Militares brasileiros mortos em terremoto chega a 11. Zilda Arns foi soterrada e corpo já foi resgatado

Comandante do Exército confirma morte de 11 militares no Haiti
Luciana Lima

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Brasília - O  comandante do Exército, general Enzo Peri, fala com jornalistas antes de embarcar em avião da Força Aérea do Brasil com destino ao Haiti

O comandante do Exército, general Enzo Peri, fala com jornalistas antes de embarcar em avião da Força Aérea do Brasil com destino ao Haiti

Brasília - O governo já fala em cem mil mortos. Um dia depois do primeiro tremor, o desespero ainda toma conta das ruas de Porto Príncipe. A capital ficou devastada. O comandante do Exército, Enzo Peri, disse há pouco que já estão confirmadas 11 mortos, oito desaparecidos e nove feridos. Ele destacou, porém, que esses números mudam a todo momento. Peri faz parte da a missão que embarca neste momento para o Haiti.

Segundo ele, dois dos feridos estão em estado grave e foram transferidos para a República Dominicana. O centro de comunicação do Exército divulgou os nomes dos 11 mortos, todos eles da Força de Paz da ONU (ver lista).

O militar, que embarca neste momento para o Haiti, informou que Zilda Arns foi soterrada. O sobrinho da médica, senador Flávio Arns, também está no avião, junto com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, o secretário executivo da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Rogério Sottili, e o embaixador do Brasil no Haiti, Ygor Kipman.

Jobim disse que ainda não dá para saber como será feita a distribuição dos alimentos. Segundo ele, ao chegar ao país caribenho eles vão verificar a situação e definir a melhor forma de fazer isso.

As famílias dos militares já estão sendo avisadas pelas Forças Armadas e o reconhecimento dos corpos restá sendo feito pelo Exército. Os corpos serão removidos para o Brasil, porque seria mais complicado levar os parentes das vítimas ao Haiti, onde não estrutura no momento. O ministro Peri informou ainda que a base brasileira em Porto Príncipe não foi atingida e as vítimas estavam em outros locais no momento do terremoto.

----------------------------------------

“Como podemos explicar às famílias desses soldados e a nós mesmos o que aconteceu?”, perguntava aos seus subordinados na tarde de hoje (13) um graduado general. Desolados, nas últimas 24 horas, os militares brasileiros tentavam entender uma triste ironia. Em segundos, um terremoto em Porto Príncipe fez o que, até agora, nenhuma bala haitiana conseguira: impôs baixas em um dos contingentes das tropas brasileiras que, desde 2004, ajudam no esforço de reconstrução de um país paupérrimo.

Outro militar, o coronel Pedro Pessoa, do Centro de Instrução de Operações de Paz (CioPaz) do Exército Brasileiro, também não escondia sua desolação. “Não consigo imaginar que essas pessoas estão mortas.”

Sob os escombros do prédio da sede da Minustah, em Porto Príncipe, desapareceram o ex-chefe do coronel e hoje chefe da missão da Organização das Nações Unidas (ONU), Hedi Hannabi – cuja morte já foi confirmada - e o brasileiro Luiz Carlos da Costa, segundo na hierarquia da força de paz. “Foi a maior pancada que a gente já teve”, acrescentou Pessoa.

No CioPaz, os militares estavam estupefatos. Não é para menos: todas os homens que o Brasil envia ao Haiti – contingentes que se revezam a cada seis meses – passam por treinamentos lá. A escola, com sede no Rio de Janeiro, tem ajudado também a formar especialistas de outros países latino-americanos.

Em São Paulo, a preocupação do Comando Militar do Sudeste – a quem estava subordinada a maior parte das vítimas brasileiras – é com a remoção dos corpos que já foram identificados no Haiti. A ONU costuma seguir uma série de procedimentos legais para liberar os funcionários mortos. Mas, a expectativa é de que isso aconteça rapidamente.

---------------------------------

Confirmada morte do chefe da missão da ONU no Haiti

O presidente do Haiti, Rene Preval, confirmou hoje (13) a morte do chefe da missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no país, o tunisiano Hedi Annabi. Ele foi uma das vítimas do terremoto que atingiu a capital Porto Príncipe ontem. As informações são da BBC Brasil.

Annabi, 65 anos, subiu à chefia da missão da Minustah no dia 1º de setembro de 2007. Antes disso, ele ocupou por dez anos a subsecretaria-adjunta da ONU para as operações de manutenção de paz. O prédio do órgão ficou destruído após o terremoto.

O brasileiro e vice-representante da ONU no Haiti, o brasileiro Luiz Carlos da Costa, permanece desaparecido.

Fontes: AG/Brasil – BBC e Jornal Nacional.


TV UOL

Nenhum comentário: