Acordo não agrada aposentados e pensionistas

Aposentados criticam acordo para o reajuste

João Pedro Pitombo, do A TARDE

O acordo que definiu o reajuste para 2010 e 2011 dos aposentados que ganham acima de um salário mínimo,  fechado na madrugada de quarta-feira, 26, entre governo federal e centrais sindicais, não é consenso entre aposentados e entidades representativas da categoria. Com reajuste estimado em 6,2%, os aposentados deverão ter 2,5% de ganho real, referente à metade do Produto Interno Bruto do País em 2008. O acordo ainda depende da aprovação do Congresso Nacional e da sanção do presidente.

O valor da correção foi considerado insuficiente: “Do ponto de vista do ganho real, é um avanço. Mas ainda está muito longe da nossa real necessidade”, argumenta o aposentado Francisco Barros, de 82 anos. A Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas e o Sindicato Nacional dos Aposentados questionam alguns pontos do acordo.

A maior polêmica gira em torno da contrapartida exigida pelo governo, que prevê a retirada de mais de 20 projetos que tramitam no Congresso Nacional que preveem benefícios aos aposentados. “Já temos quatro projetos que foram aprovados na Câmara e estão sob análise do Senado. E vamos lutar pela aprovação deles. Não concordamos com os termos do acordo e continuaremos nossa luta até sermos vitoriosos”,  explica o presidente da Associação de Aposentados e Pensionistas da Bahia, Gilson Costa. Segundo ele, a entidade prepara um protesto para hoje. Os aposentados se concentrarão na Praça Municipal e seguirão em passeata até a  agência do INSS na Praça da Sé.

O Sindicato Nacional dos Aposentados tem uma postura mais branda em relação ao acordo. Mas ressalta que ainda é preciso recuperar o poder de compra do aposentado. “O governo tem de levar em conta os frequentes reajustes no preço dos remédios e planos de saúde. Precisamos de correções maiores”, argumenta Nilson Bahia, representante do sindicato no Estado. O aposentado Osvaldino Domingos faz coro. Ele gasta pelo menos R$ 170 por mês somente em medicamentos e pensa que o reajuste dado não é satisfatório. “A cada ano que passa, temos perdas cada vez maiores. O benefício está defasado”, pontua.

Benefícios – Dentre os benefícios estabelecidos pelo acordo, está a obrigação das empresas em garantir o emprego do trabalhador que estiver a um ano de se aposentar. A companhia que não cumprir com a regra deverá arcar com o pagamento de indenização para o funcionário. Além disso, os períodos em que o trabalhador estiver em aviso prévio ou recebendo seguro-desemprego também contarão como tempo de serviço.

Demanda histórica da categoria, a extinção do fator previdenciário, que reduz em até 40% o benefício de que se aposenta mais cedo, foi avaliada positivamente pelas centrais sindicais. Em sua  substituição será implementado o fator 85/95. Esta nova fórmula refere-se à soma  do tempo de contribuição e da idade do trabalhador ao se aposentar. Para os homens são exigidos 95 anos, para as mulheres, 85 anos. Esta substituição irá reduzir a margem de perda do trabalhador que se aposentar antes de atingir o seu fator.

Incremento – O reajuste de 6,2% para os 8,2 milhões de aposentados que ganham acima do salário mínimo vai representar um gasto de cerca de R$ 3 bilhões para a Previdência. Segundo o economista e professor da Universidade Federal da Bahia Osmar Sepúlveda, o reajuste é benéfico e deverá incrementar a economia do País. “Com a melhoria da remuneração dos aposentados, a tendência é de uma maior desconcentração da renda”, afirma Sepúlveda. No entanto, o economista ressalta que o percentual de reajuste concedido não é significativo. 

6 comentários:

Anônimo disse...

AS CENTRAIS SINDICAIS NÃO TEM LIGITIMIDADE NENHUMA PARA DECIDIR O FUTURO DOS APOSENTADOS E DE QUEM VAI SE APOSENTAR ACEITANDO QUE O GOVERNO RETIRE QUASE 20 PROJETOS DE LEI QUE VÃO BENIFICIAR DIRETAMENTE A TODOS OS BRASILEIROS.
O QUE É ISSO?? ISSO É UM GRANDE GOLPE DO EXECUTIVO CONTRA OS TRABALHADORES BRASILEIROS, O MAESTRO É O LULA E OS AJUDANTES SÃO O DEPUTADO PEPE VARGAS E O O DEP.HENRIQUE FONTANA.
É UM GOLPE CONTRA OS MAIS BÁSICOS DIREITOS DEMOCRÁTICOS E CONSTITUCIONAIS. ONDE JÁ SE VIU OS REPRESENTANTES DO POVO DEFENDENDO O EXECUTIVO. É UM ABSURDO. É O FIM DA PICADA. O FORUM CORRETO PARA DISCUÇÃO DESSES IMPORTANTÍSSIMOS ASSUNTOS QUE MUDAM O FUTURO DE MILHÕES DE BRASILEIROS DEVE SER O PLENÁRIO DO CONGRESSO E NÃO OS GABINETES DE UM DEPUTADO FEDERAL QUE DEVERIA ESTAR NOS DEFENDENDO DESSE ABSURDO. FORA ÀS CENTRAIS SINDICAIS. VOTAÇÃO JÁ DOS PL's DO INTERESSE DOS APOSENTADOS.

