O Globo defende em editorial a permanência do "Fator Previdenciário"

Fora de questão

O Globo

O fator previdenciário contribuiu significativamente não só para melhorar as contas do INSS, mas também para equilibrar o tempo médio de contribuições dos segurados com o de recebimento de benefícios. Matematicamente, o fator foi concebido para ser neutro. Ou seja, se o segurado optar por se aposentar antes de uma determinada idade, e como a expectativa média de vida dos brasileiros só vem aumentando, isso é compensado pelo fator.

Dessa forma, o fator vem desestimulando aposentadorias precoces.

E para os que receberão benefícios abaixo do teto do INSS contribuir por mais alguns anos poderá levá-los a ter um valor de aposentadoria mais alto, pois nesse caso o fator compensa a possível redução do tempo em que o segurado e/ou pensionista permanecerá entre os beneficiários, sempre de acordo com a expectativa de vida da população estimada pelo IBGE.

Trata-se, então, de um critério justo, que não impede as aposentadorias precoces, mas recompensa aqueles que optam por contribuir por mais tempo. Foi a alternativa técnica encontrada — uma espécie de ovo de Colombo — em razão de não ter sido estabelecida na reforma da previdência uma idade mínima para os segurados do INSS se aposentarem por tempo de contribuição. Trata-se inclusive de um aperfeiçoamento da regra que existia antes, da aposentadoria proporcional.

Como o fator recompensa agora aqueles que contribuem por mais tempo, muita gente que se precipitou ao entrar com pedido de aposentadoria (que, pela legislação atual, é irreversível), com receio de ser prejudicada por causa da reforma, hoje torce para que o Congresso aprove alguma mudança na lei que permita o arrependimento, uma volta atrás.

Substituir o fator previdenciário por qualquer outra fórmula, como governo e sindicatos negociam, deveria estar fora de questão.

Trabalhar não é desonra e nem demérito. A filosofia que inspirou a criação da previdência no mundo todo não pode ser esquecida: aqueles que têm capacidade de trabalhar se solidarizam com os que a perderam, por motivo de saúde ou idade avançada.

A experiência demonstra que toda vez que o governo, com raízes sindicais, se reúne com sindicatos alguma conta é transferida para os contribuintes. É o risco que se corre no momento, sendo que da pauta dessas reuniões também consta um aumento real (acima da inflação) para todos os aposentados — mais uma despesa de fins eleitoreiros.

7 comentários:

NONATO disse...

Esses senhores da midia em geral ao invés de fazer reportagem ref. ao deficit da previdência., poderiam verificar o que realmente aconteceu para que existisse esse falso rombo "débito".
Por exemplo, quantos recebem mais de uma aposentadoria (anistiado, presidente, deputados, senadores), quantas empresas devem ao INSS (redes de televisão,clubes, igrejas, prefeituras), milhares de pessoas recebem sem nunca terem contribuído (rural) empresários que não repassam sua parcela e muito menos do trabalhador, e existem muitos mais casos que não contribuem para o deficit da previdência.

Todos nós que contribuídos por 35 anos e os da ativa continuam , não é justo sermos chamados de vagabundos, pois nós trabalhamos e recolhemos honestamente, temos o direito de reaver o que nós foi usurpado.

Os 4 projetos do senador Paim tem que ser aprovados na integra por todos deputados da câmara federal, para ser sancionado pelo presidente Lula.

Anônimo disse...

"...aqueles que têm capacidade de trabalhar se solidarizam com os que a perderam, por motivo de saúde ou idade..."

Então porque é que o FHC e o Lulla (citei 2 nomes para ilustrar) que continuam firmes e fortes, trabalhando e sendo REMUNERADOS para isso, não devolvem aos cofres públicos SUAS VÁRIAS APOSENTADORIAS?

Poderíamos melhorar a Previdência com uma medida única e um único peso.

TODOS, SEM EXCEÇÃO, teriam que trabalhar o mesmo tempo e receber a aposentadoria calculada pelo MESMO mecanismo que seja aprovado.

Algo parecido com.... Todos serem iguais perante a Lei...

Acho que li isso numa tal de Constituição.

moisesalba disse...

Fácil para um editor falar isto, ele não dependerá do inss para sobreviver depois de 35 anos de contribução. esquece ele que o aposentado recebe menos sobre o que contribui e acredito que isto seja uma forma de compensar o sistema. meu caso contribuo sobre 10 slarios e nunca receberei 4650,00 no maximo se tivesse contribuido por todo o tempo sobre o maximo receberia 3250,00 enquanto isso no deputados, senadores e outros privilegiados por leis para si propriorecebem valores que envergonham o assalariado e aposntendado.

Anônimo disse...

E AINDA TEM GENTE QUE ACHA QUE A GLOBO É A VOZ DO POVO BRASILEIRO. PENSE NISSO TRABALHADOR. VOCÊ É UM FUTURO APOSENTADO. E VOCÊ, DONA DE CASA, SEU MARIDO UM DIA VAI PRECISAR APOSENTAR...

Anônimo disse...

Naturalmente que isto só poderia vir do Globo. Não preciso dizer mais nada...

João Guilherme disse...

O que vem do grupo Globo de Jornal, TV e Revistas, não se deve levar a sério. O grupo Globo é conhecido o grupo do apoio da ditadura, ou seja, está sempre do lado que está no poder.
Eles estão crentes que o Lula já elegeu o seu sucessor(a), mas dessa vez eles vão ter uma bela surpresa, é só esperar as eleições do ano que vem.

ozogitra disse...

Quero saber como vai ficar como no meu caso que já tenho 35 anos contribuidos e 47 a de idade??