Distrito Federal: O Faraó contra seu pupilo

En­tre o mo­der­no e o ar­cai­co

Mais uma vez, Jo­a­quim Ro­riz quer vol­tar ao go­ver­no do Dis­tri­to Fe­de­ral

AFON­SO LO­PES

Joaquim Roriz é o retrato de uma forma mumificada de fazer política

O go­ver­na­dor Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da, do DEM, é fa­vo­ri­to à re­e­lei­ção pa­ra o Go­ver­no do Dis­tri­to Fe­de­ral. Mas sua si­tu­a­ção não é to­tal­men­te con­for­tá­vel. O ex-go­ver­na­dor e ex-se­na­dor Jo­a­quim Ro­riz quer vol­tar ao po­der. O pe­e­me­de­bis­ta não se can­sou da vi­da pa­la­cia­na. Há pro­ble­mas sé­rios na sua pre­ten­são: o PMDB, seu par­ti­do, ma­jo­ri­ta­ria­men­te pre­fe­re se ali­ar a Ar­ru­da, que tem re­a­li­za­do um go­ver­no bem es­tru­tu­ra­do, pla­ne­ja­do e que vem re­cu­pe­ran­do aos pou­cos o enor­me es­tra­go cau­sa­do pe­las po­pu­lis­tas ad­mi­nis­tra­ções de Ro­riz.
A bri­ga é feia. Jo­a­quim Ro­riz tem tra­ba­lha­do nos bas­ti­do­res pa­ra le­var a di­re­ção na­ci­o­nal do PMDB a in­ter­vir na fi­li­al do DF, ti­ran­do o de­pu­ta­do Ta­deu Fi­li­pel­li do co­man­do da si­gla. Os dois eram ali­a­dos an­ti­ga­men­te, mas ago­ra Fi­li­pel­li en­ten­de que Ar­ru­da de­ve con­ti­nu­ar no co­man­do do Pa­lá­cio das Águas Cla­ras. O pre­si­den­te do PMDB do DF de­vol­veu ao par­ti­do sua an­ti­ga im­por­tân­cia po­lí­ti­ca, e tal­vez se­ja is­so que in­co­mo­da tan­to os ro­ri­zis­tas.

Pres­tí­gio — Fi­li­pel­li é ar­ro­ja­do e tem cres­ci­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, on­de pre­si­de a CCJ, Co­mis­são de Cons­ti­tu­i­ção e Jus­ti­ça, a mais im­por­tan­te co­mis­são te­má­ti­ca do par­la­men­to. Além dis­so, tem li­vre trân­si­to jun­to ao co­man­do do PMDB, em ní­vel na­ci­o­nal, e com os de­mais par­ti­dos bem si­tu­a­dos no ta­bu­lei­ro bra­si­li­en­se, co­mo o DEM e o PT. Sua si­tu­a­ção é tão con­for­tá­vel que po­de­rá es­co­lher o car­go nu­ma even­tual co­li­ga­ção com Ar­ru­da, de vi­ce-go­ver­na­dor ou se­na­dor.

É es­sa tran­qui­li­da­de den­tro do PMDB que Ro­riz vem ame­a­çan­do ao ten­tar que­brar a apa­ren­te har­mo­nia exis­ten­te no ce­ná­rio prin­ci­pal da po­lí­ti­ca do DF. Sua ten­ta­ti­va de re­tor­no ao Pa­lá­cio, mes­mo con­tra as li­de­ran­ças pe­e­me­de­bis­tas, não tem gran­des sim­pa­ti­as fo­ra do seu pró­prio ei­xo de atu­a­ção. Por in­crí­vel que pos­sa pa­re­cer, Jo­a­quim Ro­riz pre­ci­sou do apoio do PMDB de Go­i­ás, que so­nha com o apoio de­le a Iris Re­zen­de na Re­gi­ão do En­tor­no nas elei­ções do ano que vem, até pa­ra pe­dir a in­ter­ven­ção na­ci­o­nal no PMDB do DF. Ou se­ja, Ro­riz vi­ve um iso­la­men­to qua­se to­tal in­ter­na­men­te.

De Go­i­ás, Adib Eli­as, pre­si­den­te em exer­cí­cio do PMDB re­gi­o­nal, aten­deu ao pe­di­do de Ro­riz, mas é pou­co pro­vá­vel que a di­re­ção na­ci­o­nal op­te pe­la in­ter­ven­ção e afas­ta­men­to de sua prin­ci­pal es­tre­la em as­cen­são, que é Fi­li­pel­li. O cli­ma en­tre as du­as fi­li­ais do PMDB, no en­tan­to, não an­da na­da bom.
Pa­ra Ar­ru­da e os de­mais par­ti­dos que lhe ga­ran­te go­ver­na­bi­li­da­de, o pe­di­do de in­ter­ven­ção re­pre­sen­ta tu­do aqui­lo que se ima­gi­na­va de­fi­ni­ti­va­men­te afas­ta­do da prá­ti­ca po­lí­ti­ca na ca­pi­tal do Bra­sil: o mo­de­lo an­ti­go e au­to­ri­tá­rio de agir po­li­ti­ca­men­te. E es­se é exa­ta­men­te o ris­co de se ter mais uma vez Jo­a­quim Ro­riz no co­man­do do GDF.

Nas ou­tras ve­zes em que co­man­dou o Pa­lá­cio, Jo­a­quim Ro­riz im­plan­tou o mai­or pó­lo de atra­ção de po­pu­la­ções mi­gran­tes do Bra­sil, do­an­do lo­tes ur­ba­nos aos mi­lha­res. O re­sul­ta­do des­sa po­lí­ti­ca é a que se ob­ser­va ho­je nas ci­da­des sa­té­li­tes de Bra­sí­lia e na re­gi­ão go­i­a­na do En­tor­no: po­pu­la­ções imen­sas, de­man­das in­con­tá­veis e in­ca­pa­ci­da­de de o Es­ta­do ban­car a fes­ta da mi­gra­ção des­con­tro­la­da pro­mo­vi­da pe­lo pe­e­me­de­bis­ta.

Já Ar­ru­da é uma das gran­des es­tre­las na­ci­o­nais do DEM pe­la for­ma ar­ro­ja­da e pla­ne­ja­da com que mon­tou sua equi­pe ad­mi­nis­tra­ti­va. O GDF, com ele, va­lo­ri­zou a mo­der­ni­za­ção das re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais, ao con­trá­rio do que ocor­ria nos tem­pos de Ro­riz. Uma de su­as pri­mei­ras me­di­das, por exem­plo, foi ado­tar o am­bi­en­te co­le­ti­vo pa­ra as se­cre­ta­rias. An­tes, era ca­da um no seu ga­lho, sem qual­quer pos­si­bi­li­da­de de co­ne­xão ad­mi­nis­tra­ti­va.

Mas é exa­ta­men­te pe­la in­fle­xi­bi­li­da­de no cam­po do po­pu­lis­mo que tor­na a dis­pu­ta en­tre Ro­riz e Ar­ru­da tão aper­ta­da. O de­mo­cra­ta so­bra na dis­pu­ta con­tra o pe­e­me­de­bis­ta nas ci­da­des e no Pla­no Pi­lo­to, mas per­de quan­do o con­fron­to ocor­re nos bair­ros re­sul­tan­tes da mi­gra­ção dos anos 90, co­mo o Sa­mam­baia, ou nas ci­da­des go­i­a­nas do En­tor­no, on­de Ro­riz per­ma­ne­ce mui­to for­te por con­tro­lar to­dos os par­ti­dos de sua in­flu­ên­cia sob ré­de­as cur­tas.

Nem as inú­me­ras de­nún­cias con­tra Jo­a­quim Ro­riz afe­ta­ram sua po­pu­la­ri­da­de en­tre os mais ca­ren­tes. Pa­ra se ter uma idéia, Ro­riz de­ve ter si­do o se­na­dor da Re­pú­bli­ca de man­da­to mais cur­to de to­da a his­tó­ria, ao re­nun­ci­ar após de­nún­cias apu­ra­das atra­vés de gram­pos te­le­fô­ni­cos so­bre frau­des no BRB, o ban­co es­ta­tal do GDF, em ju­lho de 2007, pou­co mais de cin­co mes­es após to­mar pos­se no car­go. O pre­si­den­te do BRB du­ran­te oi­to anos de sua ad­mi­nis­tra­ção che­gou a ser pre­so.

En­quan­to as ad­mi­nis­tra­ções de Ro­riz fa­ve­li­za­ram o DF, Ar­ru­da cor­tou 22 Se­cre­ta­rias de Es­ta­do, de­mi­tiu 16 mil fun­cio­ná­rios co­mis­sio­na­dos e co­lo­cou as con­tas em dia. Des­de o pri­mei­ro ano de ad­mi­nis­tra­ção, Ar­ru­da es­ta­be­le­ceu al­gu­mas me­tas, co­mo a der­ru­ba­da de edi­fí­ci­os cons­tru­í­dos de for­ma ir­re­gu­lar, e o iní­cio da le­ga­li­za­ção de con­do­mí­nios.

As di­fe­ren­ças en­tre Ro­riz e Ar­ru­da são imen­sas. Am­bos re­nun­ci­a­ram a man­da­tos de se­na­dor. Ro­riz, por cau­sa de de­nún­cias de frau­des no BRB. Ar­ru­da, por ter vis­to uma lis­ta de vo­ta­ção de se­na­do­res. A mo­ti­va­ção da sa­í­da dos dois do Se­na­do foi to­tal­men­te di­fe­ren­te. Ro­riz re­nun­ciou e se ca­lou so­bre as de­nún­cias con­tra ele. Ar­ru­da não ape­nas ad­mi­tiu ter ti­do aces­so à lis­ta de vo­ta­ção co­mo re­co­nhe­ceu ter er­ra­do. Re­nun­ciou ao man­da­to, foi elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral mais bem vo­ta­do de Bra­sí­lia dois anos de­pois, e dis­pu­tou o go­ver­no do DF em 2006, sen­do elei­to com mais de 50 por cen­to dos vo­tos.

Na po­lí­ti­ca de Bra­sí­lia, Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da vem re­pre­sen­tan­do o no­vo, o mo­der­no. Jo­a­quim Ro­riz, ao con­trá­rio, não emi­te qual­quer de­mons­tra­ção de que se re­ci­clou po­li­ti­ca­men­te. O DF, por­tan­to, vi­ve pre­vi­a­men­te um dra­ma: man­ter o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co do go­ver­no ou re­tor­nar ao mo­do im­pro­vi­sa­do de ad­mi­nis­trar so­bre ações po­pu­lis­tas. O pi­or nis­so tu­do é que o re­tor­no de Ro­riz im­pli­ca di­re­ta­men­te ris­cos de mais pro­ble­mas até pa­ra as ci­da­des go­i­a­nas do En­tor­no, vi­ti­mi­za­das ao lon­go dos três man­da­tos de­le pe­la cres­cen­te fa­ve­li­za­ção, que trans­for­mou a re­gi­ão num bar­ril lo­ta­do de pól­vo­ra so­ci­al pres­tes a ex­plo­dir de vez.

Fonte: Opção.

Um comentário:

Quaresma disse...

Qualquer dia Nabucodonosor sai da tumba para voltar a ser faraó do Egito. Vaza, múmia faraônica!