Anônimo disse...

AS NEGOCIAÇÕES ESPÚREAS ENTRE O DEP.PEPE VERGAS E O DEP.HENRIQUE FONTANA COM AS CENTRAIS SINDICAIS FORAM UM GRANDE TEATRO ARMADO PARA LUDIBRIAR TODOS OS BRASILEIROS QUE VÃO SE APOSENTAR LHES TIRANDO DIREITOS BÁSICOS.
OS TRABALAHDORES BRASILEIROS NÃO RECONHECEM ESTE "ACERTO" FEITO NOS PORÕES DO CONGRESSO, À NOITE, QUE PREJUDICAM DEFINITIVAMENTE TODOS QUE IRÃO SE APOSENTAR.
ESTE TEATRO NÃO SERVIU PARA NADA.

Anônimo disse...

O QUE OS TRABALHADORES ESPERAM E VAI, COM CERTEZA ACONTECER, É A VOTAÇÃO EM PLENÁRIO DOS PL'S 4434/08, 3299/08, 01/07 E O DE DERRUBADA DO VETO PRESIDENCIAL AO AUMENTO DE 16,65% DE 2006 A TODOS APOSENTADOS, COMO EXIGE O ANDAMENTO LIGITIMAMENTE DEMOCRÁTICO E DE ACORDO COM A CONSTITUIÇÃO. SE ISSO NÃO ACONTECER ESTA CONFIGURADO GOLPE CONTRA OS DIREITOS DEMOCRÁTICOS DOS TRABALHADORES BRASILEIROS.

Antonio D Agrella disse...

APOSENTADOS
Esperamos de nossos congressistas,
aprovarem reajustes reais aos aposentados
que ganham acima do mínimo, 16,67% para
2011, já aprovada pela casa, além da proposta
de recomposição do valor do beneficio de
acordo com o número de salários mínimos
que valia na época da concessão da
aposentadoria pelo INSS, após 2012,
atrelado 100% ao crescimento do PIB.

Quaresma disse...

Em termos de beneficiar a população brasileira, nada que venha deste maldito governo será aceito. Mas, quando os benefícios são para eles, chegam ao cúmulo de aprovar na calada da noite, no intuito de fugir dos holofotes da imprensa. FORA, LULA!

Anônimo disse...

Prezados Senhores(as), este foi o ultimo email enviado ao Congresso e a Câmara dos Deputados Federais
São Paulo, 26 de Agosto de 2009

Exmo. Sr. Senador/Deputado
Temos acompanhado na TV Senado/TV Câmara, e na mídia a grande insatisfação que assola o Congresso Nacional e a Câmara. Queremos nos solidarizar com todos para que Vossa Excelência seja iluminado por Deus, independente do Estado que V.Excia. representa, da crença religiosa ou da crença partidária. Vossa Excelência representa cada um dos 200 milhões de brasileiros, independente se estes votaram em V.Excia. ou não. O povo, o eleitor, o aposentado, precisa que V.Excia, trabalhe para que o Brasil não seja dividido entre os partidos políticos. Não fazemos parte, da massa, do recheio ou da cobertura de um grande bolo. Precisamos que sejamos tratados de acordo, em todas as áreas, salário, educação, saúde, alimentação, transporte e mantermos nossa dignidade moral e cívica. Para tanto pedimos a V.Excia. um momento de reflexão. Quem está satisfeito que lute e trabalhe por nós, brasileiros. Quem não está satisfeito que mude de partido, muitos tem votos suficientes nos seus Estados para se lançarem candidatos a Presidente, Governador e Senador. Concluo, ratificando o vosso bom senso, patriotismo e competência para que sejam tomadas as medidas necessárias para serenar os ânimos de 200 milhões de brasileiros.

Atenciosamente

Valério Amichetti
vamichetti@uol.com.br

PS1. aproveito como nos demais emails, solicitar a V.Excia. todo empenho para que os aposentados tenham novamente seu salário ajustado e recebam a diferença do que lhes foi tomado. Como veiculado na mídia o dinheiro de Previdência foi usado para construir, desde a Transamazônica, passando por Brásilia, etc, etc, chegando a Itaipú. A Previdência ainda tem um crédito de R$ 300 bi a ser recebido. Para as negociações que correm na Câmara, discutindo os direitos dos aposentados e pensionistas, pedimos que estas sejam agilizadas. As estratégias e táticas aprendidas em Caucaia-SP, com o DIEESI e ou as escritas no livro “Prática da Negociações Sindicais” de A.Faljone, que sejam levadas em prática com bom senso, afinal estamos falando de 11 milhões de aposentados, que somados com seus familiares chegam a 30.4 milhões.

PS2. Bolsa família, bolsa alimentação, bolsa educação, bolsa tudo, SIM. Entretanto que estas sejam vinculadas, Bolsa Atividade, Bolsa responsabilidade, social, comunitária: no quarteirão, na praça, no meio ambiente, na limpeza, formar creches familiares, reciclagem no bairro, (não importar lixo, o que é isso?)etc, etc, etc. Bolsa não fazer nada, não.