão (ou vice-campeão) mundial de várias commodities. Há interesses estrangeiros muito fortes para estabelecer dificuldades, principalmente por conta da competitividade que o País tem na carne bovina, na carne suína, na soja e em outras commodities.

Por isso, é sim missão do Parlamento, através de uma CPMI, colocar luz sobre o tema para verificar se houve ação premeditada, omissão ou conivência do Governo Federal ou para saber até que ponto as instituições internacionais cujo dinheiro, muitas vezes, tem origem nos subsídios agrícolas americanos e europeus estão vindo para o Brasil financiar um movimento que é clandestino, uma instituição que não existe formalmente no Brasil e que tem uma conduta bandida.

Por isso, nós aguardamos os próximos dias para a instalação da CPMI do Campo, que tem como missão investigar e ajudar o Brasil, conclui o parlamentar.

3 comentários:

Anônimo disse...

Deveriam investigar tambem os já assentados. Eles estão em suas terras e produzindo o mínimo para a garantir a sua renda familiar ou continuam recebendo do govêrno sem produzir nada?

Anônimo disse...

Como um câncer, o MST incha com o dinheiro público. Seria só cortar estra grana que alimenta esta praga, que o MST sofreria um forte abalo e teria o número de componentes diminuído.
Felismente, o governo do sapo barbudo já está no fim e vamos torcer para que o próximo presidente desfaça as cagadas do Lula nesta área do agro negócio. Melhor ainda seria se o Congresso votasse a colocação deste movimento de vagabundos e bandidos na ilegalidade.Aí sim este cancro que cresce com dinheiro público secaria de vez!
Se tal não acontecer, que tal se os proprietários de terra parassem de pagar impostos ?

Anônimo disse...

mais temos que leavr em concideração se não fosse o sapo barbudo estar governando o que seria do brasil dos brasileiros hoje podemos chamar que e do brasileiros porque os que passaram deixaram empinhorado e eu nunca mais quero que esses se aprocime de governar o brasil mais tem mais coisa para envestigar do os sem tera temos parlamentares envolvido com os traficantes o que apoio os que fazem projetos em nome do povo para beneficio propio e dair por diante o poblema todo que a manmadeira deixou dar leite ou tiraram a vaca leiteira de de muito